13.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Campanha de comunicação no Panamá desencoraja a migração irregular

Cidade do Panamá, 25 de agosto (Prensa Latina) Intitulada “Darién não é uma rota, é uma selva”, o Panamá promove uma campanha de comunicação que visa desencorajar a migração irregular, que hoje atinge números sem precedentes.

Em diálogo com a imprensa, o Ministro da Segurança, Juan Manuel Pino; e a diretora do Serviço Nacional de Migração, Samira Gozaine, explicou que, em direção aos Estados Unidos, o aumento desses fluxos – mais de 300 mil pessoas em trânsito até agora este ano pela selva de Darién, na fronteira com a Colômbia – impacta negativamente o Parque Nacional.

Pino destacou que apesar de todos os esforços, das reuniões com os países envolvidos, não foi possível parar e atualmente entram entre 2.500 e 3.000 pessoas por dia, situação que ultrapassa as autoridades locais.

“O Panamá lidou com a situação de forma responsável e humana”, especificou, mas este ano foram gastos mais de 60 milhões de dólares em cuidados de saúde, alojamento e alimentação para caminhantes ilegais.

A nova estratégia de comunicação, disse ele, procura desencorajar o fluxo migratório através do Darien, mostrando a realidade que enfrentam aqueles que empreendem esta perigosa viagem.

Acrescentou que Darién é um pulmão natural que está sendo devastado e que já existe um grave problema ambiental.

O parque foi declarado Património Mundial e reconhecido como Reserva da Biosfera, o que obriga o istmo a manter critérios de protecção e integridade do vasto território e de preservação dos recursos hídricos, entre outros compromissos, conforme especificado.

O responsável anunciou que na próxima semana representantes de seis ministérios visitarão a zona para tomar decisões.

Por sua vez, Gozaine comentou que o número de crianças atendidas em abrigos é preocupante.

Não há nada de humanitário, disse, em permitir este fluxo irregular de seres humanos onde mulheres, crianças e homens são violados, onde são roubados e violados, “ficamos sozinhos”, observou.

Explicou ainda que em 2016 foi reportada a passagem de 25.407 migrantes irregulares e para este ano mais de 308 mil pessoas já se deslocaram por Darién com uma projecção que pode atingir meio milhão de pessoas.

Na última terça-feira, durante as sessões da IV reunião plenária das conferências regionais e sul-americanas sobre migração, a própria Gozaine instou seus pares de 23 nações da região a fecharem as fronteiras ou mitigarem a entrada indiscriminada de migrantes através de Darién.

A este respeito, apelou à responsabilidade pela migração irregular e disse que os panamenhos são vítimas de nações com céus abertos, que permitem a passagem indiscriminada de pessoas para a selva de Darién.

O responsável pela Migração sustentou que não se trata de mobilidade humana forçada, mas sim de vender aos viajantes o sonho americano e dizer-lhes que é fácil ir de fronteira em fronteira, porque estão protegidos por direitos humanos muito mal compreendidos e que os países que não posso detê-los.

Diante do público, também se é verdadeiramente humanitário que mulheres sejam estupradas ou que paguem por isso com seus filhos ao crime organizado Clan del Golfo, que controla esses fluxos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS