23.5 C
Brasília
terça-feira, 16 abril, 2024

Após leve flerte, Coreia do Norte volta atrás e rejeita cúpula com Japão: ‘Não mudam sua história’

© AFP 2023 / Seongjoon Cho

Sputnik- Em fevereiro em um raro comunicado, a irmã do líder afirmou que não havia razões para a Coreia do Norte e o Japão não se aproximarem. Após movimento japonês feito nesta semana, Pyongyang interpretou o contato como uma busca por “popularidade”.

Nesta terça-feira (26), Kim Yo-jong rejeitou a ideia de uma cúpula com o Japão, dizendo que uma reunião não pode ser realizada porque Tóquio “não tem coragem de mudar sua história“.
“O Japão não tem coragem de mudar a história, promover a paz e a estabilidade regional e dar o primeiro passo para as novas relações Coreia do Norte-Japão”, disse ela, acrescentando que uma reunião entre os líderes dos dois países “não era, portanto, uma questão de preocupação para Pyongyang”.
As declarações da irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un acontecem um dia após o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida comunicar sua intenção de se encontrar com Kim “o mais rapidamente possível”, segundo o The Japan Times.
O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan (C), participa de uma coletiva de imprensa conjunta com o conselheiro de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Cho Tae-yong (D), e o secretário-geral da Secretaria de Segurança Nacional do Japão, Takeo Akiba (E), no gabinete presidencial. Seul, 9 de dezembro de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 19.12.2023

Panorama internacional

EUA, Japão e Seul lançam sistema para rastrear mísseis da Coreia do Norte em tempo real

Kishida disse estar aberto a uma reunião com o objetivo de resolver a questão de longa data dos japoneses raptados pela Coreia do Norte.
O principal porta-voz do governo japonês, Yoshimasa Hayashi, disse na segunda-feira (25) que Tóquio não pode aceitar a afirmação de Pyongyang de que a questão do sequestro seja resolvida, acrescentando que não há mudança na política para “alcançar uma resolução abrangente para os problemas de sequestro, mísseis e nuclear“.
No mês passado, Kim Yo-jong acenou com a perspectiva de uma visita de Kishida a Pyongyang – embora isso incluísse a advertência de que o Japão removesse “obstáculos” no relacionamento, incluindo o que ela disse ser a questão dos sequestros “já resolvida”.
Irmã do líder norte-coreano Kim Yo-jong com ramo de flores durante cerimônia no Palácio Presidencial (foto do arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 17.02.2024

Panorama internacional

Mídia: convite de irmã de Kim Jong-un a premiê japonês visa abalar relações Japão-EUA-Coreia do Sul

Ontem (25), ela reiterou esta posição, dizendo que se o Japão permanecesse “absorvido na questão dos raptos que não tem mais solução”, o contato de Kishida com Pyongyang seria visto como pouco mais do que “uma tentativa de popularidade“.

“O governo da Coreia do Norte compreendeu claramente mais uma vez a atitude do Japão e, consequentemente, o lado norte-coreano não prestará atenção e rejeitará qualquer contato e negociações com o lado japonês”, afirmou Kim Yo-jong.

A questão dos sequestros remonta às décadas de 1970 e 1980. Tóquio suspeita que nessa época, Pyongyang foi responsável por dezenas de desaparecimentos de cidadãos japoneses com o intuito de os formarem como seus espiões.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS