24.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Alice Herz: cultivar a alegria no meio da desgraça

José Bessa Freire

“Quando a música toca, a gente dança. Onde há música, o espírito é capaz de dançar mesmo debaixo da forca com a corda no pescoço” (Chris While – Julie Matthews. Dancing under the gallows. 2014).

Como reagir diante das desgraças pessoais e coletivas? No caso do Brasil, as tragédias no governo do Coiso, o descaso com a covid-19 responsável por mortes, muitas delas evitáveis, de mais de 700 mil brasileiros incluindo entes queridos, a desigualdade social, a miséria, a fome, os assassinatos sistemáticos de quilombolas, indígenas, crianças negras, mães bernadetes e marielles, que nos deixam impotentes. É possível ser feliz no meio de tantos males quase sempre irreversíveis e irreparáveis?

Essa questão é discutida em outro contexto histórico no curta-metragem “A Senhora do Apartamento 6: a música salvou minha vida”, de 39 minutos, exibido no Canal Arte 1, na quarta (9/8).  Duas irmãs judias, Alice e Mariana, nascidas em Praga, em 1903, enfrentaram de f0rma diferente a dor e o desalento provocados pela brutalidade da guerra e pela perseguição nazista: a perda do pai, da mãe, da maior parte de sua família, dos amigos, todos vítimas do Holocausto.

Mariana não suportou tanto sofrimento desde quando Hitler ocupou a Checoslováquia, em março de 1939, e obrigou os judeus a usarem a estrela amarela. Discriminada e banida dos espaços públicos, ela mergulhou na mais profunda depressão. Tomada pelo desespero, morreu relativamente jovem.

Alice, pianista, ciscou migalhas de alegria no campo de concentração de Terezin para onde foi deportada com seu filho de 5 anos e seu marido e, no meio das atribulações, lutou contra as adversidades com o escudo do bom humor durante toda a sua longa existência. Morreu aos 110 anos nos deixando lições de vida.

O mundo da música

Alice e Mariana eram irmãs gêmeas, tiveram a mesma mãe, o mesmo pai, a mesma educação, mas formas diferentes de enfrentar a dor e o desalento. Mariana, apesar de talentosa, encarava sempre com pessimismo os dissabores e se deixava aprisionar pela melancolia.

– Eu sou o contrário dela. Não permito que a realidade exterior me adoeça. Diante do sofrimento, procuro ver o lado bom e belo da vida, que sempre existe. Depende de mim, a felicidade. De mim, não do que a vida me impõe. Exclusivamente de mim – diz Alice, que se refugiou na música, responsável por manter o seu equilíbrio psicológico e permitir que cultivasse a esperança nos momentos mais sombrios, impedindo que perdesse o sentido da existência.

No documentário, é possível ver como a música nos enleva, nos ajuda a gerir a dor, age diretamente sobre o nosso ritmo, as pulsações cardíacas, a pressão sanguínea, o sistema nervoso e cognitivo, a produção de endorfina. A música é emoção em estado puro. “Music is my God” – ela diz, assegurando que somos transportados para outro mundo, o mundo da música, melhor do que aquele em que vivemos.

Alice deu muitos concertos em salas de musica, depois no gueto onde ficou reclusa e no campo de concentração, onde lhe foi permitido tocar piano e ao seu filho cantar ópera infantil, com o objetivo de servir de vitrine para a inspeção da  Cruz Vermelha.“Foi sorte nossa, mesmo assim, centenas de pessoas morriam ao nosso redor todos os dias. Foi uma época muito difícil”.

Seu marido foi executado em câmaras de gás. Ela e seu filho Raphael, sobreviveram e foram libertados pelo Exército Vermelho em 9 de maio de 1945, o último dia da guerra.

Ferramenta de resistência

Alice e o filho tiveram que reaprender a confiar na vida e a deixar os horrores do passado para trás. Ela tratou de educá-lo sem ódio, “porque ódio traz ódio. Eu nunca odiei, nunca, nunca” – ela diz, apesar de condenar com veemência os crimes contra os judeus. Foi residir em Israel, em 1949, onde deu aulas de música, depois mudou para Londres, em 1986, acompanhando o filho músico que morreu em 2001. Ela não esconde a tristeza  ao relatar sua morte, mas acaba agradecendo  à vida, “porque ele morreu subitamente sem sofrer”.

Foi lá, no pequeno apartamento de um quarto, no norte de Londres, onde morava sozinha, que foi entrevistada para o documentário. Sozinha não. Ela e seu piano no qual, para a felicidade dos vizinhos, tocava as obras de Beethoven, Bach e Chopin diariamente das 10h00 às 13h00 até às vésperas de morrer, com pontualidade britânica .

Alice se vacinou contra o peso da idade e as feridas do passado. Sua amiga Anita Lasker, violoncelista de renome mundial e uma das sobreviventes da Orquestra Feminina de Auschwitz, a visitava religiosamente nos fins de semana para brincarem de Scrabble, aquele jogo de palavras cruzadas em um tabuleiro. Anita também dá seu depoimento no documentário: “Nunca me senti como uma vítima, mas como uma observadora”,

As imagens filmadas em 2013, no crepúsculo da vida de Alice, quando ela tinha 109 anos, mostram closes de seu rosto, o brilho dos seus olhos e a explosão de sua risada contagiante. O diretor do documentário, Malcolm Clarke, diz que o que o atraiu em Alice foi o otimismo, o humor, a generosidade e sobretudo a alegria de viver, usando para isso a música como ferramenta de resistência.

Cheia de mundo

Malcolm Clarke recebeu o Óscar de melhor curta-metragem, em 2014, com um discurso emocionado:

– Quando conheci Alice, ela era a imagem do júbilo e do perdão. Para quem não sabe, ela morreu há uma semana. Foi uma mulher que ensinou a todos a serem mais otimistas e mais felizes. Vejam o filme. Tenho certeza de que ela ajudará a todos a serem felizes.

Eu, que já vi três vezes o filme, também tenho certeza disso. É um filme para professores exibirem em sala de aula nesses tempos bicudos. Do alto dos seus 110 anos bem vividos ela diz:

– A vida é bela, extremamente bela. E na velhice, você a valoriza ainda mais.  Quando a gente envelhece, valoriza ainda mais a vida, a gente pensa, a gente cuida, a gente aprecia e é grata por tudo. Por tudo.

A pianista do apartamento 6 foi um dos poucos seres humanos a morrer com tanta vida. Seus restos mortais estavam “llenos de mundo” como no poema de Vallejo sobre o assassinato de Pedro Rojas pelos fascistas na Guerra Civil Espanhola. Sua vida foi celebrada também com a música “Dançar sob a forca” de Chris While e Julie Matthews.

Há quem ache que otimismo de Alice é alienação. Quem é alienada? Mariana, cujo pessimismo a impede de viver? Ou Alice, que não perde a cabeça, mantém intacta sua alma, não deixa que o monstrengo da desgraça e a experiência do terror a desumanize e a faça perder o sentido da vida?

Ver you tube The lady in number 6: music save my life:

https://www.google.com/search?q=Canal+curta+ou+Canal+Arte%3F+The+Lady+in+Number+6%3A+Music+Saved+My+Life&rlz

ÚLTIMAS NOTÍCIAS