24.5 C
Brasília
quarta-feira, 28 fevereiro, 2024

Brutalidade policial nos EUA: o caso de Prude provoca mais indignação

Washington, 4 de setembro (Prensa Latina) A questão da brutalidade policial ainda hoje está aos olhos do público nos Estados Unidos, onde a divulgação de detalhes sobre a morte do afro-americano Daniel Prude está gerando novas expressões de indignação.
O homem de 41 anos, que vive em Chicago, Illinois, estava visitando seu irmão Joe Prude em Rochester, Nova York, em março passado, quando este último chamou a polícia para pedir ajuda porque Daniel havia deixado sua casa e estava sofrendo de sérios problemas de saúde mental.

Oficiais o prenderam nas primeiras horas da manhã do dia 23 de março numa rua enquanto ele estava desarmado e nu, o algemaram e o colocaram de bruços no asfalto molhado, de acordo com imagens capturadas por uma câmera corporal de um oficial e obtidas pela família da vítima.

Prude disse às autoridades policiais que sofria de Covid-19, o que o levou a ser equipado com um capuz usado nos Estados Unidos para evitar que os suspeitos cuspissem ou mordessem as autoridades policiais.

Os críticos do uso dessas peças argumentam que elas são humilhantes, podem causar pânico entre os detentos e dificultar a determinação se uma pessoa pode respirar.

Depois que o capuz foi colocado, Prude ficou manco e parecia parar de respirar, de acordo com fotos e comentários da polícia e dos paramédicos no local, e foi hospitalizado com suporte de vida e morreu sete dias depois.

A legista do condado de Monroe, Nadia Granger, decidiu que a morte foi devida a um homicídio por ‘complicações de asfixia no contexto da imobilização física’, de acordo com um resumo do relatório da autópsia.

Ao revelar o conteúdo do vídeo policial na última quarta-feira, os parentes da vítima disseram que ele mostrou o uso excessivo da força pela polícia para controlá-lo.

Joe Prude disse que chamou as autoridades na noite anterior ao incidente porque seu irmão, que havia sido hospitalizado por um breve período, começou a se comportar de forma errática, e temia ser ferido ou atropelado por um trem nos trilhos perto de sua casa.

‘Liguei com a intenção de ajudar meu irmão, para não ser linchado’, disse ele em entrevista coletiva. ‘Quantos irmãos mais têm que morrer para que a sociedade entenda que isso deve acabar?’ perguntou.

O incidente provocou protestos contra a brutalidade policial nas quartas e quintas-feiras em Rochester e Nova Iorque, e na noite passada foi anunciada a decisão de suspender os sete policiais envolvidos no caso.

‘O Sr. Daniel Prude foi decepcionado por nosso departamento de polícia, nosso sistema de saúde mental, nossa sociedade e por mim. Devo pedir desculpas à família Prude e a toda nossa comunidade’, disse Rochester Mayor Lovely Warren ao anunciar a ação.

Por sua vez, o governador de Nova York Andrew Cuomo pediu ontem que uma investigação sobre o incidente lançada pela procuradora-geral do estado Letitia James fosse concluída o mais rápido possível e que o Departamento de Polícia de Rochester cooperasse plenamente com a investigação.

‘Ontem à noite, assisti ao vídeo da morte de Daniel Prude em Rochester. O que eu vi foi profundamente perturbador e exijo respostas’, disse Cuomo em uma declaração.

Esta morte ocorreu dois meses antes da morte do colega afro-americano George Floyd, que perdeu sua vida no final de maio em Minneapolis, Minnesota, quando um policial branco ajoelhou-se em seu pescoço por vários minutos enquanto dizia que não conseguia respirar.

A morte de Floyd provocou uma grande onda de protestos em massa contra o racismo sistêmico na sociedade americana, que foram reavivados na semana passada em Kenosha, Wisconsin, depois que um oficial atirou sete vezes nas costas do negro Jacob Blake e o deixou parcialmente paralisado.

O advogado da família Prude explicou que o caso não havia sido tornado público antes, pois foi meses antes que eles pudessem acessar as filmagens da polícia.

Os usuários das redes sociais se uniram aos apelos de justiça no caso e se referiram ao que aconteceu como mais um exemplo de racismo na sociedade americana.

Kristen Clarke, presidente do Comitê de Advogados para os Direitos Civis sob a Lei, tweeted uma série de idéias sobre o que este caso mostra, incluindo que a polícia não pode lidar com chamadas sobre questões de saúde mental e que os homens negros são considerados ameaçadores, mesmo quando estão nus e algemados.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS