19.5 C
Brasília
sábado, 24 fevereiro, 2024

Bolívia dá passo firme no uso pacífico da energia nuclear

La Paz (Prensa Latina) O Reator de Pesquisa Nuclear, agora em fase de montagem na cidade de El Alto, representará um momento culminante do ambicioso programa que a Bolívia promove neste âmbito, segundo fontes oficiais.

Por Jorge Petinaud Martínez/Correspondente-chefe na Bolívia

Luis Arce, presidente do país serrano, confirmou em suas redes sociais a chegada da embarcação vinda da Rússia e destacou a importância de sua localização no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologia Nuclear (Cidtn), na cidade de El Alto.

É uma entidade que busca o benefício dos setores de saúde, indústria, ciência e tecnologia, e a contribuição na formação e capacitação de recursos humanos para a aplicação da tecnologia nuclear buscando fornecer soluções para diversos problemas do país.

“Avançamos no caminho do desenvolvimento, da ciência e da tecnologia como um povo digno e soberano”, escreveu o presidente em seu

Uma nota institucional da Agência Boliviana de Energia Nuclear (ABEN) entregue à Prensa Latina, por sua vez, garante que como parte do programa que o país altiplano executa nesta área implemente projetos em benefício da população e um deles é a cidade de El Alto.

O texto acrescenta que este reator é único porque está localizado a mais de quatro mil metros acima do nível do mar, no Distrito Oito daquela cidade. Em relação às suas propriedades, especificou que é do tipo piscina moderada e resfriada por água leve, com potência térmica de 200 quilowatts.

“Essa característica a torna a primeira instalação desse tipo nesta altura, abrindo todo um leque de possibilidades de pesquisa”, disse Erlan Vásquez, especialista em engenharia nuclear da ABEN.

A chegada deste moinho à Bolívia marcou um marco na implantação do Reator de Pesquisa Nuclear do país e significou a transição entre a fase de construção e a fase de montagem dos equipamentos.

Ou seja, este evento marcou o início da instalação dos componentes do coração do reator onde ocorrem os principais processos atômicos.

“Ao contrário dos (…) reatores de potência utilizados para gerar eletricidade, estes reatores centram-se na investigação e desenvolvimento de tecnologias relacionadas com a energia nuclear”, explicou Vázquez.

Quanto às suas aplicações, descreveu a sua gama como ampla, pois inclui desde aplicações ambientais, industriais e mineiras até ao ramo forense.

O especialista esclareceu que este tipo de instalações permite a produção de radioisótopos aplicáveis ​​para melhorar a gestão dos recursos hídricos. Outro campo importante é a análise de ativação de nêutrons na mineração, que servirá para identificar minerais de interesse nacional, bem como áreas com potencial explorável, concluiu Vázquez.

MEDICINA NUCLEAR

A inauguração em novembro passado do terceiro Centro de Medicina Nuclear e Radioterapia (CMNyR) pelo Presidente Arce confirmou em 2023 a força do programa de usos pacíficos do átomo na Bolívia.

Hortensia Jiménez, diretora executiva da ABEN, garantiu em declarações à Prensa Latina que em 2023 será cumprido o compromisso de ter operacional este complexo de saúde de alta tecnologia.

Jiménez disse a esta agência de notícias que, depois daquela inauguração, o país conta com três instituições deste tipo para combater as doenças oncológicas.

O primeiro CMNyR da Bolívia foi inaugurado na área de Parcopata, na cidade de El Alto, no dia 6 de março de 2022, na presença de Arce e do vice-presidente David Choquehuanca.

O dignitário também esteve presente na abertura do CMNyR de Santa Cruz, a propósito dos 212 anos do feito libertário daquele departamento, em setembro de 2022.

Jiménez explicou que os centros de La Paz, El Alto e Santa Cruz são iguais e têm a mesma capacidade em termos de atendimento, para os quais esta rede de sanatórios conta com profissionais bolivianos especializados.

Construídas com um investimento de mais de 50 milhões de dólares cada, sua moderna infraestrutura permite diagnósticos e tratamentos avançados.

Para cumprir a primeira função, a área de Medicina Nuclear conta com dois equipamentos de última geração: um de tomografia por emissão de pósitrons (PET/CT) e outro de emissão de fóton único (Spect/CT).

A primeira permite detectar com precisão a localização de um tumor no corpo humano e a segunda facilita a identificação e o controle de doenças ósseas, cardíacas e cerebrais.

Além disso, as instituições modernas contam com três áreas para tratamento de condições oncológicas, uma para radioterapia externa, com dois aceleradores lineares, uma duplicação que evitará a parada do serviço quando um dos equipamentos necessitar de manutenção.

A braquiterapia de alta taxa de dose baseada em cobalto 60 como fonte de irradiação, possui tecnologia avançada que reduz o tratamento do câncer cervical de 72 horas contínuas para menos de uma.

Na área da Quimioterapia, os oncologistas têm condições de realizar todas as combinações de medicamentos e anticorpos necessários na busca da maior eficácia no combate à doença, foi relatado.

Segundo o diretor-executivo da ABEN, esse tipo de instituição tem capacidade para atender até 120 pessoas diariamente e conta com uma equipe multidisciplinar formada por médicos, físicos, engenheiros e tecnólogos.

Outro benefício para os bolivianos é a prestação gratuita de todos esses serviços através do Sistema Único de Saúde, que financia o governo nacional.

PROGRAMA AMBICIOSO

Como parte deste programa, em março de 2023 foi inaugurado o Complexo Ciclotron-Radiofarmácia Pré-clínica, com o qual a Bolívia iniciou a produção soberana de radiofármacos.

Este complexo avançado passou a produzir o radiofármaco anticâncer Fluorodeoxiglicose, um dos compostos mais utilizados em estudos PET e distribuído na Rede de Centros de Medicina Nuclear e Radioterapia para fazer diagnósticos precoces e precisos do câncer.

A existência do CMNyR em El Alto, Santa Cruz e La Paz permite agora contrariar a dificuldade da curta meia-vida do radiofármaco e aplicá-lo de forma mais eficaz aos pacientes destes departamentos.

Outro sucesso importante: no passado mês de Outubro entrou em funcionamento o Centro Polivalente de Irradiação, no qual, através da exposição de produtos a raios gama ionizantes, é desinfectada e eliminada a carga microbiana de alimentos, meios sanitários e outros produtos, mesmo já embalados. Localizado no Distrito Oito de El Alto, este complexo apoia o agronegócio, o setor agrícola, a indústria farmacêutica e também a conservação do património cultural, aplicações que reforçam a política governamental que visa alcançar a segurança e a soberania nestas esferas.

Fazem parte do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (Cidtn) o Multipropósito e o Ciclotrón, também localizados no Distrito Oito de El Alto.

FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS

Todos esses avanços tecnológicos já têm impacto multidisciplinar na sociedade boliviana, que começa a transformar seu processo educacional para fortalecer a preparação em ciências exatas e o perfil tecnológico de seus recursos humanos.

Neste sentido, a Bolívia está preparando a seleção de candidatos profissionais para bolsas de estudo na Rússia para formação de especialistas na gestão do reator nuclear localizado no Centro de Pesquisas da cidade de El Alto.

“Confiamos em nossos cientistas! Lançamos 53 novas bolsas para capacitar nossos profissionais na #Rússia para gerenciar o Reator de Pesquisa Nuclear #ElAlto (…). “A nossa revolução também é tecnológica!”, escreveu o Presidente Arce nas redes sociais.

No final de setembro, uma missão de especialistas da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), chefiada pela engenheira Vivian Pereira, visitou o país com o objetivo de reforçar a atividade do órgão regulador da nação serrana em matéria de segurança nuclear e proteção radiológica. .

Durante a estadia de trabalho, estes especialistas fizeram apresentações sobre o projeto Melhorando a Segurança Física Nuclear através da Gestão Sustentável de Fontes Radioativas Desutilizadas, seu Inventário, Armazenamento e Código de Conduta.

Além disso, a missão ofereceu à Bolívia a opção de gerir a remoção de fontes radioativas das categorias I e II, devido ao desuso ou à mudança de tecnologia, e de acolher este ano um workshop regional em língua espanhola sobre Desenvolvimento de Políticas e Estratégias.

Isto resultará, sem dúvida, na assimilação, no país das terras altas, de sistemas de garantia de qualidade que influenciarão outros ramos da economia e da sociedade.

A visita de Pereira à Bolívia coincidiu com a participação do Ministro de Hidrocarbonetos e Energia, Franklin Molina, e Hortensia Jiménez na 67ª Conferência Geral da AIEA, em Viena, Áustria, fórum em que a voz da Bolívia é ouvida com interesse.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS