21.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Argel, Capital da reconciliação dos movimentos palestinos

Por: Mohamed Sofiane Berrah, Embaixador da Argélia no Chile

Por iniciativa do presidente argelino Abdelmadjid Tebboune, Argel desde julho de 2022 sediou rodadas de negociações entre movimentos palestinos, incluindo Hamas e Al Fatah.

Este processo federativo, supervisionado e acolhido pela Argélia, foi concluído na quinta-feira, 13 de outubro, com a assinatura da “Declaração de Argel”, que põe fim a mais de 15 anos de divisão que enfraqueceu a causa palestina e prolongou o sofrimento de o povo palestino nos territórios ocupados e na diáspora.

Trata-se de um contributo concreto da Argélia para a unidade árabe às vésperas da 31.ª cimeira da Liga Árabe que se realizará em Argel no início de Novembro, data marcadamente simbólica que coincide com a celebração do 68.º aniversário do início da gloriosa guerra de libertação da Argélia em 1 de novembro de 1954.

A escolha do local onde foi assinada a Declaração de Argel não foi por acaso. É de Argel que o falecido presidente palestino, Yasser Arafat, proclamou a criação do Estado da Palestina em 15 de novembro de 1988. A Argélia foi então o primeiro país do mundo a reconhecer este Estado, com o qual estabeleceu oficialmente relações diplomáticas plenas em 18 de novembro de 1988.

E foi novamente em Argel, 34 anos depois, que a unidade das fileiras palestinas foi selada solenemente através de um acordo histórico assinado pelas facções palestinas, sob o nome de “Declaração de Argel”.

Um dia “memorável” para a unificação das fileiras palestinas

A “Declaração de Argel”, assinada por 14 movimentos palestinos sob os auspícios do presidente Abdelmadjid Tebboune, constitui uma plataforma sólida para a realização da unidade nacional palestina e restabelece o papel central da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e suas instituições afiliadas como legítimas e únicos representantes do povo palestino.

Esta é a consagração da iniciativa do presidente Abdelmadjid Tebboune, após consultar o presidente da Organização para a Libertação da Palestina, Mahmoud Abbas, durante sua visita a Argel em dezembro de 2021.

A declaração prevê a realização de eleições presidenciais e legislativas dentro de um ano nos territórios palestinos, focando em “objetivos nacionais”, a saber, “o direito de retorno dos refugiados e o estabelecimento de um estado palestino independente”.

Este documento crucial sublinha a importância da unidade palestiniana como base da resistência contra a ocupação israelita e prevê a unificação das instituições palestinianas, bem como o envio de recursos para projectos de reconstrução, sublinhando a importância de tomar medidas concretas para assegurar que a reconciliação realmente ocorre.

A declaração inclui várias disposições operacionais, como a criação de um grupo de trabalho para monitorar a aplicação das disposições do acordo. Simbolicamente, os signatários concordaram em realizar a primeira sessão do próximo Conselho Nacional Palestino (Parlamento) em Argel.

O documento é também uma afirmação da importância da unidade palestina como base de qualquer resistência à ocupação israelense e como única alternativa após anos de divisão, mal-entendidos e disputas.

O presidente argelino Abdelmadjid Tebboune disse, durante a cerimônia de assinatura da “Declaração de Argel”, que este ato é um dia memorável para a unificação das fileiras palestinas aguardando “a efetiva realização da construção do Estado Palestino independente com El Quds como capital ”.

A causa palestina: prioridade da Cúpula da Liga Árabe em Argel

O ministro argelino das Relações Exteriores e da Comunidade Nacional no Exterior, Ramtane Lamamra, afirmou durante a cerimônia de assinatura da “Declaração de Argel” que o que foi alcançado para a reconciliação palestina terá um impacto positivo nos trabalhos da Cúpula das Nações Árabes League, que acontecerá nos dias 1 e 2 de novembro de 2022. “A reconciliação palestina está ligada à Cúpula Árabe, pois é o barômetro da capacidade dos árabes de se unirem, ressaltando que a Palestina continuará sendo uma causa nobre em todo o mundo. que devem se unir, esquecer suas diferenças e discutir questões de cooperação em vários campos.

Além disso, o chefe da diplomacia argelina destacou o compromisso da Argélia com a iniciativa de paz árabe de 2002, acrescentando que “o que importa para a Argélia no momento é o apoio à unidade e reunificação árabes.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS