25.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Atividade intensa no Conselho de Segurança da ONU e no Conselho Executivo da UA: diplomacia argelina em todas as frentes

ONU Foto/Mark Garten

Por:Sami Kaidi*

El Moudjahid – O Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Comunidade Nacional Estrangeira, Ahmed Attaf, prosseguiu, na passada quinta-feira, a sua participação nos trabalhos da 44.ª sessão ordinária do Conselho Executivo da União Africana (UA), em Adis Abeba (Etiópia).

No seu discurso sobre os mecanismos de participação da UA no G20, o ministro apelou à participação ativa da União Africana (UA) no G20, saudando os esforços de todos aqueles que contribuíram para a adesão da organização continental a este bloco. Acrescentou que a delegação argelina saúda os esforços de todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente para a adesão da União Africana ao G20, uma adesão que consideramos ser uma conquista que deve ser valorizada e um passo em frente. prosseguir os nossos esforços coletivos destinados a reparar uma injustiça histórica e pôr fim à longa marginalização do nosso continente nas várias instituições de governação global, sejam elas políticas, de segurança, económicas ou sociais. Além disso, está delegação apela, sublinha, à participação ativa da União Africana neste bloco e a trabalhar no seu quadro para mobilizar o apoio internacional necessário para a realização dos objetivos e aspirações consagrados na nossa agenda 2063. “A delegação apoia ainda mais a abordagem proposta ao critério do Conselho Executivo, que é inspirada na decisão 845 da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo”, disse ele explicando que Em primeiro lugar, o atual Presidente da UA, apoiado pelo Presidente da Comissão, representa nossa organização nas reuniões do G20 a nível de cimeira. Em segundo lugar, generalizar este princípio para as reuniões ministeriais, no sentido de que um ministro de Estado que exerça a presidência, apoiado pelo comissário competente, represente a nossa organização. “Este modo de operação destaca-se por ser o mais eficaz e o mais capaz de fazer ouvir a voz do nosso continente com fiabilidade, fidelidade e lealdade”, afirmou.

Eleições CUA: Argélia pede que se tenha em conta o critério “competência”

Relativamente às próximas eleições de altos funcionários da Comissão da União Africana (CUA), Attaf destacou o facto de serem de grande importância, daí o imperativo de ter em conta as “qualificações” e os critérios de “competência” entre os candidatos que deveriam carregam visões, ambições e projetos capazes de elevar o continente africano aos mais altos escalões. Indicou também que a eleição do presidente, do vice-presidente e dos comissários da Comissão da UA é de grande importância, daí o imperativo de lhe reservar particular interesse, porque irá atuar para designar mulheres e homens chamados a supervisionar a ação. da Organização e influenciar a sua capacidade de resposta na resposta às expectativas e aspirações dos nossos povos e dos nossos Estados, em consagração do grande projeto africano.

A oportunidade foi também para Attaf sublinhar a importância para o continente africano de um processo seletivo e competitivo em grande escala que favorecesse as competências africanas mais experientes e os mais qualificados para liderar a Comissão Africana, seguindo o nosso compromisso coletivo de melhorar a governação da nossa organização, para desenvolver o seu desempenho e dotá-la de pessoas dignas de liderá-la e concretizar as nossas aspirações e expectativas, ou mesmo cristalizá-las no terreno da melhor forma possível. “O continente africano vale muito mais do que tal compromisso e tal processo, para eleger os melhores dos melhores entre a elite. A delegação argelina toma nota das diferentes versões propostas e das escolhas apresentadas, nomeadamente o princípio da alternância entre as cinco regiões e, dentro de cada região, entre os países por ordem alfabética”, especificou o ministro, acrescentando que a nossa profunda convicção nos desafia quanto à o imperativo de manter uma questão de tamanha importância longe de processos mecânicos que não levam em conta a competência, nem as qualificações dos candidatos que devem ser portadores de visões, ambições e projetos ao mesmo tempo para elevar o nosso continente aos mais altos escalões .

Attaf participa de reunião do comitê ad hoc para o Sudão do Sul

Attaf destacou a importância para o continente africano de um processo seletivo e competitivo em grande escala que favoreceria as competências africanas mais experientes e mais qualificadas para liderar a Comissão Africana, seguindo o nosso compromisso coletivo de melhorar a governação da nossa organização, para desenvolver o seu desempenho e dotá-lo de pessoas dignas de liderá-lo e concretizar as nossas aspirações e expectativas, ou mesmo cristalizá-las no terreno da melhor forma possível. “O continente africano vale muito mais do que tal compromisso e tal processo, para eleger os melhores dos melhores entre a elite”, concluiu.

A Attaf, por outro lado, participou, ontem, numa reunião ministerial do comité ad-hoc da União Africana (UA), para a República do Sudão do Sul (Comité dos Cinco-C5) cujo mandato consiste no apoio à partes envolvidas na crise neste país irmão, a fim de cumprir os seus compromissos no âmbito do acordo de paz assinado em setembro de 2018, de acordo com o comunicado de imprensa do ministério. Num discurso proferido nesta ocasião, sublinhou a necessidade de consolidar o papel do Comité e intensificar as suas atividades de apoio à estabilidade no Sudão do Sul, seguindo dois processos. Referindo-se ao primeiro processo, o ministro enfatizou a necessidade de o Comité atuar junto dos partidos internos do Sudão do Sul, com vista a consciencializá-los da importância da responsabilidade histórica que lhes incumbe, acrescenta o comunicado. Para o segundo processo, o ministro destacou a importância de mobilizar os esforços dos vários partidos internos e fazê-los reiterar o seu apoio ao processo de paz no Sudão do Sul, especialmente porque este país atravessa uma fase crucial e delicada, em antecipação à a organização das primeiras eleições da história deste país irmão, marcadas para o final do corrente ano. A nível bilateral, Ahmed Attaf demonstrou a vontade da Argélia em apoiar a República do Sudão do Sul na organização de eleições capazes de pôr fim à crise, a fim de enfrentar eficazmente os desafios que este país enfrenta. Recorde-se que o comité ad hoc da UA para o Sudão do Sul é composto por cinco estados que representam as cinco regiões do continente, nomeadamente: Argélia, Nigéria, Chade, Ruanda, bem como a África do Sul.

*Jornalista

ÚLTIMAS NOTÍCIAS