14.5 C
Brasília
quinta-feira, 18 julho, 2024

Antonio Maceo Grajales; referência essencial na independência de Cuba.

Por  Héctor Ramírez/Conselheiro da Embaixada de Cuba no Brasil

“Não conheço, General Maceo, um soldado mais valente ou um cubano mais tenaz que o senhor. Nem entenderia que houvesse uma tentativa de fazer – como tantos outros estão agora tentando e tentando fazer – qualquer trabalho sério nos assuntos. de Cuba, na qual você não figurou da forma especial e destacada que seus méritos lhe conferem (…) Mas não considero legal ou poderosa, por mais que a solicitem e apoiem, qualquer manifestação revolucionária que isso aconteça. não leva o assentimento, e é aconselhado e dirigido, dos homens valentes e bons que adquiriram este direito especial com os seus méritos (…) Sei que não te cansas de fazer coisas difíceis. E que o seu julgamento claro não seja ofuscado como o das pessoas vulgares, e abranja toda a magnitude da nossa tarefa e da nossa responsabilidade.”

Assim escreveu José Martí, da cidade de Nova Iorque, em 20 de julho de 1882, ao Tenente General Antonio Maceo Grajales, convocando-o para a nova etapa da luta pela independência: a Guerra necessária.

As referências de Martí, que não era dado a fazer elogios infundados, ilustram grosso modo o valor e o compromisso revolucionário desse grande patriota cubano.

Hoje, 179 anos após o seu nascimento, cubanos e latino-americanos recordam o herói destemido, o soldado impetuoso que se tornou uma lenda nos campos de batalha de Cuba, o homem de extraordinária dimensão humana, o político perspicaz de profunda e elevada intransigência revolucionária, um dos seus legados mais notáveis.

Em Santiago de Cuba nasceu em 14 de junho de 1845 o filho de Marcos Maceo e Mariana Grajales, a estóica mambisa que criou descendentes virtuosos e corajosos. Com base na retidão e na disciplina, na ternura, na bondade e no amor à pátria, foi forjada a família Maceo, cujos membros exalavam coragem como poucos na luta pela independência da nação cubana.

Respeitado como arquiteto no uso de táticas militares e um dos mais avançados discípulos do General Máximo Gómez nos ataques de facão; Combatente de notoriedade e líder de grande prestígio, Antonio tornou-se major-general e tenente do Exército de Libertação e como troféu de guerra seu corpo ficou marcado por 26 cicatrizes, após participar de mais de 600 ações bélicas na campanha de emancipação desde sua incorporação em dezembro. . de 1868. Pela sua força física, integridade e bravura, ficou para a história como o Titã de Bronze e, juntamente com José Martí e Máximo Gómez, faz parte da trilogia de heróis indispensáveis ​​na Guerra da Independência do século XIX.

Seu gênio militar foi consolidado durante a Campanha de Invasão Ocidental, na Guerra da Independência de 1895, feito em que liderou 119 batalhas em pouco mais de um ano e meio e conseguiu derrotar o mais seleto soldado e estratégia empregado pelos espanhóis. colonialismo.

Invencível praticante do facão, sempre se destacou como estrategista e combatente experiente, mas o herói nacional cubano José Martí disse dele: “tinha tanta força na mente quanto no braço. Essa sagacidade política lhe permitiu”. oferecer uma resposta categórica e revolucionária aos que criaram o Pacto de Zanjon, uma tentativa do Império Espanhol de desmobilizar as tropas Mambi sem obter a independência da pátria.

Em resposta, surgiu a intransigência revolucionária de Maceo e em entrevista ao general espanhol Arsenio Martínez Campos, em 15 de março daquele mesmo ano, protagonizou o viril Protesto de Baraguá, “a coisa mais gloriosa da história de Cuba”, ao distinguir José Martí, facto que colocou a dignidade e o decoro nacionais ao mais alto nível, porque Antonio Maceo, à frente das suas tropas, soube levantar-se e adoptar uma posição que salvou moralmente a Revolução e ratificou a decisão e o compromisso com a Revolução. devolver ao campo de batalha as tropas inimigas e não aceitar uma paz sem independência ou a abolição da escravatura. Esse episódio particular da nossa história consolidou o pensamento revolucionário cubano e eternizou a decisão de todo um povo que tem e terá a convicção de não renunciar à sua soberania e de enfrentar e derrotar qualquer ameaça.

Mas não foi o seu único ensinamento, o General Maceo também soube exaltar a dignidade dos cubanos ao afirmar que “A liberdade se conquista com o fio do facão, não se pede; Porque implorar por direitos é típico de covardes incapazes de exercê-los.”

Seus pensamentos, tão profundos e patrióticos quanto seu brilhante histórico de serviço militar, permitiram-lhe dissecar e alertar sobre o perigo que os Estados Unidos representavam para Cuba, ávidos por desejos imperiais e por se expandirem pela América Latina a partir de Cuba. Em carta ao Coronel Federico Pérez Carbó, escreveu em 14 de julho de 1896: “Nunca esperei nada da Espanha; Ele sempre nos desprezou e seria indigno para ele pensar em outra coisa. (…) Também não espero nada dos americanos; devemos confiar tudo aos nossos esforços; É melhor subir ou cair sem a sua ajuda do que contrair dívidas de gratidão para com um vizinho tão poderoso.”

Da mesma forma, foi um lutador determinado contra a discriminação racial dentro das próprias fileiras insurgentes, o que demonstra a sua coerência e convicção dos valores humanos e o reconhecimento de que um feito libertário precisa de todos os seus filhos. Nessa medida, abraço fervorosamente a criação do Partido Revolucionário Cubano (RPC), uma organização fundada por José Martí para unir todos os cubanos no sublime esforço de alcançar a independência numa guerra rápida e fulminante contra a coroa espanhola.

O seu legado, governado por um espírito indomável, enraizou-se nos cubanos que, gerações após gerações, defendem com igual fervor e dedicação a independência e soberania do país e os ideais de justiça social, internacionalismo e anti-imperialismo.

A sua intransigência revolucionária alimenta dia a dia o nosso projecto social e serve de escudo e espada nestes tempos de extrema defesa da nossa Cuba livre, fortalecendo os nossos ideais nacionais de independência e soberania, lembrando-nos que mesmo nas condições mais difíceis, a dignidade e a princípios não são negociados e como destacou nosso Comandante, inspirados justamente no ideal patriótico do Titã de Bronze: “Cuba é e será um eterno Baraguá”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS