21.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Assassinato de militante revolucionário choca Venezuela

Caracas, 9 jul (Prensa Latina) A confirmação do assassinato do político e militante revolucionário Carlos Lanz choca hoje a sociedade venezuelana, quase dois anos depois de seu desaparecimento em 8 de agosto de 2020.

Em entrevista coletiva oferecida no meio da semana na sede do Ministério Público, o procurador-geral Tarek William Saab ofereceu detalhes do que acabou se configurando como um caso de sequestro e assassinato contratado contra o proeminente professor, sociólogo e ativista de esquerda, crimes pelos quais há 13 pessoas presas e acusadas.

A Saab apontou a esposa do professor Carlos Lanz, Maxiorisol Cumare, como a autora intelectual do crime, que teria pago a quantia de oito mil dólares ao seu amante, identificado como Glen Castellanos, para contratar os pistoleiros encarregados de matar o a vítima e a realização do cadáver desaparecem.

De acordo com a confissão de Castellanos, o cônjuge da vítima “estava farto de Lanz ser um obstáculo para seus negócios corruptos com diferentes fornecedores” no manuseio de itens orçamentários do Instituto Nacional de Capacitação e Educação Socialista (Inces) em Maracay, estado de Aragua.

A estratégia do complô criminoso girou em torno de simular um suposto desaparecimento forçado sob falsos positivos, incluindo a tentativa de acusar o Estado venezuelano de encobrir os fatos por motivos políticos, indicou o chefe do Ministério Público.

Durante as investigações do caso, foram realizados mais de 200 processos, entre entrevistas com o círculo familiar e pessoas próximas, perícias, análise telefônica, revisão de movimentos migratórios, testes de polígrafo, inspeções técnicas de domicílio e outros locais.

Por meio de um comunicado, a Rede de Intelectuais, Artistas e Movimentos Sociais em Defesa da Humanidade (REDH), Capítulo Venezuela, lamentou o assassinato do militante revolucionário, confirmado pelo Ministério Público.

Por meio de comunicado, a REDH expressou seu profundo pesar pelo assassinato de um ex-integrante das Forças Armadas de Libertação Nacional (FALN) e seu setor político PRV-Ruptura.

“Companheiro solidário de todas as causas progressistas, contribuidor na configuração das bases teóricas e políticas do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV)”, sublinhou a REDH, destacando sua trajetória de arguto estudioso e professor sobre o tema das operações de guerra psicológica e não convencional.

O primeiro vice-presidente do PSUV, Diosdado Cabello, lamentou os acontecimentos ocorridos em agosto de 2020 e rejeitou a posição de alguns setores políticos que buscavam questionar a atuação dos órgãos de investigação e do governo bolivariano sobre o caso.

“Como Carlos Lanz, poucos revolucionários, eretos, verticais e de uma só palavra”, destacou o dirigente socialista durante seu habitual programa Con el Mazo dando, transmitido pela Venezolana de Televisión.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS