19.5 C
Brasília
quarta-feira, 29 maio, 2024

Analistas: confisco de ativos russos pelos EUA vai ‘alimentar ainda mais’ a ideia de desdolarização

© AP Photo / Tsering Topgyal

Sputnik – No sábado (20), a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou a lei REPO (lei de reintegração de posse) que permite ao presidente dos EUA, Joe Biden, confiscar cerca de US$ 6 bilhões em ativos russos congelados em bancos dos EUA e enviá-los para a Ucrânia.

A disposição faz parte de um pacote de leis que também inclui mais de US$ 95 bilhões (cerca de R$ 493,6 bilhões) em ajuda à Ucrânia, Israel e ao Indo-Pacífico, bem como a potencial proibição do TikTok pelo presidente norte-americano Joe Biden. Embora os US$ 6 bilhões (aproximadamente R$ 31,1 bilhões) representem apenas uma fração dos mais de US$ 300 bilhões (mais de R$ 1,5 trilhão) em ativos russos congelados pelos países do G7 (grupo composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) em 2022, a maior parte desse dinheiro é mantida na Europa e os legisladores dos EUA esperam que isso incentive os legisladores europeus a fazerem o mesmo.
“Estamos fazendo bons progressos na forma de acessar esses fundos em uma base acordada que penso que podemos levar adiante no G7”, disse aos jornalistas o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron, cujo governo já se manifestou a favor da apreensão de ativos russos no início deste mês.
A decisão de confiscar bens russos e fornecê-los à Ucrânia representa uma grande escalada na guerra de sanções do Ocidente contra a Rússia. No entanto, a medida é pouco sensata por parte dos EUA porque vai acelerar a desdolarização global, o que eliminará uma das ferramentas mais poderosas que os EUA possuem.
O vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, durante reunião ministerial do Conselho de Comércio e Tecnologia (TTC, na sigla em inglês), em 5 de dezembro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 18.04.2024

Panorama internacional

G7 pretende usar ativos russos congelados como garantia para empréstimos à Ucrânia, diz UE

“Isso está alimentando ainda mais a necessidade de desdolarização por parte de países terceiros. Seja a Rússia, seja a China – seja qualquer outro, incluindo qualquer país do G7 que possa apoiar marginalmente os Estados Unidos. Isto é pura e simples chantagem econômica“, disse Paul Goncharoff, diretor-geral da empresa de consultoria Goncharoff LLC à Sputnik. “Será que estou investindo em algo que poderá ser confiscado ou congelado? Portanto, a falta de controle [por parte dos proprietários] sobre os ativos não é uma boa base para qualquer moeda”, afirmou.
“Portanto, isso apenas estimula a desdolarização. E isso não é bom, especialmente quando se tem uma América [do Norte] que está habituada a viver com dívidas cada vez maiores, contraídas por pessoas que depositam confiança e compram títulos do Tesouro e obrigações”, acrescentou Goncharoff.
O estatuto dos EUA como a maior reserva do mundo lhes permite evitar os efeitos inflacionistas de suas despesas, especialmente as despesas militares. Em 1984, enquanto os EUA aumentavam os seus gastos militares sob o governo do ex-presidente Ronald Reagan, os economistas estudaram os efeitos inflacionários dos gastos militares examinando as despesas militares de quatro países nas décadas de 1950 e 1960, determinando que os gastos militares aumentam a inflação, a menos que sejam compensados pela folga na economia doméstica, ou para nações com uma moeda de reserva global, pela folga da economia global.

“Os EUA usaram o estatuto de moeda-chave do dólar para exportar a sua inflação, registando [um] déficit na balança de pagamentos nas décadas de 1950 e 1960”, escreveram. “Embora os EUA tenham tido, de longe, os gastos com defesa mais elevados em percentual do Produto Interno Bruto [PIB] de todos os países em estudo, a posição especial do dólar pode ter permitido aos EUA não só utilizarem a lentidão em sua própria economia para absorver possíveis efeitos inflacionistas de gastos com defesa, mas também aproveitar a folga na economia mundial.”

Dois outros países incluídos no estudo, a Alemanha Ocidental e a França, registaram uma inflação elevada, enquanto o Reino Unido, cuja libra esterlina ainda era amplamente utilizada como moeda de reserva na época, também não registou uma inflação elevada.
Forças de segurança com manifestantes em frente ao Banco Central do Iraque, em meio à desvalorização do dinar do país frente ao dólar dos EUA. Bagdá, Iraque, 5 de outubro de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 05.02.2024

Panorama internacional

Comitê no Iraque sugere desdolarização após visita do Tesouro dos EUA que restringiu acesso à moeda

Em um artigo de opinião para o The New York Times, o colunista Christopher Caldwell concordou: “Se a Rússia, a China e outros rivais diplomáticos decidirem que seus ativos em dólar são vulneráveis e que não podem mais confiar no dólar como meio de troca, vamos sentir a dor desses US$ 34 trilhões [cerca de R$ 176,6 trilhões] em dívida de uma forma que não sentimos agora”.

A decisão “mina seriamente a imagem e a credibilidade do Ocidente”, disse à Sputnik Lev Sokolschik, pesquisador do Centro de Estudos Europeus e Internacionais Abrangentes da Escola Superior de Economia. “Se, por exemplo, um país seguir uma política independente dos EUA, os seus bens podem estar em risco: podem ser congelados e finalmente confiscados.”

Sokolschik observou que a Arábia Saudita, que é parcialmente responsável pelo domínio global do dólar norte-americano devido à criação do petrodólar, está aumentando a sua colaboração com a China, a Rússia e outras nações do BRICS. Já em 2022, a Arábia Saudita e a China mantiveram conversações sobre a liquidação das vendas de petróleo à China em yuan chinês, em vez de dólares norte-americanos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS