20.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Argentina sob governo ultraliberal e antidemocrático

Buenos Aires (Prensa Latina) Em 10 de dezembro, o governo de Javier Milei, um ultraliberal que se autodenomina “anarcocapitalista” ou “liberal-libertário”, um cultista da escola “austríaca” e especialmente de Murray Newton Rothbard , iniciou sua gestão (americano, 1926-1995), profeta da crítica ao “estatismo” e adepto do mercado e da iniciativa privada.

Julio C. Gambina*, colaborador da Prensa Latina

A crítica ao “Estado” é extensiva ao socialismo em todas as suas variantes, e especialmente a Marx e aos seus seguidores. Em rigor, inclui também críticas a Keynes e às suas políticas de intervenção estatal para superar a crise, tal como fizeram os seus contemporâneos von Mises e von Hayek. Este keynesianismo manifesta-se hoje através do “neo-desenvolvimentismo”, pelo que as críticas dos libertários às recentes experiências de desafio neoliberal e ao chefe do Vaticano, às suas encíclicas e aos pensadores e seguidores relacionados não são surpreendentes.

Milei entrou no governo após um segundo turno em que derrotou o partido no poder com quase 15 milhões de votos, superando-o por três milhões. Assim, resultou um forte consenso eleitoral, 56 por cento dos eleitores contra 44 por cento dos votos positivos para Sergio Massa, ex-ministro da Economia de Alberto Fernández. Com este consenso eleitoral, a iniciativa governamental de “ajustamento e reestruturação regressiva” do capitalismo local é legitimada.

Esta política é confirmada com o discurso de posse do presidente, o pacote emergencial apresentado inicialmente pelo Ministro da Economia Luis Caputo, que foi Ministro da Fazenda e Presidente do Banco Central da República Argentina (BCRA) durante a gestão de Mauricio Macri ( 2015-19). Caputo é um financiador, associado ao forte endividamento da administração Macri e agora a uma reestruturação da dívida local, grande factor determinante na política económica, especialmente pelos recursos necessários para fazer face ao cancelamento de juros e de capital da dívida, que compete com qualquer destinação social de recursos públicos. A iniciativa completa-se com o anúncio de um Decreto de Necessidade e Urgência (DNU) que elimina e reforma um corpo jurídico de cerca de 300 regulamentos, dos quais apenas 30 foram identificados na sua mensagem na rede nacional.

Ele ressaltou que serão completadas com outras medidas e principalmente aquelas que necessitam de materialização jurídica, que em breve serão apresentadas em sessões extraordinárias do Poder Legislativo. O simples fato de resolver por decreto um conjunto de normas que deveriam passar pelo Congresso torna o funcionamento do governo antidemocrático.

Argentina sob um governo ultraliberal e antidemocrático

Para complementar estes anúncios reacionários a favor do capital mais concentrado, do Ministério da Segurança, Patricia Bullrich (também funcionária de Macri e do governo que caiu em 2001), informou sobre um protocolo anti-piquetes, um mecanismo antidemocrático de intimidação e repressão ao movimento popular. Ao mesmo tempo, a Ministra do “Capital Humano”, Sandra Pettovello, lançou uma fortíssima campanha de propaganda, à la Goebbels, apelando às pessoas para que ficassem em casa antes do anúncio da mobilização em comemoração à rebelião popular de 19 e 20 de dezembro. , 2001, onde a mobilização terminou com o governo no poder e pôs fim à conversibilidade da moeda com o dólar, uma virtual dolarização. Lembremos que a dolarização foi a principal bandeira da campanha de Milei.

Tudo aponta para uma brutal reconversão regressiva do capitalismo local, com forte intervenção repressiva das forças de segurança. O ajuste não acontece sem repressão, é a análise mais difundida nas previsões sobre a situação e a evolução do novo governo. A tradição histórica de organização e luta popular na Argentina permite o debate sobre o fracasso ou o sucesso da ofensiva de extrema direita. Na verdade, nestes primeiros dias já foram realizadas manifestações para discutir o horizonte das políticas públicas, incluindo a tentativa de desmobilização.

Um importante dia de luta ocorreu no último dia 20/12 durante a tarde e depois, à noite, após a mensagem presidencial anunciando o “decreto” reacionário, a resposta mobilizada recuperou a tradição do “caceroleo” de 2001. Em poucas horas o A diferença foi que houve manifestações de piqueteros e caceroleros, duas formas de luta emblemáticas de 2001, quando o slogan se referia a “piquetes e cacerolas, a luta é uma só”, expressão da unidade popular entre trabalhadores precários e setores médios da população. A resposta sindical está latente nos dias de hoje com vários apelos, que se somarão às primeiras iniciativas de enfrentamento.

É um bloco social que intervém neste processo específico de luta de classes, onde a política oficial inclina a balança apenas numa direcção, a dos grandes empregadores.

Diretrizes, medidas e propósitos

A abordagem libertária propõe levar o país de volta ao regime político anterior aos governos constitucionais de sufrágio universal (dos homens), ou seja, à ordem capitalista glorificada pelas classes dominantes construída entre 1860 e 1910. Eram tempos de luta política, antidemocrática. , “fraudes” repressivas, a tal ponto que o centenário de 1910 evidenciou um impressionante desenvolvimento das forças produtivas, juntamente com o estado de sítio; daí o crescimento económico e a repressão, uma identidade que é recuperada no presente.

Os grandes latifundiários, após o massacre e genocídio indígena da campanha patagônica por volta de 1880, juntamente com o capital externo em frigoríficos, ferrovias ou bancos, construíram a inserção subordinada do capitalismo local na lógica imperialista dominada pela Grã-Bretanha. Claro que para isso possibilitaram a imigração, principalmente europeia, dos empobrecidos expulsos do velho continente, por razões económicas ou políticas, que chegaram em busca de emprego e contribuíram com a sua experiência organizacional, sindical, social, ideológica e política. A identidade operária veio de mãos dadas com o anarquismo, o socialismo e o comunismo, dando a chancela de origem da capacidade organizativa e de luta do movimento operário e popular do país, que sofreu mutação na década de 40 do século passado sob a identidade peronista.

O liberalismo foi a lógica ideológica da geração da década de 1980 do século XIX, no poder do capitalismo local, uma concepção que desafiou globalmente a teoria da revolução emergente com as teses de Marx e a experiência da Comuna de Paris (1871), dinâmica que permitiu a ofensiva popular para a transformação revolucionária da sociedade mundial durante mais de um século. Na Argentina, foi implantada uma prática teórica e sociopolítica nesse sentido, que se expressou em um novo regime político, onde se destacam dois grandes partidos que alternaram governos constitucionais de 1916 a 2015, o radicalismo e o peronismo. Ambos os partidos alternaram o governo com golpes militares entre 1930 e 1983, que visavam restaurar o poder imperialista oligárquico sem sucesso.

Argentina sob um governo ultraliberal e antidemocrático

Por volta de 2015, surgiu a primeira tentativa de restaurar o antigo poder sem golpe de Estado. Foi a fracassada administração Macri entre 2015 e 2019. Esta tentativa volta a ocorrer agora com um maior consenso eleitoral, que desafia o consenso anterior nos partidos tradicionais e que opta por uma proposta de identificação clara com o poder económico concentrado, sob um discurso de crítica do socialismo e do comunismo, do estatismo, que segundo Milei, foi o que governou a Argentina nos últimos 100 anos. Uma confusão deliberada na caracterização, que segue as formulações dos seus professores “austríacos”.

Esta crítica aos governos com discurso crítico ao neoliberalismo, que não resolveram as demandas urgentes dos setores explorados e mais empobrecidos, desafia qualquer solução de esquerda, que limitasse o discurso crítico da tradição político-organizacional no pensamento de Marx.

A saída é da direita porque prevaleceu um discurso extremamente liberal, crítico de qualquer política de esquerda, também desacreditado pelo desafio global à resposta socialista, mas também a qualquer abordagem de crítica discursiva, tornada visível como um privilégio às “castas” , não só na política, da burocracia política, mas também aos trabalhadores conveniados e, portanto, com salários acima da média de todos aqueles que vivem da venda de força de trabalho.

Entre as principais medidas está uma desvalorização de 50 por cento, de 400 para 800 pesos por dólar, o que representa um relançamento da inflação que vinha caminhando para 200 por cento anualmente, e que agora se move a um por cento diariamente, numa projeção alarmante que ameaça a hiperinflação. É uma perspectiva que cria medo na população e gera condições de possibilidade para reformas ultra-reacionárias rumo ao último: a dolarização.

As recentemente anunciadas desregulamentações por “decreto” podem ser contestadas por meios legislativos ou judiciais, mas sobretudo pela mobilização popular. O decreto é um órgão regulador ditado por grandes empregadores e investidores que procuram levar as regulamentações locais de volta ao tempo da liberalização em favor do lucro e da acumulação, uma lógica essencial do regime de capital. Sentem que têm o consenso eleitoral e por isso vão em busca do consenso político, associado ao poder transnacional, expresso no apoio ao FMI, e especialmente ao governo dos EUA, daí a afirmação do privilégio das relações externas com Washington e Israel.

Não é livre nestes tempos distanciar-se dos laços políticos e diplomáticos com os dois principais parceiros comerciais da Argentina – Brasil e China – mas é uma exigência ideológica e um compromisso para se tornar a vanguarda da direita global em tempos de crise capitalista e discussão sobre a gestão global do capitalismo. Milei está apostando no sucesso local e definindo o rumo global com sua experiência. Tal como Pinochet em 73 e o seu teste neoliberal, o libertário no poder tenta, com consenso e repressão, realizar o teste de um novo tempo de experiência capitalista. Não é pouca coisa e por isso a importância de pará-lo na fonte, um grande desafio.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS