19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Antártida, onde o Chile e a Rússia compartilham fronteira

Nesta parte do mundo, as duas nações estão a poucos passos de distância: tão próximas que uma não pode viver sem a ajuda da outra.

Vila das Estrelas, um dos poucos povoados civis que existem na Antártida, faz fronteira com a base de Bellingshausen, o maior enclave da Rússia no continente gelado. A infraestrutura que o Chile possui na área é fundamental para o desenvolvimento do trabalho científico de todos os países ali presentes. Muito perto de Vila das Estrelas encontra-se o aeródromo Teniente Rodolfo Marsh Martin, o único não feito de gelo em toda a Antártida – o que é fundamental para a população da Ilha do Rei George, que, apesar do nome, abriga soldados e cientistas de diferentes países, acompanhados de suas famílias.

La base rusa Bellingshausen.

A base russa Bellingshausen está localizada a apenas 100 metros da chilena Presidente Eduardo Frei Montalva. Fundada em 1968, a estação recebeu o nome de Faddei Bellingshausen (como era conhecido Fabian Gottlieb von Bellingshausen), o almirante da Marinha do tsar Aleksandr 1º que liderou a primeira expedição polar russa entre 1819 e 1821.

Bellingshausen à noite

Um templo no meio da Antártida

Em janeiro de 1820, Bellingshausen descobriu a Antártida e, depois de percorrer todo o continente, confirmou a existência de 29 ilhas, até então desconhecidas.

Igreja da Santa Trindade

No entanto, além de sua inegável importância geopolítica e científica, a base russa também se destaca por ser o primeiro lugar da Antártida a ter uma igreja. Após a queda da União Soviética, muitas estações antárticas começaram a fechar devido à falta de financiamento, e o destino da Bellingshausen era incerto.

Base russa Bellingshausen

Naquela época, o responsável pela base, Oleg Sakharov, decidiu construir uma igreja no local. “A ideia era fazer barulho na mídia, conectar as autoridades religiosas com o assunto e assim não seria mais tão fácil fechar a estação”, explica Vladímir Petrakov, atual presidente da Fundação Antártica, que passou longos períodos nesta base.

Base russa Bellingshausen

O plano foi bem sucedido. O Santo Patriarca Aleixo 2º deu sua bênção ao projeto, e o financiamento surgiu rapidamente graças ao diretor de uma companhia aérea que realizava voos para a Antártida e à participação de empresários que forneceram maquinário pesado.

Interior da Igreja da Santa Trindade

A igreja foi construída em partes na cidade siberiana de Barnaul. Para a preparação e escultura das peças, foi usada madeira de cedro e larício especialmente tratadas por um ano na Rússia. As peças foram então transportadas em caminhões até as costas do Báltico e de lá enviadas para a Ilha do Rei George. Oito pessoas terminaram de montar o templo em solo.

Base russa Vostok

Devido às condições climáticas e ao nível de complexidade da obra, pode-se considerar que a construção foi um milagre humano. A igreja da Santa Trindade tem 15 metros de altura e capacidade para 30 pessoas.

Coexistência pacífica

No continente distante, a geografia dá origem a fenômenos extraordinários também na política. Nessa imensa barreira de gelo, de 14 milhões de quilômetros quadrados, há bases de países tão diversos quanto Bélgica, Noruega, África do Sul, Chile, Argentina, Reino Unido, Estados Unidos e Japão. Moscou mantém sete bases na Antártida.

A estação Mirni, fundada na década de 1950 durante a primeira expedição antártica da URSS, está localizada na costa do Mar de Davis, na Terra da Rainha Maria, e é considerada a principal base do continente gelado. Nos tempos soviéticos, abrigava mais de 150 pesquisadores, embora ultimamente não vivam mais de 20 pessoas.

A base russa mais conhecida, Vostok, fundada em 1957, encontra-se a 1.410 quilômetros da Mirni. Ali foi registrada uma das temperaturas mais baixas da história (em 1983, o termômetro marcou 89,2 graus negativos). O centro também ganhou as manchetes em 2012, quando um grupo de exploradores russos da base descobriu um grande volume subterrâneo de água doce congelada, o lago Vostok, que permaneceu intocado por 15 milhões de anos. Como suas águas são mais antigas que o próprio ser humano, acredita-se que o seu conhecimento seja fundamental para compreender a história do planeta.

Base russa Vostok

Provavelmente, a base russa mais curiosa é chamada Polo, e é quase inacessível. Está localizada em uma ponto homônimo na Antártida, a uma grande distância de qualquer local de acesso. Embora tenha funcionado apenas por duas semanas em 1958, traz um busto de Lênin no seu topo – o monumento, porém, afundou muito tempo devido a nevascas.

 

https://br.rbth.com/ciencia/86653-antartica-onde-o-chile-russia-compartilham-fronteira

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS