19.5 C
Brasília
domingo, 3 março, 2024

América Latina e Caribe: Pratos vazios em um continente rico

Berna, Suíça (Prensa Latina) As coisas não vão bem no mundo, e a América Latina e o Caribe não são exceção: a fome atinge ainda mais forte do que antes da pandemia. As desigualdades persistentes na região têm um impacto significativo na insegurança alimentar dos mais vulneráveis.

Sergio Ferrari*

Mais de 42 milhões de habitantes da América Latina e do Caribe sofrem de fome. Isto representa 6,5% da sua população total de 662 milhões. Aí o otimismo não transborda já que a fome hoje é maior do que na fase pré-Covid 19. Com o agravante de que 248 milhões sofrem de insegurança alimentar e uma em cada cinco pessoas não consegue consumir uma alimentação verdadeiramente equilibrada e saudável. Hoje, em todo o mundo, quase uma em cada dez pessoas sofre de fome.

Esta constatação é preocupante: embora tenham sido feitos alguns progressos no continente entre 2021 e 2022 em termos de redução da fome e da insegurança alimentar, esses avanços estão longe dos objectivos do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável número 2 para 2030: eliminá-la definitivamente.

Esta é a conclusão do Relatório América Latina e Caribe – Panorama Regional de Segurança Alimentar e Nutricional-2023 elaborado por diversas agências das Nações Unidas: FAO (alimentação e agricultura), UNICEF (infância), FIDA (desenvolvimento agrícola), OPAS/OMS (saúde) e o Programa Alimentar Mundial, publicado na primeira semana de Novembro. ( https://www.fao.org/documents/card/es/c/cc8514es ).

A FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) desempenhou um papel central na preparação deste relatório e o seu chamado “indicador de prevalência da subnutrição” (isto é, termómetro da fome) é derivado de dados nacionais sobre o abastecimento e consumo de alimentos, bem como bem como as necessidades energéticas da população, tendo em conta a idade, o sexo e os níveis de atividade física. Este indicador foi concebido para identificar um estado crónico de privação energética, ou seja, sem considerar os efeitos efémeros das crises temporárias.

Entre 2021 e 2022 na América do Sul, o número de pessoas famintas diminuiu 3,5 milhões. No entanto, o número de pessoas subnutridas aumentou seis milhões em comparação com os números anteriores à pandemia. Em 2022, mais de nove milhões de pessoas na América Central sofreram com a fome. Enquanto isso, no Caribe, sete milhões e 200 mil sofreram esta realidade extrema. Foram 700 mil a mais que em 2021 e o Haiti registrou a maior incidência. Quase um em cada dois haitianos sofre hoje por causa deste flagelo.

Insegurança alimentar

O relatório da ONU observa que a insegurança alimentar – tanto moderada como grave – na região era muito superior à estimativa média global, que cobre 29,6 por cento da sua população total. Com efeito, em 2022, 37,5 por cento dos habitantes da América Latina e das Caraíbas foram afetados por esta condição. Em números absolutos, 248 milhões de pessoas foram obrigadas a reduzir a qualidade ou a quantidade dos seus alimentos (insegurança alimentar moderada) e, no caso mais extremo, passaram vários dias sem comer, o que colocou em sério risco a sua saúde e bem-estar ( insegurança alimentar grave). Em 2022, na América do Sul, 36,4% da população sofria desta condição. Na Mesoamérica, 34,5% e no Caribe, 60,6%.

Por outro lado, a insegurança alimentar em qualquer uma das suas duas formas continua a afectar mais as mulheres do que os homens e tem um impacto 8% maior nas zonas rurais do que nas zonas urbanas.

A dieta saudável mais cara do mundo

A América Latina e o Caribe constituem a região do mundo onde uma alimentação saudável custa mais do que qualquer outra no planeta.

Entre 2020 e 2021, o custo de uma dieta saudável naquela região aumentou 5,3% devido à inflação alimentar impulsionada por confinamentos pandémicos, perturbações na cadeia de abastecimento global e escassez de recursos humanos. Havia mais de 133 milhões de pessoas que não tinham condições de pagar uma alimentação saudável: um aumento de mais de 11 milhões em relação a 2020.

O indicador de uma alimentação saudável consiste basicamente no preço de compra dos alimentos mais baratos e disponíveis localmente, necessários para cobrir 2.330 calorias por dia.

Atualmente, naquela região essa mesma dieta custa em média US$ 4,08 por pessoa por dia. Tecnicamente identificado como Paridade de Poder de Compra (PPC), o custo da dieta na América Latina e no Caribe está bem acima da PPC global de US$ 3,66. É seguido pela Ásia (US$ 3,90 PPC); África $3,57 PPC); América do Norte e Europa (3,22 dólares PPC) e finalmente Oceania (3,20 dólares PPC).

Perspectivas incertas

O Relatório indica que a região enfrenta um cenário complexo devido a uma série de crises sucessivas: a pandemia de Covid-19, as desigualdades persistentes, os níveis de pobreza, a crise climática e os efeitos do conflito Rússia-Ucrânia. Factores que contribuíram para o aumento dos preços dos alimentos e para a inflação alimentar e, consequentemente, ameaçaram o funcionamento, a eficiência e a resiliência dos sistemas agroalimentares.

Neste contexto, conclui o Relatório, a fome e a desnutrição continuam a estar entre os principais desafios da região, e nem a América Latina nem o Caribe estão no caminho certo para alcançar as metas que a Assembleia Mundial da Saúde propôs em relação à fome. insegurança e desnutrição.

“A América Latina e as Caraíbas”, salienta o Relatório, “enfrentam um problema complexo de subnutrição que abrange tanto a subnutrição (retardo de crescimento, definhamento infantil e deficiências de vitaminas e minerais) como o excesso de peso e a obesidade”. Prova disso é o aumento do excesso de peso que a região registou entre 2000 e 2022 em rapazes e raparigas com menos de cinco anos de idade, bem como a obesidade entre adultos de 2000 a 2016. Ambas as tendências excedem as taxas globais médias e em vários países ainda são confirma um nível muito elevado de atraso no crescimento em rapazes e raparigas com menos de cinco anos de idade.

Segundo as Nações Unidas, a capacidade da região como produtora de alimentos é e continuará a ser um pilar essencial, até mesmo para contribuir para a segurança alimentar global. Por esta razão, é necessário melhorar o acesso a alimentos nutritivos e colmatar o fosso entre os países, com especial atenção para os grupos mais vulneráveis. E conclui que, no contexto atual, é imperativo avançar para a transformação dos sistemas agroalimentares em coordenação com o fortalecimento dos sistemas de saúde e de proteção social, e com ações abrangentes e abordagens sistémicas e multissetoriais. Especificamente, “é crucial dar prioridade ao desenvolvimento de cadeias de valor sustentáveis ​​que promovam a nutrição, impulsionem os mercados e o comércio agroalimentar, regulem a promoção e publicidade alimentar e encorajem o desenvolvimento de ambientes alimentares saudáveis”.

Numerosas instituições e organizações regionais uniram forças para alcançar a segurança alimentar e uma melhor nutrição. O Relatório destaca o trabalho conjunto de diversas agências especializadas que estão acompanhando o que foi proposto pela Cúpula das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares; o processo de atualização do Plano de Segurança Alimentar e Nutricional e Erradicação da Fome 2024-2030 da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC https://celacinternational.org/ ) e o trabalho da Frente Parlamentar contra a Fome na América Latina e Caribe ( http://parlamentarioscontraelhambre.org/ ), entre outros.

Apesar dos números preocupantes, as sugestões do Relatório destas agências das Nações Unidas flutuam na superficialidade, permanecem nas generalidades e não correm o risco de incorporar a reflexão e as propostas alternativas dos principais movimentos camponeses do continente. Por ocasião do Dia Internacional de Outubro passado, La Vía Campesina – a maior organização rural do mundo com forte presença na América Latina e nas Caraíbas – apresentou o seu próprio diagnóstico da situação alimentar mundial.

“Vivemos um cenário de monopolização generalizada de todos os elos dos sistemas alimentares”, afirma a organização. E explica: “monopolizam a nossa produção agrícola, as sementes, as terras, os territórios; “Eles violam os nossos direitos dos camponeses ao rendimento e a uma vida digna, ao protesto e à autonomia do nosso povo”.

Esta crise alimentar sem precedentes, segundo La Vía Campesina, está interligada com a crise climática, as guerras, a corrupção, o controlo dos meios de comunicação, o racismo institucional e o neofascismo, enquanto o campesinato continua a ser criminalizado e os seus meios de vida e subsistência tomados.

Finalmente, a Via Campesina reitera e reivindica os seus compromissos históricos essenciais como única alternativa alimentar à fome no mundo: a luta contra o modelo do agronegócio (grande produção monopolista da agricultura) e a promoção da verdadeira soberania alimentar.

*Jornalista argentino residente na Suíça

ÚLTIMAS NOTÍCIAS