20.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Apartheid de gênero: o alerta da ONU para meninas afegãs

Nações Unidas, 16 de agosto (Prensa Latina) O profundo risco enfrentado por mulheres e meninas no Afeganistão hoje acende os alarmes das organizações das Nações Unidas e do mundo após dois anos de domínio do Talibã.

Um relatório recente de especialistas da ONU assegura que a restrição sistemática dos direitos humanos neste setor pode ser classificada como “apartheid de gênero” e perseguição, razão pela qual exorta a comunidade internacional a não ficar de braços cruzados.

A condição das mulheres e meninas lá é “a pior do mundo”, segundo o relator.

Em resposta, as Nações Unidas apontaram a responsabilidade do governo de fato e pediram a restituição das garantias que prometeram manter.

Nesse sentido, o chefe da organização multilateral, António Guterres, lembrou que o país tem direito a um futuro pacífico e o regime talibã tem a obrigação de o garantir.

“Não podemos esquecer o povo do Afeganistão, devemos ampliar suas vozes na luta por seus direitos à educação e ao trabalho”, enfatizou a secretária-geral adjunta, Amina J. Mohammed.

O Talibã não deixou intacto nenhum aspecto da vida das mulheres, nenhuma liberdade, também assegurou Sima Bahous, chefe da ONU Mulheres.

Essa entidade convocou todos os atores a se unirem para apoiar os afegãos de todas as formas, em particular, para financiar os serviços de que precisam desesperadamente.

Os especialistas da ONU apelaram à comunidade internacional para garantir que o envolvimento político com todos os interlocutores afegãos se concentre nas garantias fundamentais.

Além disso, eles exigiram que o status de refugiado seja concedido a todos os afegãos devido às privações a que são submetidos.

A ascensão ao poder do Talibã resultou em “uma anulação contínua, sistemática e escandalosa de uma infinidade de direitos humanos, incluindo o direito à educação, trabalho e liberdade de expressão, reunião e associação”, declararam.

Na opinião do Enviado Especial das Nações Unidas para a Educação Global, Gordon Brown, o mundo deve ouvir este apelo comovente dos corações das jovens afegãs e mobilizar-se com renovada força de propósito para condenar a violação dos seus direitos.

Este setor vive um sistema de segregação e perseguição onde, por exemplo, as meninas são expostas a punições como a proibição de trabalhar ou de ir à escola se tiverem mais de 10 anos em várias províncias do país.

Outros relatórios levantam alarmes ao descrever práticas como execuções sumárias e atos equivalentes a desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias generalizadas, tortura e maus-tratos e deslocamento.

Com o objetivo de sensibilizar outros atores civis e políticos para esses riscos, o fundo da ONU que garante que as crianças possam continuar aprendendo durante emergências e crises prolongadas, Education Cannot Wait, lançou uma campanha na terça-feira para levantar a voz de mulheres jovens privadas de acesso à educação. .

Com o slogan #AfghanGirlsVoices (vozes de meninas afegãs) a iniciativa vai até 18 de setembro, data do início da proibição escolar oficial para meninas adolescentes.

O projeto inclui uma série de depoimentos inspiradores, comoventes e determinados de meninas afegãs cujas vidas foram abruptamente alteradas pela proibição de estudar, liderada por Somaya Faruqi, ex-capitã da equipe estudantil de robótica do país.

De acordo com os organizadores, o momento de sua implantação elevará as vozes das meninas afegãs ao cenário mundial, já que os líderes se reunirão na Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York para a Cúpula dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, de 18 a 19 de setembro.

O governo talibã comemorou nesta terça-feira o segundo ano de retorno ao poder naquele país do Oriente Médio, após a retirada das tropas dos Estados Unidos e da Otan em 2021.

Embora as próprias autoridades o descrevam como um “retorno à segurança”, a sociedade civil e as organizações internacionais reconhecem a eliminação dos direitos humanos, especialmente contra mulheres e meninas que pagam o preço mais alto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS