17.8 C
Brasília
quinta-feira, 22 fevereiro, 2024

BRICS se estabelece como contrapeso ao Ocidente em 2023, com expansão e discussão sobre moeda comum

© Sputnik / Grigory Sysoev

Sputnik – Em entrevista ao podcast Mundioka, da Sputnik Brasil, especialistas fazem apanhado do que aconteceu no BRICS durante este ano e listam os principais desafios para o grupo em 2024.

O ano de 2023 foi marcado por eventos importantes no que diz respeito à atuação do BRICS. Entre alguns fatos passíveis de serem listados está a adesão de novos membros, a ascensão de Dilma Rousseff à presidência do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), conhecido como Banco do BRICS, e o avanço na discussão em torno da criação de uma moeda única para o grupo.
Em entrevista ao podcast Mundioka, da Sputnik Brasil, especialistas fazem um balanço dos eventos mais marcantes para o BRICS e apontam os principais desafios para o grupo em 2024.

Quais são os países que querem entrar no BRICS?

Para Marco Fernandes, mestre em história, doutor em psicologia social, pesquisador do Instituto Tricontinental e coeditor do Notícias da China Dongsheng, o evento mais marcante para o BRICS em 2023 foi o interesse que mais de 20 países do Sul Global manifestaram de se tornarem membros do grupo.
“Isso foi inédito, quer dizer, nunca tinha havido tamanha mobilização mundial em torno dos BRICS. Até a Grécia, que não é exatamente um país do Sul [Global], […] é a periferia, digamos, da Europa, também pediu para entrar nos BRICS. E tivemos até aquele pedido um tanto inconveniente do presidente francês [Emmanuel] Macron, que pediu também para participar da cúpula dos BRICS, mas que evidentemente foi vetado.”
Ele acrescenta que o segundo fato importante para o BRICS em 2023, em sua avaliação, foi a expansão histórica do grupo.
Nesse contexto, ele cita que foi crucial o trabalho de Anil Sooklal, da África do Sul, designado como Sherpa (o diplomata do país que é responsável por operar, em nome do Ministério das Relações Exteriores e em nome da presidência, as concertações do BRICS).

Reunião com a Presidência do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), Dilma Roussef, Xangai, 13 de abril de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 19.10.2023

Panorama internacional

Banco do BRICS concede US$ 1 bilhão ao Brasil para recuperação econômica

“Imagina o trabalho que o Sherpa da África do Sul […] teve esse ano para fazer toda essa articulação, de dialogar com mais de 20 países que estavam se candidatando, e depois para todo o processo de escolha dos seis novos países.”

Dilma Rousseff, a presidente do Banco do BRICS a partir de 2023

Ele também destaca a atuação de Dilma Rousseff à frente do Banco do BRICS, afirmando que o fato dela ser indicada para o cargo traz para o Brasil um destaque importante.

“Ter uma líder global brasileira num posto tão importante evidente que isso cacifa o Brasil, isso dá capital político para o Brasil e, sobretudo, para o presidente Lula, que foi quem tomou essa decisão [de indicar Dilma para o cargo].”

O que é o Banco do BRICS?

Fernandes argumenta que Dilma “tem feito um excelente trabalho, em vários níveis”, em sua gestão como presidente do Banco do BRICS, e cita como exemplo o fato de o banco voltar a ter debate público.

“O Banco do BRICS precisa pautar debates públicos sobre as grandes questões estratégicas do mundo, assim como fazem, por exemplo, o Banco Mundial. Quantas vezes a gente não abre na imprensa e lê: ‘De acordo com o relatório do Banco Mundial’ sobre uma avaliação desde a inflação do ano até a projeção de crescimento do ano que vem? O FMI é a mesma coisa. E todos, claro, são instituições justamente de Bretton Woods e que representam, em grande parte, os interesses dos países do Norte Global. Nós precisamos ter o banco [do BRICS] também cumprindo esse papel do nosso lado, do lado do Sul”, explica o pesquisador.

Outra boa medida tomada por Dilma, na avaliação de Fernandes, foi o fato de o Banco do BRICS voltar a captar recursos.
“Antes da presidenta chegar, [o banco] já estava há mais de um ano sem captar nenhum recurso. E se um banco não capta recurso, não está fazendo muita coisa. O papel do banco é captar recurso para poder garantir financiamento de projetos de desenvolvimento, de infraestrutura no Sul Global”.

O destróier de mísseis guiados Tipo 052C Xi'an da Força de Superfície da Marinha Chinesa estacionado nas águas do rio Neva antes do Desfile do Dia da Marinha Russa em São Petersburgo, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 22.12.2023

Eventos que marcaram 2023 e previsões para 2024

2023 como o ano do levante final das potências da terra contra as potências do mar

Qual o papel de Dilma no BRICS?

Ele acrescenta que desde que Dilma ascendeu à presidência do Banco do BRICS já foram captados “o equivalente a US$ 6 bilhões de dólares (cerca de R$ 29 bilhões) neste ano”, com expectativa de chegar a US$ 7,5 bilhões (cerca de R$ 36 bilhões) nos próximos dias.
“Ora, se a gente pensar que o banco tinha captado o equivalente a US$ 33 bilhões [cerca de R$ 160 bilhões] em oito anos, isso dá uma média de mais ou menos US$ 4 bilhões [cerca de R$ 19 bilhões] por ano. Se eles chegarem a US$ 7,5 bilhões até o final do ano, isso vai ser quase o dobro da média de captação que o banco vinha fazendo.”

Qual o principal objetivo do BRICS?

Para Fernandes, o principal desafio para o Banco do BRICS em 2024 será avançar no debate da desdolarização. Ele destaca que, atualmente, a maioria dos recursos captados pelo banco é em dólar.
“Para vocês terem uma ideia, desses US$ 33 bilhões, somente o equivalente a US$ 5 bilhões [cerca de R$ 24 bilhões], mais ou menos, foram captados em yuans, a moeda chinesa. O resto foi a maior parte em dólares e a outra parte em euro. Ora, isso é um problema, porque justamente os países do Sul Global, quando pegam dívidas em dólares, eles estão submetidos às variações cambiais e à política monetária do banco Federal Reserve dos Estados Unidos”, explica o pesquisador.
“Então isso é um problema. O banco precisa captar dinheiro nas moedas locais. Essa é a meta para 2026, captar até 30% em moedas locais. Mas, ainda assim, é pouco. Então o banco vai precisar avançar muito nisso nos próximos anos”, acrescenta.

Qual seria a moeda do BRICS?

Segundo Fernandes, outro grande debate previsto para o BRICS em 2024 será a criação de uma moeda única para o grupo. Primeiro, ele explica que a moeda não será algo como o euro.
“Não é uma moeda que vai circular, não vou ter as notinhas aqui da moeda dos BRICS para comprar um cafezinho ali na esquina.” Ele destaca que a moeda serviria “como referência para reserva entre os países do grupo, uma espécie de mecanismo em comum”.

Presidência do BRICS em 2024 será da Rússia

Em 2024, o Brasil deveria assumir a presidência do BRICS. Porém, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao grupo para que o país não fosse alçado ao posto, já que em 2024 o Brasil também assumirá a presidência do G20, o que traria um acúmulo de funções bastante complexo. Com isso, foi decidida a antecipação da entrada da Rússia como presidente do BRICS.
Para Fernandes, essa decisão veio em um ótimo momento, uma vez que a Rússia tem bastante interesse em buscar alternativas ao dólar, por ter sido cancelada do sistema financeiro ocidental.
Além disso, ele aponta que a Rússia, em 2024, estará cumprindo um papel de liderança no Sul Global por conta de seu embate com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) na questão envolvendo o conflito ucraniano.

Membros da delegação do Zimbábue momentos antes de reunião entre o presidente do país, Emmerson Mnangagwa, e o presidente russo, Vladimir Putin, à margem da Segunda Cimeira e Fórum Econômico e Humanitário Rússia-África, no Expofórum. São Petersburgo, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 14.12.2023

Panorama internacional

‘Relações para fora do eixo’: especialistas explicam vantagens da aproximação entre BRICS e África

“Então vai juntar a fome com a vontade de comer. Acho que nada poderia ter sido melhor para o BRICS, num ano de consolidar a expansão e de avançar nos debates sobre alternativas ao dólar, do que a Rússia assumir a presidência nesse momento.”

Fernandes finaliza lamentando a decisão do novo governo argentino de não dar andamento à adesão do país ao BRICS. Ele lembra que o Brasil apoiou a entrada da Argentina no grupo desde o começo e empregou todos os esforços para que fosse consolidada.
“Se a Argentina não entrar, o que eu ouvi de fontes internas do BRICS é que não vai haver uma substituição imediata da Argentina. Isso seria muito ruim, porque a América Latina vai perder uma vaga que a gente conquistou com tanto esforço. Infelizmente, a gente faz parte do processo democrático, a gente precisa respeitar o resultado das eleições, mas realmente, para os BRICS, foi uma tragédia a vitória de [Javier] Milei.”

Quem fará parte do BRICS em 2024?

Em entrevista ao podcast Mundioka, Laerte Apolinário, professor de relações internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), afirma que não houve muito critério na escolha de alguns países específicos para a expansão do BRICS, mas que alguns escolhidos trazem boas oportunidades, como a Etiópia.
“Quando a gente olha para a Etiópia em especial, a gente está falando de um país com uma grande população. […] a Etiópia é o segundo país mais populoso da África, com uma população de mais de 120 milhões de habitantes. E é uma população composta majoritariamente por jovens. O que quer dizer que o país tem boas perspectivas de crescimento no futuro, em especial em termos de bônus demográfico.”
Ele acrescenta que, “para além da questão demográfica, o país está localizado em uma região bastante estratégica”.
“Ele é visto não apenas como um ponto de conexão dentro do continente africano, pela sua posição central ali em relação ao continente, mas também pelo seu papel de ligação da África e com o Oriente Médio.”

Presidente russo, Vladimir Putin - Sputnik Brasil, 1920, 15.12.2023

Panorama internacional

Declaração de Putin confirma a Rússia como expoente dos interesses do Sul Global, diz especialista

Apolinário destaca ainda a questão econômica, afirmando que a Etiópia “tem apresentado altas taxas de crescimento ao longo dos últimos anos, muito acima da média das economias emergentes”.
“O país tem apresentado um destaque na atração de indústrias intensivas em mão de obra barata, com destaque para a indústria têxtil.”
Outra importante adesão, na avaliação de Apolinário, foi o Irã, país que se encontra às margens da liderança ocidental, liderada pelos EUA e institucionalizada em organizações como a OTAN”.

“Nas últimas décadas, o país tem sido alvo de muitas sanções por parte dos Estados Unidos, especialmente, e também pelos demais países ocidentais que buscam fazer pressão sobre o regime. Então, o Irã tem buscado […] diversificar suas parcerias internacionais, até como uma forma de evitar esse isolamento político no sistema internacional. A gente observa que, ao longo dos últimos anos, o Irã buscou se aproximar, em especial da China, que hoje é o seu maior parceiro comercial, representando mais da metade das suas exportações, um terço das suas importações, para além de outros países, como a Índia, como a Rússia.”

Ele também destaca a entrada do Emirados Árabes no grupo, e ressalta que o país é “um dos maiores produtores de petróleo e gás natural do mundo, e é um grande exportador de petróleo”.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, preside uma reunião do Conselho Empresarial em Moscou, na Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 13.12.2023

Panorama internacional

Rússia planeja cerca de 200 eventos como presidente do BRICS em 2024, diz Lavrov

“A gente está falando de um país que já faz parte do Banco do BRICS, então é um país que já tem participado ao longo dos últimos anos de mecanismos do BRICS. E a contribuição dos Emirados Árabes seria justamente essa, um país que pode injetar a tão necessária liquidez para esse banco, para que ele possa ter uma atuação mais expressiva no sistema financeiro internacional.”
Questionado se 2023 foi um ano bom para o Brasil no BRICS, o especialista afirma que sim, em médio e longo prazo.
“Acredito que essa expansão possa ser positiva, em especial em função do aumento do volume de recursos, que vai permitir o maior peso relativo desse bloco em negociações em diferentes esferas das relações internacionais”, afirma Apolinário.

“Eu também destacaria a possibilidade de o Brasil intensificar suas relações econômicas junto a esses países, em especial se apropriando desses canais diplomáticos, tendo em vista objetivos mais amplos da política externa brasileira, com destaque para o apoio a um assento no Conselho de Segurança [da ONU], para além de candidaturas em diferentes organizações internacionais”, conclui o especialista.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS