26.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Cartas de Gabriel García Márquez expostas na Cidade do México

Cidade do México (Prensa Latina) O rico epistolar de Gabriel García Márquez, com cartas trocadas com Fidel Castro, Pablo Neruda ou Joaquín Sabina, entre muitos, está em exibição a partir de hoje na casa em que morou na Cidade do México.

A iniciativa surgiu a partir da revelação de uma de suas netas quando as encontrou em uma caixa reservada justamente para seus netos, como ele mesmo escreveu.

É uma amostra muito simples de sua correspondência com outras personalidades, como Carlos Fuentes, Wim Wenders, Augusto Monterroso, Woody Allen, Robert Redford e sua editora Carmen Balcells. Seus organizadores a abriram com o título Gabo 40 anos depois do Prêmio Nobel: O escritor tem quem lhe escreve, e está aberta na que foi a casa do autor colombiano no México, localizada na rua Fuego, 144, nos Jardines del Bairro Pedregal.

México-epistolario-de-Gabriel-García-Márquez-2

Hoje é conhecida como Casa de Literatura Gabriel García Márquez, e lá foi instalado um espaço com três vitrines que mostram as cartas, entre elas, algumas com a caligrafia do líder revolucionário e presidente de Cuba, Fidel Castro, e uma se destaca em especial enviado em 2007, no qual expressa:

“Querido Gabo: Há poucos minutos Raúl me ligou pedindo que eu ligasse para você, porque você estaria no ar às 21h15, com destino à Espanha.

“A essa hora é tarde para uma longa conversa como o seu estilo. Eu sei que você também é capaz de inventar coisas e mudar tudo. Estou submetido a um rigoroso regime de exercícios que não devo deixar de cumprir se pretendo continuar sendo útil à Revolução, para isso escrevo esta nota que vos será entregue antes de tomar o avião.

“Peço-lhe que receba um grande abraço e o passe para Mercedes e seus dois filhos e netos. Continuarei tentando aprender um décimo do que você sabe fazer com perfeição. Presto homenagem à sua caneta brilhante. Fidel Castro. 10 de dezembro de 2007. 18h e 12h.”

México-epistolario-de-Gabriel-García-Márquez-3

Também estão expostas as cartas que o Subcomandante Marcos enviou ao colombiano ganhador do Prêmio Nobel de Chiapas em julho de 1994:

“Maestro García Márquez, aqui, como quem se volta para o sul que nos machuca, vamos nos encontrar para conspirar contra as sombras que nos afogam. Faça-nos o favor de nos acompanhar com a lâmpada que suas cartas trazem.

“Bem, então, esta última opção. Você pode, sem qualquer penalidade, dispensar todas as hesitações anteriores e aceitar o último convite. Pegue a tesoura implacável (que você certamente tem no lado direito de sua mesa) e fazer, com o presente, um daqueles cones que servem para tudo, por exemplo, para que uma luz com o vento contra não se apague…

“Tudo bem, mestre, mesmo que você não venha, esperamos por você… sempre. Saúde e uma passagem só de ida, para o país da esperança, para a América Latina. Respeitosamente. Das montanhas do sudeste mexicano. Subcomandante Insurgente Marcos. México, julho de 1994.”

La Casa é dirigido pela atriz Emilia García Elizondo, precisamente a neta que encontrou o epistolar hoje aberto aos olhos de quem aprecia e deseja conhecer as interioridades do autor de Cem Anos de Solidão.

Entre as mensagens de felicitações pelo aniversário do escritor, estão ex-presidentes do México, país que ele acolheu como sua segunda pátria. Mas, sem dúvida, uma das mais cativantes é a que lhe foi enviada por sua editora Carmen Balcells em 1997:

“Querido Gabo, esta é uma carta de felicitações de aniversário. Todas as coisas que eu queria comprar para você para surpreendê-lo acabaram sendo um fracasso após o outro. No final, pensei que a única coisa que pode surpreendê-lo é o carinho que tenho por você. . Talvez você nem tenha notado.”

ÚLTIMAS NOTÍCIAS