Brasília, 3 de dezembro de 2021 às 17:39
Selecione o Idioma:

Bolívia

Postado em 19/10/2021 11:41

Bolívia: oposição planejou assassinar presidente Arce antes da posse, diz governo

.

ABI
Oposição contratou paramilitares para assassinar Arce, diz governo
Grupo criminoso, contratado por membros do governo autoproclamado de Jeanine Áñez, seria o mesmo responsável pelo assassinato do presidente do Haiti em julho

O ministro de governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, afirmou nesta segunda-feira (18/10) que nomes ligados à presidente autoproclamada Jeanine Áñez negociaram com paramilitares um plano para matar o então presidente eleito Luis Arce em 2020. Escolhido pelas urnas há exatamente um ano, o objetivo do homicídio seria impedir a posse de Arce.

De acordo com Castillo, o plano foi elaborado por paramilitares colombianos que participaram do assassinato do presidente haitiano Jovenel Moise, em julho deste ano. Entre eles, estaria German Alejandro Rivera García, ex-capitão do exército colombiano, detido em Porto Príncipe após assumir participação do assassinato de Moise.

Também teria viajado à Bolívia Antonio Intriago — opositor venezuelano dono da empresa de segurança privada que recrutou os paramilitares colombianos para o plano de magnicídio contra Arce e, mais tarde, contra Moise.

Segundo apontam as investigações, os paramilitares viajaram da Colômbia e dos Estados Unidos para a Bolívia poucos dias antes das eleições presidenciais e se hospedaram em um hotel a poucos metros da Praça Murillo, onde foi realizada a cerimônia de posse de Arce.

Antes, eles teriam se reunido com ex-funcionários do governo interino de Jeanine Áñez no estado de Santa Cruz de la Sierra, historicamente governado pela oposição de direita. Após o plano frustrado, os ex-ministros de Governo e de Defesa de Áñez fugiram do país passando pelo Brasil. Parte da informação foi confirmada publicamente com áudios, e-mails e fotografias divulgados pelo ministro de Governo boliviano.

“Aqui com provas fieis estamos demonstrando que existiu um plano para matar Luis Arce”, afirmou o ministro Eduardo Del Castillo.

Correligionários do presidente boliviano já haviam denunciado, em novembro de 2020, planos para matar Arce.

Após um ano do retorno do MAS-IPSP ao poder, as tensões com os protagonistas do golpe de Estado continuam. Na última semana, Luis Fernando Camacho convocou uma “greve cívica” contra o governo Arce, estimulando a violência dos Comitês Cívicos — organizações estaduais controladas pela direita — em todo o país.

A justificativa para a greve era rechaçar o Projeto de Lei nº 1.386, contra legitimação de ganhos ilícitos e o financiamento do terrorismo. Após os atos opositores, o governo retirou o PL.

Comentários: