Brasília, 21 de janeiro de 2022 às 09:36
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 07/11/2019 6:20

Argentina: eleições freiam o neoliberalismo e abrem alas ao “Grupo de Puebla”

.

 Helena Iono, correspondente em Buenos Aires

O primeiro ponto que merece atenção é qualificar esta vitória eleitoral de Alberto Fernández e Cristina Kirchner da Frente de Todos (FdT) na Argentina.

Muito além da quantidade expressa nos números, 48% (Alberto) contra 40% (Macri) no escrutínio provisório do dia 27 de outubro, que dão uma contundente vitória com 8% a favor de FdT (tendente a aumentar  a 10% na contagem definitiva) já no primeiro turno, vale observar que isso tem um peso de qualidade; significa uma concentração de uma expressiva vontade popular, que numa só cartada, no primeiro turno, disse “Basta!” ao massacrante projeto neoliberal dos últimos 4 anos do governo Macri.

Foi uma eleição polarizada, onde os setores financeiros e oligárquicos, e da direita se concentraram nos 40% ao Macri (tendendo aos 39% no escrutínio definitivo), atraindo parte da pequeno burguesia descontente com o governo, mas reticente com a política de FdT demonizada pela mídia hegemônica. Por outro lado, os 48% que podem chegar a 50% (no escrutínio definitivo), são votos de qualidade que optam por um claro projeto econômico popular e de nação, apoiando a carta-programática de FdT, mas, sobretudo, confiando na comprovada liderança e experiência da ex-presidenta Cristina Kirchner e nos vínculos de Alberto Fernández com a gestão de Néstor Kirchner. A magnífica votação de 55% a Axel Kicillof  (ex-ministro da economia) a governador da província de Buenos Aires, que abarca 30% da população Argentina, é o melhor exemplo do voto a favor do retorno do peronismo-kirchnerista. Seus votos são os de aprovação a um projeto e a uma política de consulta e participação popular protagonizada por Kicillof, deputado nacional e líder autêntico que, após aquele 10 de dezembro de 2015, quando a Argentina despediu-se de Cristina Kirchner em lágrimas, gritando “Voltar, vamos voltar!”, não deixou de percorrer os municípios pobres da periferia de Buenos Aires para levar o debate, a resistência e a luta pela retomada.

E voltaram. Em 4 anos voltaram. Macri durou só 4 anos e deixou o país destruído e em “default”. Os governos kirchneristas duraram 12 anos, tirando-o do “default” e recuperando o Estado social. Não só os números das urnas contabilizam o retorno do peronismo/kirchnerismo; a explosão de alegria de homens e mulheres, famílias e crianças, idosos e juventude transbordante, naquela noite, rumo ao “bunker” de campanha (FdT) para ouvir Cristina, Alberto, as manifestações em todo o país e no mundo, do Chile ao Equador, são o limite e o colapso das políticas neoliberais. Brados e cartazes por Lula Livre estiveram presentes em todos lados, nesta data em que Lula comemorava 74 anos. Uma comitiva de brasileiros, acompanhada pelos filho e neto de Lula, e comitês de solidariedade o homenagearam no Obelisco de Buenos Aires. Mas, o melhor presente ao Lula chegou horas depois: a vitória de Alberto e Cristina.

O Chile e o Equador votaram na Argentina. É um grande triunfo dos trabalhadores e de um povo argentino guerreiro e organizado, que não cruzou os braços, aguentou e lutou  nas ruas, nas fábricas, nas escolas, nas associações de bairro e paróquias, nos sindicatos, nas greves gerais contra os tarifaços, enfrentou os ataques aos seus direitos básicos, questionou fraudes judiciais do “lawfare”, enfrentou a repressão, defendeu sua mídia independente, enfrentou a hegemonia do Clarin/La Nación e manteve viva a Memória dos 30 mil desaparecidos. As mentiras, as ameaças de Macri, e as fakenews não colaram desta vez. Não fosse essa consciência organizada que conduziu o povo argentino à vitória eleitoral, um novo 2001 sangrento ou um outubro chileno estaria na ordem do dia.

A  propósito do papel da mídia, arma fundamental de poder (de um lado e do outro), é interessante saber que Alberto Fernandez, advogado e político, ex-chefe de gabinete de Néstor Kirchner, manteve-se como figura conhecida, nestes 4 anos de Macri, por sua participação constante no canal de TV C5N (de propriedade de empresários nacionais perseguidos por Macri), denunciando sobretudo as arbitrariedades da Justiça contra o kirchnerismo. Isso foi fundamental, para que os argentinos, o eleito presidente, proposto por Cristina, fosse reconhecido e votado.

Macri tentou usar fakenews para dar um golpe político-midiático que levasse à invalidação do pleito eleitoral. Usou o fato de que os primeiros resultados davam uma diferença menor da prevista nas PASOs, para desanimar os vencedores da FdT. Fakenews alegavam que Alberto Fernandez havia pactuado com Macri um triunfo por poucos pontos para chegar a um acordo de governabilidade. O objetivo nefasto destas fakenews era debilitar a coesão do voto à FdT. A jornalista Cynthia Ottaviano, da Revista Contra Editorial, bem analisou essa jogada: “Querem que sejam os que votaram em Alberto que façam reclamações da desconfiança e instiguem as divisões a partir desse sentimento de “sabor a pouco”. “Trata-se de uma operação de um provável “fraude” que não se baseia em instigar os votantes do partido perdedor, mas do vencedor.” Ela fez uma humorada comparação: “em termos futebolísticos é como se uma equipe tivesse vencido por 3×0, mas lhe dissessem que deviam de ter vencido por mais, pois não foram cobrados dois pênaltis e um gol foi anulado. Portanto, o jogo não é válido; é como se ele não tivesse existido”.

Enfim, as tentativas golpistas para invalidar eleições legítimas, como a de Evo Morales, são peculiares aos poderes da oligarquia-financeira na Argentina e na América Latina. De toda forma, estão sendo verificadas fraudes reais cometidas por fiscais e presidentes de mesa do perdedor, “Juntos pelo Cambio”; estas sim, a desfavor de Macri, podendo aumentar a diferença no escrutínio definitivo.  Tratam-se de vários casos que impossibilitaram eleitores (sobretudo de FdT) de exercer o seu voto, em situações de registro eleitoral não atualizados com carteiras de identidade novas. A diferença dos números da vitória da Frente de Todos (FdT) deverá superar os 10% no escrutínio definitivo, pois ainda não se contabilizaram os votos da província de maior eleitorado da FdT, a de Buenos Aires.

Os votos a Alberto e Cristina são pela integração latino-americana contra o neoliberalismo. As boas vindas para e do “Grupo de Puebla” vem aí!

Na antessala da bateria de medidas urgentes para os primeiros 100 dias que deverão vir após 10 de dezembro, o novo governo, prepara as bases da retomada da integração latino-americana dos governos progressistas estimulada por Hugo Chávez com a CELAC, Unasur, Brics e Alba e Mercosur;  interrompida pela ofensiva neoliberal de Macri, Piñera, Moreno e Bolsonaro está se instalando uma  situação de duplo poder na América Latina, onde a Venezuela é um elo fundamental. Após um efusivo chamado a “Lula Livre!” no dia da vitória, Alberto Fernández visita López Obrador no México e acolhe o “Grupo de Puebla” que se reúne em Buenos Aires entre 8,9, e 10 de novembro.

Instala-se uma  situação de duplo poder na América Latina, onde a Venezuela é a correia fundamental.  Debilitam-se os golpes híbridos, as “Lava Jato” e os “Cadernos” do juiz Bonadio. É preciso ver como as forças progressistas se aproveitam desta crise sem desguarnecer-se. Há polarização, e também um Bolsonaro impune enquanto destrói o Estado nacional. Há crise interior (ao destapar-se o caso Marielle) no seio dos que decidiram governar com a fraude judicial contra Lula; há um Trump obrigado a reconhecer a eleição de Alberto na Argentina, desautorizando seu subalterno Bolsonaro. Mas, o fato é que Lula está preso, apesar de ser a autoridade política máxima do país, atraindo o mundo e dirigindo a nação desde a prisão. A democracia não deve estar presa. A classe média já percebeu? Lula deve ser Livre! É hora do povo brasileiro ver o Chile e a América Latina.

O desafio é grande . O neoliberalismo macrista está colapsando, mas ainda não foi derrotado. É preciso dedicar-se à parte da classe média vacilante. A maioria do povo argentino espera ansiosamente o dia 10 de dezembro e a reativação da economia destruída que responda aos desamparados e excluídos. As forças políticas macristas do “Juntos pela Mudança”, apesar de divididas, estão prontas a dividir e criar empecilhos ao novo governo popular, com o poder midiático intacto e o Judiciário a definir seu papel constitucional. O exemplo de López Obrador, comunicando diariamente suas medidas de governo, em Coletiva de Imprensa via TV, é algo para seguir, sobretudo quando as forças conservadoras estão ávidas para dar golpes. A visita de Alberto ao México, abre portas para um acordo político progressista; para relações econômicas com um mundo multipolar, que não dependam somente do EUA e do Brasil de Bolsonaro; o mundo multipolar inclui a China e a Rússia também. Há grande expectativa e esperança nas medidas de governo que estão por vir. A unidade orgânica e social da Frente de Todos (FdT) junto aos sindicatos e movimentos sociais deverá  ser uma força a ser cultivada nos próximos tempos.

 

Comentários: