Brasília, 22 de janeiro de 2022 às 14:21
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 19/08/2020 4:55

Argentina, uma reforma para reordenar o sistema de justiça federal

.

Por Maylín Vidal
Buenos Aires (Prensa Latina) O governo do presidente argentino Alberto Fernández está promovendo um projeto que busca reorganizar o sistema de justiça federal, tornando-o mais independente, regido por maiores padrões de transparência e realizando processos com rapidez e eficiência.

Não isento de críticas e rejeição por parte da oposição, o que até levou certos setores a saírem às ruas em protesto, o presidente foi claro ao enfatizar que eles estão abertos a todas as opiniões e com o objetivo de fazer com que a justiça funcione melhor.

Com fortes discussões nas comissões do Congresso em busca de uma decisão para futuro debate em ambas as câmaras, a proposta, segundo o próprio chefe de Estado, também visa um sistema que não funciona a partir do governo no poder ou em favor dos poderosos.

A unificação e duplicação dos tribunais federais, a implementação do sistema acusatório e a formação de um Conselho Consultivo são vários dos pontos da iniciativa, fortemente questionados pela Juntos por el Cambio, antiga Cambiemos, o braço político que trouxe Mauricio Macri à presidência em 2015.

Desde que a proposta foi anunciada, a oposição a tem criticado e alguns têm até apontado que este projeto busca a impunidade, entre outros argumentos.

‘Um dia, quando fazemos uma proposta séria com um projeto global, eles decidem não discuti-la porque não gostam de uma condição que não tem nada a ver com esta lei. Estou impressionado, porque a Argentina precisa ter uma justiça que funcione bem’, disse o presidente em uma recente entrevista com o FutuRock.

Fernández destacou que o projeto de reforma judicial busca uma reorganização que vai muito além dos tribunais de Comodoro Py, que estão localizados na capital. É uma mudança em todo o sistema de justiça federal nacional com o objetivo de fazer com que ele funcione bem, disse ele.

Entre outros objetivos, o projeto de lei apresentado pelo Poder Executivo ao Congresso para futuro debate tem uma lei que ordena a justiça federal em todo o país, com mais promotorias, mais defensorias públicas e tribunais orais, e unifica os tribunais e câmaras penais econômicas.

Por outro lado, transfere para a Cidade Autônoma de Buenos Aires as competências para investigar crimes não federais cometidos em seu território, pendentes desde a reforma constitucional de 1994.

Em 1ú de março, ao fazer seu primeiro discurso na abertura das sessões ordinárias do Congresso, Fernández anunciou que enviaria a proposta ao legislador após salientar que os problemas do país ‘não são resolvidos com menos justiça, mas com melhor justiça’.

‘Eu vim a assumir um compromisso inabalável. Neste momento na Argentina, quando é a nossa vez de governar, chegamos ao fim da nomeação de juízes amigos, da manipulação judicial, do uso político da justiça e da nomeação de juízes que dependem de poderes não arrependidos de qualquer tipo’, disse ele na ocasião.

Em debate hoje nas comissões de Assuntos Constitucionais e Justiça e Assuntos Criminais do Senado, a iniciativa inclui uma série de medidas que, entre outras coisas, cria 121 novos postos e 94 tribunais no interior do país.

O projeto de lei sobre a organização e competência da Justiça Federal é talvez um dos projetos mais importantes enviados pelo Governo ao Congresso neste primeiro ano de administração e incentiva o Judiciário a ter 15 novos juízes de câmara, 23 juízes de primeira instância e cinco secretários de câmara, para um total de 43 cargos.

Por outro lado, no Ministério Público, são criados os cargos de cinco procuradores gerais, 23 procuradores, cinco secretários do Ministério Público geral e outros 23 secretários, totalizando 56 cargos.

O Ministério Público está propondo três novos defensores públicos oficiais aos Tribunais orais penais federais, oito defensores públicos aos juízes e à Câmara em Matéria Penal Federal, três procuradores e oito secretários, para um total de 22 cargos.

O debate dentro das comissões permanece tenso. Mario Negri, chefe da Juntos por el Cambio interbloco na Câmara dos Deputados, pediu ao Executivo que retirasse o projeto de lei e começasse do zero na busca de consenso.

Enquanto isso, a presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais do Senado, María de los Ángeles Sacnun, enfatizou que o pedido da oposição ‘é uma desculpa para não debater’.

Parece-me que o presidente marcou uma enorme abertura, não só quando mostrou o projeto, mas também quando admitiu na apresentação que ele mesmo estava aberto a todas as reformas que se pretendia incorporar, enfatizou a legisladora.

Em um diálogo exclusivo com membros da Associação de Correspondentes Estrangeiros (Acera), o juiz Alberto Huarte Petite, com mais de 20 anos de experiência, explicou que a reforma judicial propõe, entre outros pontos, a criação de mais tribunais nacionais em matéria penal federal e a transferência de competências do sistema judiciário nacional para o da capital.

Em resposta a uma pergunta da Prensa Latina sobre o quanto esta reforma pode ajudar a acelerar casos como o feminicídio, por exemplo, um dos maiores flagelos do país, Huarte Petite disse que há uma grande contribuição que pode ser feita a este respeito.

O novo código processual daria muita importância ao trabalho dos promotores e o ministério tem a possibilidade de organizar promotorias especializadas no assunto, o que permitiria estabelecer protocolos e gerar critérios mais rápidos para levar a julgamento um caso de violência baseada em gênero, disse ela.

O juiz explicou que a lei de reforma judicial em discussão é acompanhada pelo novo código de processo penal federal e um dos artigos prevê a implementação na capital de crimes federais com maior intervenção na investigação por parte dos promotores.

‘Se aprovada, a reforma será acompanhada pela implementação efetiva do novo código de processo penal’, disse ele.

Comentários: