22.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

BRICS e o dilema dos problemas internos entre os países

Apesar do impacto positivo da criação de um novo bloco além do imperialismo, preocupa as travas políticas entre países que compõem o bloco – Fonte da imagem: site ForbesAfrica

Heba Ayyad*

A décima quinta conferência do BRICS, que ocorreu em Joanesburgo, África do Sul, entre 21 e 24 de agosto e contou com a participação de autoridades de 60 países, continuará a ser um marco na história deste importante encontro econômico. Este encontro pretende criar um novo mundo multipolar, visando superar a hegemonia estadunidense/europeia e substituí-la por um sistema mais justo, com condições mais benevolentes e menos exploração dos recursos dos países do sul. Não temos dúvidas de que a maior parte das pessoas no mundo apoia essa ideia pioneira e espera o dia em que os antigos países colonizadores e o novo imperialismo sejam subjugados, apesar dos desafios que possam surgir. O BRICS representa cerca de 42% da população mundial e abrange uma área correspondente a cerca de 31% da economia global e 17% do volume do comércio exterior, equivalente a 44 trilhões de dólares.

Os conflitos internos, seja no Iêmen, no Líbano, na Síria ou no Iraque, e a guerra no Iêmen são as maiores testemunhas do que está acontecendo entre dois grupos: o Irã, por um lado, e a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, por outro.

Os três países, Irã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, dependem principalmente do petróleo para suas exportações, e este não é um caso diferente do que o da Argélia ou da Venezuela em termos de diversificação da economia.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos são aliados estratégicos dos Estados Unidos, e tudo o que acontece nesses dois países está fundamentalmente ligado à indústria estadunidense e ao comércio com ela. Se os republicanos voltarem ao poder, veremos esses dois estados voltarem às suas posições originais.

Não se deixe tentar por conversas construtivas sobre a construção de uma nova ordem internacional. Muitos desses países colocam um pé no campo dos Estados Unidos e o outro, por precaução, no campo China-Rússia. A própria Índia não está livre de problemas. Será que a comunidade internacional se esqueceu da detenção de seis milhões de caxemires sob o regime militar fascista, com uma força armada de até 800 mil soldados para impor a lei marcial e conceder quatro milhões e meio de licenças de habitação e construção aos hindus na região de Jammu e Caxemira, fazendo com que a população indígena da região se torne uma minoria? A Índia e a China também estão à beira de um confronto numa zona fronteiriça que causou vários confrontos militares no passado, o mais recente dos quais ocorreu há poucos dias, quando a Índia revelou que a China está construindo trincheiras, barricadas, aeroportos militares e helipontos para helicópteros na zona de conflito.

A expansão é necessariamente mais eficaz?

Existe uma lei bem conhecida nas relações internacionais: quanto maior for o número de membros de qualquer organização internacional, mais difícil será o consenso e mais fraca será a influência, especialmente se as decisões forem tomadas por consenso. Por exemplo, a Liga Árabe não consegue garantir acordo sobre nada, mesmo que a rejeição da normalização não esteja em discussão, e mais da metade de seus membros apoie a invasão do Iraque. Embora o Conselho de Cooperação do Golfo tenha sido durante muito tempo mais harmonioso, foi oprimido e enfraquecido por interesses divergentes. Existe um grande agrupamento econômico denominado “Grupo dos Setenta e Sete mais China”, cujos membros chegaram a 137 países, mas tem pouco peso, e fora das reuniões cada país volta às suas posições e alianças. O que é acordado são temas secundários ou marginais que formam pontos em comum, como o alívio da dívida, a transferência de tecnologia e a prestação de ajuda humanitária. Apoiamos o grupo heterogêneo, mas tememos que as intervenções individuais, o uso do poder monetário e os alinhamentos políticos possam desempenhar um papel na seleção de novos membros, sem levar em conta critérios específicos relacionados com a economia, a estabilidade financeira e política, e oportunidades promissoras acompanhadas de potencial. Isso pode enfraquecê-los e dispersar suas posições. Esperamos também que os países que não aderiram desta vez beneficiem da experiência e se atentem aos seus próprios problemas, talvez percebendo onde residem as fraquezas de seu sistema político e econômico, e como preencher as lacunas para se tornarem uma força chamada a aderir e ninguém possa ignorá-los.

@ Heba Ayyad

*Jornalista palestina/brasileira, escritora, poeta e analista de política internacional

ÚLTIMAS NOTÍCIAS