23.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

“Balas caíram como chuva”: é assim que a Arábia Saudita mata migrantes etíopes

Corpos de migrantes etíopes no chão na fronteira saudita-iemenita

A organização Human Rights Watch (HRW) denunciou na segunda-feira um massacre de imigrantes etíopes às mãos das forças fronteiriças da Arábia Saudita.

HispanTV – A ONG HRW revelou em um relatório que o assassinato de centenas de imigrantes etíopes e requerentes de asilo ocorreu entre março de 2022 e junho de 2023 na fronteira que a Arábia Saudita divide com o Iêmen. Entre as vítimas estão crianças e mulheres.

Segundo a ONG, o gasto de bilhões de dólares em eventos esportivos e a contratação de astros do futebol pelo reino árabe para “lavar sua imagem, não devem desviar a atenção desses crimes”.

Chamando o assassinato de etíopes de crime contra a humanidade, HRW disse que as forças de fronteira sauditas estão matando centenas de migrantes e requerentes de asilo em uma área remota de fronteira fora da vista do resto do mundo.

O relatório da HRW, intitulado They Fired On Us Like Rain, contém testemunhos gráficos de migrantes que dizem que tropas sauditas atiraram contra eles e às vezes com armas explosivas na fronteira norte do Iêmen com o reino árabe.

A ONG afirma ter entrevistado 42 pessoas, incluindo 38 migrantes etíopes e requerentes de asilo que tentaram cruzar a fronteira do Iêmen para a Arábia Saudita entre março de 2022 e junho de 2023, e analisado mais de 350 vídeos e fotos postados em mídias sociais ou coletados  de  outros fontes, bem como várias centenas de quilômetros quadrados de imagens de satélite.

Os migrantes e requerentes de asilo disseram que cruzaram o Golfo de Aden em barcos impróprios para navegar e depois foram levados por contrabandistas iemenitas para a província de Saada, na fronteira com a Arábia Saudita.

 Cerca de 750 mil etíopes vivem e trabalham na Arábia Saudita. Enquanto muitos migram por motivos econômicos, alguns fugiram devido a  graves abusos dos direitos humanos , inclusive durante o recente conflito armado no norte da Etiópia.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS