Brasília, 3 de dezembro de 2021 às 20:06
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 18/06/2020 12:28

Campanha em apoio aos asilados bolivianos na embaixada do México

.

Buenos Aires, (Prensa Latina) Vários coletivos da Argentina e de outras partes da região lançarão hoje uma campanha internacional para os sete ex-funcionários do asilo do governo Evo Morales na embaixada do México na Bolívia após o golpe.

Em uma coletiva de imprensa, a Campanha Internacional pela Liberdade e Salvo-condutos para os sete asilados na sede diplomática mexicana em La Paz convocou a reunião desta quarta-feira, na qual o juiz Eugenio Zaffaroni e o cientista político e intelectual Atilio Borón, participarão entre outras personalidades.

A iniciativa envolve o Comitê de Solidariedade com os Povos da América Latina, a Mesa de Trabalho sobre Direitos Humanos de Córdoba e a Faculdade de Filosofia e Humanidades da Universidade Nacional da mesma província.

Além disso, juntaram-se o Conselho Pro Bolívia França, a Associação de Cidadãos Argentinos da França (ACAF), o Coletivo Wiphala, a Casa Nuestra América e a Campanha de Solidariedade Bolívia da Inglaterra.

Sete meses depois que os ex-funcionários foram forçados a pedir asilo na embaixada mexicana em La Paz, sem que o governo de fato lhes desse uma conduta segura para deixar o país, os grupos denunciaram a grave violação dos direitos humanos e exigiram a imediata entrega de condutas seguras para eles.

Desde 10 de novembro do ano passado, o ex-ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, o ex-ministro da Defesa, Javier Zavaleta, o ex-ministro do Governo, Hugo Moldiz, e o ex-ministro da Justiça, Héctor Arce, estão detidos na embaixada do México.

O ex-ministro das Culturas, Wilma Alanoca, ex-governador do Departamento de Oruro, Victor Hugo Vásquez; e o ex-diretor da Agência de Tecnologia da Informação, Nicolás Laguna.

Os sete pediram asilo político para salvaguardar suas vidas. Depois de serem ameaçados de morte, suas famílias foram severamente perseguidas, intimidadas e ameaçadas e, na maioria dos casos, suas casas foram invadidas, saqueadas, destruídas ou queimadas, dizem os gerentes da organização Campainha.

Com os rótulos # LibertadParaLxs7Asiladxs, #SalvoconductoYa e #GolpeDeEstadoEnBolivia, os vários grupos solicitarão a concessão de uma conduta segura para que possam sair do país, encontrar seus entes queridos, viver com dignidade, liberdade e no exercício efetivo dos direitos humanos.

Comentários: