17.5 C
Brasília
quarta-feira, 24 julho, 2024

Bico calado

Cartoon de Mr. Fish.

Chris Hedges [*]

Houve uma década de revoltas populares de 2010 até à pandemia em 2020. Essas revoltas abalaram os alicerces da ordem global. Denunciaram a dominação corporativa, os cortes de austeridade e exigiram justiça económica e direitos civis. Nos EUA houve protestos em todo o país centrados nos acampamentos do Occupy, que duraram 59 dias. Houve erupções populares na Grécia, Espanha, Tunísia, Egito, Bahrein, Iêmen, Síria, Líbia, Turquia, Brasil, Ucrânia, Hong Kong, Chile e durante a Revolução à Luz de Velas da Coreia do Sul. Políticos desacreditados foram demitidos na Grécia, Espanha, Ucrânia, Coreia do Sul, Egipto, Chile e Tunísia. A reforma, ou pelo menos a promessa dela, dominou o discurso público. Parecia anunciar uma nova era. Depois veio a ressaca. As aspirações dos movimentos populares foram esmagadas. O controle estatal e a desigualdade social expandiram-se. Não houve mudança significativa. Na maioria dos casos, as coisas pioraram. A extrema direita emergiu triunfante.

O que aconteceu? Como é que uma década de protestos em massa que pareciam anunciar a abertura democrática, o fim da repressão estatal, um enfraquecimento do domínio das corporações e instituições financeiras globais e uma era de liberdade se transformou num fracasso ignominioso? O que correu mal? Como é que os odiados banqueiros e políticos mantiveram ou recuperaram o controlo? Quais são as ferramentas eficazes para nos livrarmos da dominação corporativa?

Vincent Bevins, no seu novo livro “If We Burn: The Mass Protest Decade and the Missing Revolution”, descreve como falhamos em diversas frentes.

Os “tecno-otimistas” que pregavam que os novos media digitais eram uma força revolucionária e democratizante não previram que governos autoritários, empresas e serviços de segurança interna poderiam aproveitar estas plataformas digitais e transformá-las em motores de vigilância generalizada, censura e veículos de propaganda e desinformação. As plataformas de redes sociais que possibilitaram os protestos populares voltaram-se contra nós.

Muitos movimentos de massas, por não terem conseguido implementar estruturas organizacionais hierárquicas, disciplinadas e coerentes, foram incapazes de se defenderem. Nos poucos casos em que movimentos organizados alcançaram o poder, como na Grécia e nas Honduras, os financiadores e as empresas internacionais conspiraram para recuperar o poder. Na maioria dos casos, a classe dominante preencheu rapidamente os vazios de poder criados por estes protestos. Ofereceram novas marcas para reembalar o sistema antigo. Esta é a razão pela qual a campanha de Obama de 2008 foi nomeada campeã de marketing do ano pela Advertising Age. Ganhou o voto de centenas de profissionais de marketing, chefes de agências e fornecedores de serviços de marketing reunidos na conferência anual da Associação de Anunciantes Nacionais. Venceu os vice-campeões Apple e Zappos.com. Os profissionais sabiam. A marca Obama era o sonho de um profissional de marketing.

Muitas vezes, os protestos assemelhavam-se a manifestações espontâneas, com pessoas a invadir espaços públicos e a criar um espetáculo mediático, em vez de se envolverem numa rutura sustentada, organizada e prolongada do poder. Guy Debord captura a futilidade desses espetáculos/protestos no seu livro “Sociedade do Espetáculo”, observando que a era do espetáculo significa que aqueles fascinados por suas imagens são “moldados às suas leis”. Anarquistas e antifascistas, como os do bloco negro, muitas vezes quebravam janelas, atiravam pedras contra a polícia e derrubavam ou queimavam carros. Atos aleatórios de violência, saques e vandalismo foram justificados no jargão do movimento, como componentes de “selvagem” ou “insurreição espontânea”. Está “pornografia de motins” encantou os media, muitos dos que nela se envolveram e, não por coincidência, a classe dominante que a utilizou para justificar mais repressão e demonizar os movimentos de protesto. A ausência de teoria política levou os ativistas a utilizarem a cultura popular, como o filme “V de Vingança”, como pontos de referência. As ferramentas muito mais eficazes e incapacitantes de campanhas educativas de base, greves e boicotes foram frequentemente ignoradas ou marginalizadas.

Karl Marx dizia a propósito: “Aqueles que não conseguem representar-se serão representados”.

Vincent Bevins no seu novo livro “If We Burn: The Mass Protest Decade and the Missing Revolution” faz uma dissecação brilhante e magistralmente relatada sobre a ascensão dos movimentos populares globais, os erros autodestrutivos cometidos, as estratégias que as elites corporativas e governantes empregaram para manter o poder e esmagar as aspirações de uma população frustrada, bem como uma exploração das táticas que os movimentos populares devem empregar para contra-atacar com sucesso.

“Na década dos protestos de massas, as explosões nas ruas criaram situações revolucionárias, muitas vezes por acidente”, escreve Bevins. “Mas um protesto está muito mal equipado para tirar vantagem de uma situação revolucionária, e esse tipo específico de protesto é especialmente mau nisso.”

Ativistas experientes entrevistados por Bevins concordam com este ponto.

“Organizem-se”, diz Hossam Bahgat, o ativista egípcio dos direitos humanos, a Bevin no livro. “Criem um movimento organizado. E não tenham medo da representação. Pensávamos que representação era elitismo, mas na verdade é a essência da democracia.”

O esquerdista ucraniano Artem Tidva concorda. “Eu costumava ser mais anarquista”, diz Tidva no livro. “Naquela altura todos queriam fazer uma assembleia; sempre que havia um protesto, tinha que haver uma assembleia. Mas penso que qualquer revolução sem um partido trabalhista organizado apenas dará mais poder às elites económicas, que já estão muito bem organizadas.”

O historiador Crane Brinton, no seu livro “The Anatomy of Revolution”, escreve que as revoluções têm pré-condições discerníveis. Ele cita o descontentamento que afeta quase todas as classes sociais, sentimentos generalizados de aprisionamento e desespero, expetativas não concretizadas, uma solidariedade unificada contra uma pequena elite no poder, uma recusa por parte de académicos e pensadores em continuar a defender as ações da classe dominante, uma incapacidade do governo para responder às necessidades básicas dos cidadãos, uma perda constante de vontade dentro da própria elite no poder e deserções do núcleo duro, um isolamento paralisante que deixa a elite no poder sem quaisquer aliados ou apoio externo e, finalmente, uma crise financeira. As revoluções começam sempre, escreve ele, fazendo exigências impossíveis que, se o governo as cumprisse, significariam o fim das antigas configurações de poder. Mas o mais importante é que os regimes despóticos colapsam sempre primeiro por dentro. Quando sectores do aparelho governativo – polícia, serviços de segurança, sistema judiciário, media, burocratas governamentais – deixarem de atacar, prender, encarcerar ou atirar sobre manifestantes, quando deixarem de obedecer às ordens, o velho e desacreditado regime ficará paralisado e terminal.

Mas estas formas internas de controlo durante a década de protestos raramente vacilaram. Podem, como no Egipto, virar-se contra as figuras de proa do antigo regime, mas também trabalharam para minar os movimentos populares e os líderes populistas. Eles sabotaram os esforços para arrancar o poder das corporações globais e dos oligarcas. Eles impediram ou demitiram os populistas. A campanha cruel travada contra Jeremy Corbyn e seus apoiantes quando liderava o Partido Trabalhista durante as eleições gerais do Reino Unido de 2017 e 2019, por exemplo, foi orquestrada por membros do seu próprio partido, corporações, a oposição conservadora, comentadores famosos, uma grande imprensa que ampliou as difamações e assassinatos de caráter, membros do exército britânico e os serviços de segurança do país. Sir Richard Dearlove, antigo chefe do MI6, a secreta britânica, advertiu publicamente que o líder trabalhista era um “perigo atual para o nosso país”.

Organizações políticas disciplinadas não são, por si só, suficientes, como provou o governo de esquerda Syriza [NR] da Grécia. Se a liderança de um partido anti-sistema não estiver disposta a libertar-se das estruturas de poder existentes, será cooptada ou esmagada quando as suas exigências forem rejeitadas pelos centros de poder reinantes. Em 2015, “a liderança do Syriza estava convencida de que se rejeitasse um novo resgate, os credores europeus cederiam face à agitação financeira e política generalizada”, diz Costas Lapavitsas, antigo deputado do Syriza e professor de economia na Escola de Economia Oriental e Estudos Africanos, Universidade de Londres, em 2016.

“Críticos bem-intencionados salientaram repetidamente que o euro tinha um conjunto rígido de instituições com a sua própria lógica interna que simplesmente rejeitaria as exigências de abandono da austeridade e amortização da dívida”, explicou Lapivistas. “Além disso, o Banco Central Europeu estava pronto a restringir o fornecimento de liquidez aos bancos gregos, estrangulando a economia – e com ela o governo Syriza.” Foi precisamente isso que aconteceu.

“As condições no país tornaram-se cada vez mais desesperadas à medida que o governo absorvia as reservas de liquidez, os bancos secavam e a economia mal funcionava”, escreveu Lapivistas. “O Syriza é o primeiro exemplo de um governo de esquerda que não só não cumpriu as suas promessas, como também adotou o programa da oposição, por atacado.”

Não tendo conseguido obter quaisquer compromissos da Troika – Banco Central Europeu, Comissão Europeia e FMI – o Syriza “adotou uma dura política de excedentes orçamentais, aumentou impostos e vendeu bancos gregos a fundos especulativos, privatizou aeroportos e portos, e está prestes a cortar pensões. O novo resgate condenou uma Grécia atolada em recessão a um declínio a longo prazo, uma vez que as perspectivas de crescimento são fracas, os jovens instruídos estão a emigrar e a dívida nacional pesa fortemente”, escreveu ele. “O Syriza falhou não porque a austeridade seja invencível, nem porque uma mudança radical seja impossível, mas porque, desastrosamente, não estava disposto e não estava preparado para desafiar diretamente o euro”, observou Lapavitsas. “A mudança radical e o abandono da austeridade na Europa exigem um confronto direto com a própria união monetária.”

O sociólogo iraniano-americano Asef Bayat, que viveu tanto a Revolução Iraniana em 1979 em Teerão como a revolta de 2011 no Egito, distingue entre condições subjetivas e objetivas para as revoltas da Primavera Árabe que eclodiram em 2010. Os manifestantes podem ter-se oposto às políticas neoliberais, mas também foram moldados pela “subjetividade” neoliberal. “As revoluções árabes careciam do tipo de radicalismo que marcou a maioria das outras revoluções do século XX”, escreve Bayat no seu livro “Revolução sem Revolucionários: Entendendo a Primavera Árabe”. “Ao contrário das revoluções da década de 1970 que adotaram um poderoso impulso socialista, anti-imperialista, anticapitalista e de justiça social, os revolucionários árabes estavam mais preocupados com as questões gerais dos direitos humanos, da responsabilidade política e da reforma jurídica. As vozes predominantes, tanto seculares como islâmicas, consideravam o mercado livre, as relações de propriedade e a racionalidade neoliberal como garantidas – uma visão de mundo acrítica que apenas defenderia da boca para fora as preocupações genuínas das massas pela justiça social e distribuição.”

Como escreve Bevins, uma “geração de indivíduos criados para ver tudo como se fosse um empreendimento comercial foi desradicalizada, passou a ver esta ordem global como ‘natural’ e tornou-se incapaz de imaginar o que é necessário para realizar uma verdadeira revolução.” Steve Jobs, o CEO da Apple, morreu em outubro de 2011 durante o acampamento Occupy no Parque Zuccotti. Para minha consternação, vários dos que estavam no acampamento queriam fazer um memorial em sua memória.

As revoltas populares, escreve Bevins, “fizeram um excelente trabalho ao abrir buracos nas estruturas sociais e criar vácuos políticos”. Mas os vazios de poder foram rapidamente preenchidos no Egipto pelos militares, no Bahrein, pela Arábia Saudita e pelo Conselho de Cooperação do Golfo e em Kiev, por um “conjunto diferente de oligarcas e nacionalistas militantes bem organizados”. Na Turquia, acabou sendo preenchido por Recep Tayyip Erdoğan. Em Hong Kong foi Pequim.

“O protesto de massas estruturado horizontalmente, coordenado digitalmente e sem liderança é fundamentalmente ilegível”, escreve Bevins. “Não see pode olhar para isso ou fazer perguntas e chegar a uma interpretação coerente baseada em evidências. Pode-se reunir factos, com certeza – milhões deles. Mas não seremos capazes de usá-los para construir uma leitura confiável. Isto significa que o significado destes eventos ser-lhes-á imposto de fora. Para compreender o que pode acontecer após qualquer explosão de protesto, não devemos apenas prestar atenção a quem está à espera nos bastidores para preencher um vácuo de poder. É preciso prestar atenção em quem tem o poder de definir o levante em si.”

Em suma, devemos opor o poder organizado ao poder organizado. Esta é uma verdade que estrategas revolucionários como Vladimir Lenin, que viam a violência anarquista como contraproducente, entenderam. A falta de estruturas hierárquicas nos recentes movimentos de massas, feita para impedir um culto à liderança e garantir que todas as vozes fossem ouvidas, embora nobre nas suas aspirações, tornou os movimentos presas fáceis. Na época em que o Parque Zuccotti contava com centenas de pessoas participando das Assembleias Gerais, por exemplo, a proliferação de vozes e opiniões significou paralisia.

“Sem uma teoria revolucionária, não pode haver movimento revolucionário”, escreve Lenin. As revoluções exigem organizadores qualificados, autodisciplina, uma visão ideológica alternativa, arte e educação revolucionárias. Requerem ruturas sustentadas do poder e, sobretudo, líderes que representem o movimento. As revoluções são projetos longos e difíceis que levam anos para serem realizados, destruindo lenta e muitas vezes imperceptivelmente os alicerces do poder. As revoluções bem sucedidas do passado, juntamente com os seus teóricos, deveriam ser o nosso guia, e não as imagens efémeras que nos impressionam na mídia dominante.

Outubro/2023

[NR] A classificação é do autor. Resistir.info não tem de concordar com tudo o que publica. Recorde-se que o Syriza acaba de nomear um banqueiro como seu novo secretário-geral (supostamente “de esquerda”).

[*] Jornalista, Prémio Pullitzer.

O original encontra-se em Scheer Post e a tradução em onda7.blogspot.com/2023/10/bico-calado_0973851776.html

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS