19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Ascensão e queda de um oligarca russo

(Prigozhin Press Service via AP, File)

M. K. Bhadrakumar [*]

Vala em auto-estrada de acesso a Moscovo.

Os dirigentes do Kremlin actuaram de forma decisiva para fazer face à ameaça de uma insurreição armada por parte do oligarca russo e auto-denominado “fundador” do Grupo Wagner de empreiteiros militares, Yevgeny Prigozhin.

Numa série de vídeos divulgados na sexta-feira, Prigozhin alegou que as justificações do governo russo para a intervenção militar na Ucrânia se baseavam em mentiras. Acusou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, de “tentar enganar a sociedade e o Presidente e de nos dizer que houve uma agressão louca por parte da Ucrânia e que eles estavam a planear atacar-nos com toda a NATO”. O ministro afirmou que as forças armadas russas regulares lançaram ataques com mísseis contra as forças de Wagner, matando um número “enorme” de pessoas.

Prigozhin declarou: “O conselho de comandantes do PMC Wagner tomou uma decisão – o mal que a liderança militar do país traz deve ser travado”. Prometeu marchar sobre Moscovo e pedir contas aos responsáveis.

O Serviço Federal de Segurança ou FSB (antigo KGB) classificou o ato como “uma rebelião armada“; o quartel-general de Wagner em São Petersburgo foi selado; a Procuradoria-Geral da República declarou que “este crime é punível com pena de prisão de 12 a 20 anos”.

Num discurso à nação às 10h00 de sábado, hora de Moscovo, o Presidente Vladimir Putin condenou veementemente os acontecimentos, descrevendo-os como “um motim armado” e apelando à “consolidação de todas as forças”. Putin estabeleceu um paralelo com a insurreição de Petrogrado (São Petersburgo), em fevereiro de 1917, que conduziu à Revolução Bolchevique e a uma guerra civil prolongada, com uma intervenção militar ocidental em grande escala, incluindo a dos Estados Unidos, “enquanto todo o tipo de aventureiros políticos e forças estrangeiras tiravam partido da situação, dilacerando o país para o dividir”.

Putin prometeu: “Serão também tomadas medidas decisivas para estabilizar a situação em Rostov-on-Don (700 km a sul de Moscovo, onde se encontra Prigozhin com os combatentes Wagner).

Aeronaves derrubadas pela Wagner.

Putin prometeu que aqueles “que organizaram e prepararam um motim militar, que pegaram em armas contra os seus camaradas – traíram a Rússia”, serão punidos. É significativo o facto de Putin nunca ter mencionado o nome de Prigozhin.

Este confronto estava a ser preparado há vários meses e deve-se às tensões nas relações de trabalho entre as forças de Wagner e o Ministério da Defesa russo, à antipatia pessoal de Prigozhin pelo ministro da Defesa Shoigu e pelas altas patentes russas, ao seu ego inchado e à sua ambição política desmesurada e, certamente, aos seus interesses comerciais.

Prigozhin ultrapassou a linha vermelha que Putin famosamente traçou logo no início do seu governo no Kremlin, no verão de 2000, numa reunião histórica com 21 dos homens mais ricos da Rússia – os vorazes “oligarcas”, como os russos lhes chamavam ironicamente – que haviam surgido aparentemente do nada, acumularam fortunas espetaculares enquanto o país à sua volta caía no caos através de negócios obscuros, corrupção pura e simples e até mesmo assassínio, tendo tomado o controlo de grande parte da economia russa e, cada vez mais, da sua incipiente democracia. Na reunião à porta fechada, Putin disse-lhes, cara a cara, quem é que realmente mandava na Rússia.

Putin propôs um acordo aos oligarcas: “Curvem-se à autoridade do Estado russo, não se metam na governação ou na política interna da Rússia e podem ficar com as vossas mansões, super-iates, jatos privados e empresas multimilionárias”. Nos anos seguintes, os oligarcas que não cumpriram este acordo pagaram um preço elevado. O caso mais célebre é o de Mikhail Khodorkovsky, que vale 15 mil milhões de dólares e chegou a ocupar o 16º lugar na lista de multimilionários da Forbes, que alimentava uma ambição política e vive agora exilado nos EUA, financiando generosamente grupos de reflexão americanos e ativistas russofóbicos em todo o mundo ocidental, lançando veneno contra Putin.

Mas, por outro lado, os “leais” que ficaram para trás tornaram-se podres de ricos e vivem da gordura da terra como ninguém. Prigozhin, um homem de origem humilde, ficou para trás e acumulou grandes riquezas. De certa forma, ele simboliza tudo o que correu terrivelmente mal na reencarnação pós-soviética da Rússia.

No entanto, a linha divisória é muitas vezes ténue, porque mesmo aqueles que ficaram no país tiveram o cuidado de guardar uma parte significativa do seu saque em países ocidentais, em cofres de bancos ou como bens móveis e imóveis fora do alcance da lei russa. O que significa que os oligarcas são também altamente vulneráveis à chantagem ocidental. Não é de surpreender que as capitais ocidentais fantasiam que os oligarcas possam ajudar a minar o regime do Kremlin a partir do interior ou criar uma implosão social a fim de desestabilizar a Rússia e desorganizar o seu esforço de guerra na Ucrânia.

PATRIMÓNIO DE US$1,2 MIL MILHÕES

Os antecedentes de Prigozhin são uma incógnita. Mas é inteiramente concebível que este homem, a quem se atribui uma influência extra grande nos corredores do poder do Kremlin, tenha estado na mira dos serviços secretos ocidentais. Prigozhin tem um património pessoal de pelo menos 1,2 mil milhões de dólares.

Prigozhin foi também uma espécie de pioneiro, tendo entrado na profissão extremamente lucrativa de gestão de uma empresa quase estatal de mercenários que são treinados e equipados para atuar como contratantes militares em pontos críticos no estrangeiro, em países onde a Rússia tem interesses vitais do ponto de vista comercial, político ou militar.

Moscovo já não está no tempo da era soviética em que promovia movimentos de libertação nacional. Mas também não pode ser impermeável às mudanças de regime que os principais oponentes ocidentais da Rússia promovem habitualmente para servir os seus interesses geopolíticos no chamado Sul Global (ou nas ex-repúblicas soviéticas). Assim, a Rússia encontrou uma terceira via engenhosa ao criar uma ala militar um pouco à imagem da famosa Legião Estrangeira francesa. O Grupo Wagner provou ser extremamente eficaz na região do Sahel e noutros locais de África como fornecedor de segurança para os governos estabelecidos. As antigas potências coloniais já não têm o direito de ditar condições aos governos africanos.

Basta dizer que a domesticação de Prigozhin se revelou difícil, embora os serviços secretos russos tivessem conhecimento de que os serviços secretos ocidentais estavam em contacto com ele. Na verdade, a sua postura pública cada vez mais desafiadora estava a tornar-se uma séria perturbação para o Kremlin. Uma possibilidade é que os serviços secretos russos lhe tenham dado uma longa corda para se enforcar. De igual modo, a preferência do Kremlin teria sido pacificá-lo e cooptá-lo para o esforço de guerra. Putin até se encontrou com ele.

No seu discurso à nação, Putin não alegou qualquer “mão estrangeira” nos atuais desenvolvimentos e colocou o dedo na ferida: “Ambições excessivas e interesses pessoais [que] levaram à traição”. Mas, de forma bastante explícita – mais de uma vez – Putin também sublinhou que serão as potências estrangeiras inimigas da Rússia os beneficiários finais da atividade de Prigozhin.

É significativo que o FSB tenha acusado diretamente Prigozhin de traição, o que só pode ter sido feito com base em informações dos serviços secretos e com a aprovação de Putin. O facto de o motim de Prigozhin ocorrer em plena ofensiva ucraniana, quando a guerra se aproxima de um ponto de viragem a favor da Rússia, também deve ser cuidadosamente ponderado.

Em última análise, esta tentativa macabra de motim não vai resultar. Os oligarcas são detestados pela opinião pública russa. Qualquer esperança ocidental de encenar uma insurreição na Rússia e uma mudança de regime sob a bandeira de um oligarca renegado será, no mínimo, uma ideia absurda.

O desafio imediato consistirá em isolar Prigozhin e os seus associados mais radicais do grosso dos combatentes de Wagner. Putin elogiou o contributo dos combatentes de Wagner na guerra da Ucrânia. O carismático comandante militar russo na Ucrânia, general Sergey Surovikin, fez um apelo público às tropas Wagner para que se submetam às autoridades “antes que seja tarde demais”, regressem aos seus quartéis e resolvam as suas queixas pacificamente. Mas, a curto prazo, é também necessária uma abordagem sistémica para integrar o Grupo Wagner, que, afinal, provou todo o seu valor na prolongada e brutal guerra de desgaste em Bakhmut, no Donbass.

24/Junho/2023

ÚLTIMAS NOTÍCIAS