23.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Candidata a presidente na argentino evita encontro com embaixador dos EUA

A candidata presidencial argentina pela Frente de Unidade de Esquerda, Myriam Bregman, durante sessão do Parlamento do país sul-americano.

HispanTV- Myriam Bregman, candidata de esquerda à Presidência da Argentina, recusa-se a encontrar-se com o embaixador dos EUA em Buenos Aires por “razões políticas”.

Numa carta enviada ao diplomata norte-americano, Marc Stanley, que a tinha convidado ao diálogo para ampliar as relações bilaterais dos dois países, Bregman, candidato pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores – Unidade (FIT-U), explicou as razões pelas quais aqueles que rejeitaram o convite.

“ Somos antiimperialistas: questionamos a ingerência política e econômica que o seu país exerce e exerceu na nossa região, onde teve inúmeras intervenções militares para remover governos que não eram do seu agrado”, sublinhou o representante argentino.

A ativista dos direitos humanos acrescentou que não vê necessidade de um candidato presidencial abordar as suas propostas com representantes diplomáticos de outros países, uma vez que se trata de uma “posição soberana elementar”, prática que também não é praticada nos Estados Unidos.

“ Não vemos por que deveríamos agir de outra forma. Acima de tudo, quando somos uma força política que questiona a interferência económica e política do seu país no nosso ”, disse Bregman na carta , publicada na segunda-feira.  

A advogada também atacou Washington por reprimir as lutas no país norte-americano contra a escravatura e o racismo, e acusou as suas autoridades de serem cúmplices no assassinato de líderes destas correntes, como Malcolm X e Martin Luther King Jr.

Argentinos protestam em Buenos Aires, capital, contra a interferência de Washington na região durante visita do chefe do Comando Sul dos EUA ao seu país.

Desta forma, criticou os Estados Unidos por exercerem domínio hegemónico sobre outros países através do seu poder em organizações financeiras globais como o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Neste contexto, condenou o bloqueio desumano dos Estados Unidos a Cuba durante mais de seis décadas, a ocupação do território cubano, precisamente em Guantánamo, durante mais de 20 anos, onde mantém um horrível e infame centro de detenção ilegal.

A candidata de esquerda também denunciou a oposição dos Estados Unidos à reivindicação soberana da Argentina sobre as Ilhas Malvinas e o apoio que prestou ao Reino Unido durante a guerra de 1982.  

A Argentina realizará eleições gerais em 22 de outubro para eleger o presidente e o vice-presidente do país; ao chefe de Governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires e aos governadores das 21 províncias; os 130 ocupantes de cadeiras na Câmara dos Deputados; os 24 senadores; e legisladores provinciais, prefeitos e vereadores municipais.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS