29.5 C
Brasília
sexta-feira, 1 março, 2024

Argélia e Alemanha discutem projetos de hidrogênio verde, gás e energias renováveis

El Moudjahid – A cooperação energética entre a Argélia e a Alemanha prevê um futuro mais brilhante, com grandes projetos em perspectiva. Na verdade, os dois países assinaram uma declaração conjunta de intenções na quinta-feira em Argel, estabelecendo um grupo de trabalho bilateral para o hidrogénio.

O objetivo é reforçar e apoiar investimentos em todos os setores económicos afetados pelo desenvolvimento do hidrogénio. Nas suas observações, o Ministro da Energia e Minas, Mohamed Arkab, anunciou que está a ser preparada a realização de um projeto experimental entre a Argélia e a Alemanha com vista à produção de hidrogénio verde em Arzew. O projeto tem capacidade de 50 megawatts, com uma contribuição do governo alemão de 20 milhões de euros. Para isso, foi iniciado um plano de ação para o desenvolvimento do hidrogénio entre a Argélia e o governo alemão. Ambas as partes não pretendem parar por aí. Seguir-se-ão vários outros projetos para produzir hidrogénio na Argélia e exportá-lo para a Alemanha e a Europa, através do projeto Corredor Sul H2. Com efeito, o projeto diz respeito à construção de um gasoduto para transporte de hidrogénio através do Mar Mediterrâneo, que está atualmente em estudo entre quatro países: Argélia, Alemanha, Áustria, Itália e Tunísia.

Transporte de hidrogénio verde: um segundo gasoduto direto da Argélia para a Europa à vista

Não querendo mais tempo, o Sr. Arkab anunciou que uma primeira reunião seria realizada em breve “entre os ministros envolvidos neste corredor, durante a qual serão tomadas decisões para o desenvolvimento e implementação deste projeto”.

Uma reflexão, sublinha o ministro, “será empreendida para criar um segundo gasoduto direto da Argélia para a Europa para o transporte de hidrogénio verde”. Nada parece impedir a realização deste grande projeto. A criação deste gasoduto de transporte de hidrogénio através do Mar Mediterrâneo, anunciou o ministro, “teve o acordo da Comissão Europeia”.

No entanto, é necessário, observa Arkab, “intensificar os esforços para a realização de estudos técnicos e económicos aprofundados, necessários ao lançamento eficaz da sua implementação, no quadro de uma parceria vantajosa para todos a longo prazo”.

O ministro destacou ainda a vontade da Argélia, que se encontra numa fase de transição energética e necessita deste apoio tecnológico, de beneficiar da tecnologia alemã e do seu progresso nesta área.

Para Arkab, “à luz das tensões geopolíticas e das mudanças estruturais que as políticas de combate ao aquecimento global impõem ao sector energético global, garantir a segurança energética nacional e contribuir para o desenvolvimento económico e social sustentável representa desafios significativos para o mundo. ‘A Argélia para adaptar-se a este novo contexto internacional”. Afirma que “a nossa política energética visa garantir a segurança energética do país a longo prazo como uma prioridade máxima e trabalhar no sentido de alcançar uma transição gradual para um mix energético sustentável no futuro, que depende de todas as fontes de energia disponíveis, em particular o gás natural, considerado um combustível limpo e uma ponte para o alcance do desenvolvimento sustentável, e isto com cada vez mais trabalho.

Hidrogénio verde: um dos objetivos prioritários

Segundo o ministro, tratar-se-á de melhorar a eficiência do consumo de energia, através da conclusão do programa nacional de energias renováveis ​​com capacidade de 15 mil megawatts, dos quais estão a ser lançados 3 mil megawatts. Por outro lado, especifica o Sr. Arkab, “o desenvolvimento do hidrogénio verde é considerado um dos principais objetivos do governo argelino, e estamos convencidos de que o nosso país tem grandes capacidades que lhe permitem ser um grande ator regional nesta área.

A investigação, exploração e produção de materiais e minerais raros “são também áreas importantes da nossa estratégia, incluindo aquelas utilizadas em indústrias chave de muitos dispositivos de alta tecnologia no armazenamento e produção de eletricidade renovável”. No âmbito desta cooperação com a Alemanha, o ministro cita o projeto “TaqatHy”, que visa reforçar as competências técnicas em toda a cadeia de valor das energias renováveis ​​e do hidrogénio, e inclui estudos e workshops especializados, bem como a transferência de conhecimento em áreas básicas áreas técnicas, incluindo aspectos regulatórios e institucionais.

Por sua vez, Robert Habeck, Vice-Chanceler da Alemanha e Ministro Federal da Economia e Clima, afirmou que os dois países acabam de iniciar “uma parceria concreta entre os dois países e pretendem promover a cooperação no domínio das energias renováveis. O seu país, sustenta, “precisa trabalhar com a Argélia e procura desenvolver oportunidades para fazer investimentos conjuntos em diversas áreas económicas, nomeadamente nas energias renováveis ​​e no fornecimento de gás”.

Em termos de energias renováveis, o Vice-Chanceler da Alemanha falou sobre a necessidade de construir “uma nova infraestrutura comum, e de criar novas oportunidades para a produção de energias renováveis ​​e a transformação desta energia em hidrogénio verde”.

Para Habeck, a Argélia constitui “um parceiro privilegiado para a Alemanha e para a Europa, graças ao seu excelente potencial e às suas importantes infraestruturas, como os gasodutos de transporte de gás natural que atravessam o Mar Mediterrâneo”. Continuando, o mesmo responsável sublinha que a visita a Argel tem vários objetivos. Trata-se de “fortalecer a parceria entre os dois países em diversas áreas e criar mais oportunidades para desenvolver projetos de investimento, mas também para organizar programas de intercâmbio e formação, para impulsionar a cooperação bilateral, de acordo com os compromissos, políticas e objetivos traçados”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS