21.5 C
Brasília
quinta-feira, 23 maio, 2024

Argélia responde às alegações “falsas” de Marrocos sobre o Sahara Ocidental

NOVA YORK (NAÇÕES UNIDAS) – APS.dz .- A delegação argelina que participou na 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova Iorque (20-23 de Setembro) exerceu na quinta-feira o seu direito de resposta para contrariar as “falsas e enganosas alegações” de Marrocos sobre a questão do Sahara Ocidental.

Na sua declaração, a delegação argelina, que tinha solicitado exercer o seu direito de resposta para refutar as alegações enganosas e sazonais do representante marroquino, numa “tentativa desesperada de explorar todas as oportunidades para divulgar a sua propaganda e mentiras sobre o conflito do Sahara Ocidental”, Em particular, explica que “sobre a natureza jurídica do conflito (no Sahara Ocidental) esta questão era, é e continuará a ser uma questão de descolonização até o povo do Sahara Ocidental exercer o seu direito inalienável à autodeterminação através de um referendo livre e justo”.

Todas as resoluções das Nações Unidas confirmaram este facto desde que o conflito foi inscrito na agenda das Nações Unidas, em conformidade com as resoluções 1514 e 1541 da Assembleia Geral, recorda a delegação argelina.

O texto da declaração da delegação argelina especifica que “estas resoluções também designam claramente as duas partes em conflito: Marrocos e a Frente Polisario, reconhecida internacionalmente como o único representante legítimo do povo do Sahara Ocidental”. Quanto à questão da chamada solução de autonomia imposta como única solução, representa um precedente que ameaça os fundamentos da legitimidade internacional e da Carta das Nações Unidas, e contradiz a doutrina bem estabelecida (das Nações Unidas) no domínio da descolonização”, disse o texto.

Além disso, sobre “o mecanismo ineficaz e improdutivo da mesa redonda, e como de costume, Marrocos, fiel à sua abordagem colonial, explorou este mecanismo numa tentativa desesperada de confundir a natureza do conflito, de contornar a legitimidade internacional e de transformar a natureza deste conflito de uma questão de descolonização para um conflito bilateral”.

Por outro lado, “o acolhimento pela Argélia de refugiados saharauis nos campos de Tindouf, desde 31 de Outubro de 1975, é o resultado da ocupação ilegal do Sahara Ocidental por Marrocos, após a partida da antiga potência colonial”, A delegação argelina recorda que “a Argélia continua convencida de que a questão do recenseamento dos refugiados é uma questão puramente técnica e faz parte integrante de um plano político global no quadro do plano de paz adoptado pelas Nações Unidas em 1990”.

Quanto ao recenseamento, só faz sentido se fizer parte de um referendo justo e livre que vise permitir ao povo do Sahara Ocidental exercer o seu direito inalienável à autodeterminação, em conformidade com a “legalidade internacional”, a delegação argelina prossegue no seu direito de resposta às mentiras de Makhzen, que ocupa ilegalmente este território desde 1975 e contra o direito internacional.

Finalmente, sobre as “falsas alegações e calúnias que Marrocos promove sobre as alegadas relações dos refugiados saharauís com grupos terroristas, este é apenas um novo episódio de uma série miserável destinada a distorcer a luta do povo do Sahara Ocidental, que aspira a exercer o seu direito à autodeterminação como todos os povos do mundo”, observa a mesma declaração.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS