19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Afeganistão, dois anos depois dos EUA, a ferida ainda está aberta

Taliban celebra o segundo aniversário da queda de Cabul em uma rua perto da embaixada dos EUA em Cabul, Afeganistão, 15 de agosto de 2023. Foto:: Reuters

A invasão do Afeganistão pelos EUA terminou oficialmente há dois anos, mas os afegãos ainda sofrem e morrem devido aos impactos do pós-guerra.

HispanTV- Esta quarta-feira, 30 de agosto, assinalam-se dois anos desde a retirada precipitada das tropas militares norte-americanas do Afeganistão, após 20 anos e a consequente tomada do poder pelo grupo talibã no país da Ásia Central devastado pela guerra.

Neste contexto, os talibãs declararam esta quinta-feira, 31 de agosto, feriado nacional para celebrar o seu segundo ano no poder e a retirada dos EUA do Afeganistão.

A nação afegã enfrentou mortes e deslocamentos em massa durante as duas décadas de invasão dos EUA e agora tem de lidar com restrições e congelamentos de bens impostos por Washington.

Na verdade, os relatos dos meios de comunicação social afirmam que as sanções brutais impostas pelos Estados Unidos ao Afeganistão estão a levar à redução ou mesmo à suspensão da ajuda médica das organizações internacionais.

De acordo com o Plano de Resposta Humanitária do Afeganistão revisto para 2023, um total de 28,8 milhões de pessoas no Afeganistão necessitam de assistência humanitária imediata, o que representa 70 por cento da população do país.

É vergonhoso que os Estados Unidos não assumam a sua responsabilidade na destruição do Afeganistão e na situação que os afegãos vivem, afirma um analista.

Além disso, os Taliban, apesar de prometerem uma administração mais moderada em comparação com o seu mandato anterior, no final da década de 1990, aplicaram regras duras, proibindo a educação das raparigas após o sexto ano e excluindo as mulheres afegãs da vida pública e da maioria dos empregos, incluindo para não-alunos. organizações governamentais e as Nações Unidas.

Até agora, nenhum país reconheceu oficialmente os talibãs como governantes legítimos do país. As nações da região afirmam que o estabelecimento da paz e da estabilidade no Afeganistão só é possível através da formação de um governo de base ampla no país devastado pela guerra.

No site da Fox News dos EUA, um artigo de opinião revelou que, mesmo contra o conselho de seus próprios conselheiros militares, o presidente Joe Biden dobrou a aposta em um processo apressado para cumprir seu prazo de saída arbitrário, o que resultou no maior desastre de política externa para os Estados Unidos. Estados.

“Depois de dois anos, o impacto devastador da retirada fracassada de Biden do Afeganistão permanece evidente e é sentido no país e no exterior”, dizia a nota.

Segundo um estudo da Universidade Brown, nos EUA, a “guerra ao terror” levada a cabo pelos EUA e pelos seus aliados no Afeganistão, Paquistão, Iraque, Síria e Iémen matou entre 4,5 e 4,6 milhões de pessoas. O número exato permanece incompleto.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS