Brasília, 21 de janeiro de 2022 às 09:09
Selecione o Idioma:

Venezuela

Postado em 09/10/2020 5:55

Adolfo Pérez Esquivel: Venezuela e sua luta pela soberania

.

O argentino Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz – Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Nobel da Paz analisa posição da chancelaria argentina e lastima que país se some à condenação da Venezuela

Adolfo Pérez Esquivel Opera Mundi
|

Há dias em que se acorda mal, é quase um pesadelo, e não é um sonho, é a realidade que te golpeia quando se fica sabendo que o governo argentino votou contra a Venezuela, condenando sua política de direitos humanos, sem uma análise profunda da grave situação que vive o país irmão, baseando-se no informe da Alta Comissária das Nações Unidas Michelle Bachelet, e sem escutar outras vozes.

É um caminho errado e um perigo somar-se ao grupo de governos de direita que acompanham a agressão dos Estados Unidos contra a Venezuela. É preciso manter na memória os ataques dos Estados Unidos contra o governo de Hugo Chávez, com o objetivo de alcançar um golpe de Estado, e a intenção norte-americana de destruir e submeter o governo de Nicolás Maduro.

Vários países europeus títeres da política dos Estados Unidos se somaram e condenaram a Venezuela e reconhecem um personagem em quem o povo venezuelano não votou, Guaidó, violando os direitos soberanos e pretendendo desconhecer as autoridades legítimas eleitas pelo povo.

A decisão do governo argentino de votar contra a Venezuela junto com governos golpistas que violam permanentemente os direitos humanos em seus países, como Chile, Peru, Equador, Brasil, Colômbia, entre outros, evidencia que a chancelaria argentina fez o mesmo que faria o governo Macri. É um grave retrocesso na política latino-americana violar o direito à soberania do povo venezuelano, em vez de apoiar um governo irmão que sempre foi solidário com nosso país.

:: Venezuela rejeita acusações de violação de Direitos Humanos feitas por missão da ONU ::

A embaixadora Alicia Castro apresentou sua renúncia por não compartilhar da decisão da chancelaria argentina em sua condenação à Venezuela. Alicia é uma pessoa que trabalhou pela unidade entre os povos irmãos da Argentina e da Venezuela.

O continente nos mostra a fragilidade das democracias, o Grupo de Lima está constituído por governos de países que seguem as diretivas do governo dos Estados Unidos e que guardam um silêncio cúmplice em relação ao bloqueio contra a Venezuela e as consequências econômicas e políticas que os norte- americanos provocam, num momento em que esses países enfrentam a pandemia da covid-19 e a falta de recursos para atender à população.

:: Em seis anos de bloqueio, Venezuela foi alvo de 150 sanções e 11 tentativas de golpe ::

Esses governos títeres guardam silêncio sobre o bloqueio a Cuba pelos Estados Unidos, por mais de 50 anos. Violam as decisões das Nações Unidas e os direitos do povo cubano.

Guardam silêncio sobre o golpe de Estado na Bolívia, que tem as digitais dos Estados Unidos, sobre a intervenção nos golpes contra Dilma Rousseff, no Brasil, impondo o “lawfare” para impedir que Lula possa apresentar-se como candidato nas eleições.

É lamentável o proceder da chancelaria argentina e nos dói que o país some-se à condenação da Venezuela sem uma análise crítica mais profunda, para que não se perca o caminho da unidade e da liberação dos povos, em vez de submeter-se ao colonialismo que querem impor os Estados Unidos a nós, povos que buscam sua soberania e autodeterminação.

*Adolfo Pérez Esquivel ganhou o Prêmio Nobel da Paz por sua luta contra a violação de Direitos Humanos na ditadura militar argentina (1980).

Comentários: