19.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

A silenciar os cordeiros: Como funciona a propaganda

John Pilger [*]

Na década de 1970, conheci um dos principais propagandistas de Hitler, Leni Riefenstahl, cujos filmes épicos glorificavam os nazis. Aconteceu estar hospedada na mesma pousada no Quénia, onde ela tinha um contrato como fotógrafa, tendo escapado ao destino de outros amigos do Führer.

Ela disse-me que as “mensagens patrióticas” dos seus filmes não dependiam de “ordens” de cima”, mas sobre o que ela chamou de “vazio submisso” do público alemão. E isso incluía as pessoas educadas da burguesia? – perguntei. “Sim, especialmente eles”, disse ela.

Penso nisto quando olho para a propaganda que agora consome as sociedades ocidentais. É claro que somos muito diferentes de Alemanha nos anos 1930. Vivemos em sociedades ditas da informação. Somos globalistas. Nunca estivemos mais cientes, mais em contacto e melhor conectados.

Mas estaremos? Ou vivemos numa sociedade mídiática onde a lavagem cerebral é insidiosa e implacável, e a percepção é filtrada de acordo com as necessidades e mentiras do Estado e do poder corporativo?

Os Estados Unidos dominam o ocidente e os media mundiais. Todas, exceto uma, as dez maiores empresas de media, estão sediadas nos EUA. A Internet e os media sociais – Google, Twitter, Facebook – são fundamentalmente de propriedade e controlo americano.

Durante a minha vida, os Estados Unidos derrubaram ou tentaram derrubar mais de 50 governos, a maioria democracias. Interferiram em eleições democráticas em 30 países. Lançaram bombas sobre pessoas em 30 países, a maioria deles pobres e indefesos. Tentaram o homicídio de líderes de 50 países. Lutaram para reprimir os movimentos de libertação em 20 países.

A extensão e a escala desta carnificina são em grande parte não relatadas e não reconhecidas; os responsáveis continuam a dominar vida política anglo-americana.

Nos anos que antecederam a sua morte, em 2008, o dramaturgo Harold Pinter fez dois discursos extraordinários, que quebraram o silêncio.

“A política externa dos EUA”, disse ele, é “melhor definida da seguinte forma: beije meu traseiro ou eu dou-lhe um pontapé na cabeça. É tão simples e tão tosco como isto. O que há de interessante é que é incrivelmente bem-sucedido. Os EUA possuem as estruturas de desinformação, uso da retórica, distorção da linguagem, que é muito persuasiva, mas na verdade são pacotes de mentiras. É uma muito bem sucedida propaganda. Eles têm o dinheiro, têm a tecnologia, têm todos os meios para saírem impunes, e conseguem-no”.

Cordeiro conformista, cartoon.

Ao aceitar o prémio Nobel Pinter disse o seguinte:   “Os crimes dos Estados Unidos têm sido sistemáticos, constantes, viciosos, sem remorso, mas muito poucas pessoas realmente falaram sobre eles. Tem que se dar o mérito à América. Exerceu uma manipulação bastante cirúrgica do poder em todo o mundo, disfarçada como uma força para o bem universal. É um brilhante, mesmo cômico, altamente bem-sucedido ato de hipnose”.

Pinter era meu amigo e possivelmente o último grande sábio político – antes da dissidência política ter sido assimilada e aburguesada. Perguntei-lhe se a “hipnose” a que se referia era o “vazio submisso” descrito por Leni Riefenstahl. “É a mesma coisa”, respondeu. “Significa que a lavagem cerebral é tão completa que somos programados para engolir pacotes de mentiras. Se nós não reconhecemos a propaganda, podemos aceitá-la como normal e acreditar. Isto é o vazio submisso”.

Nos nossos sistemas de democracia corporativa a guerra é uma necessidade económica, o perfeito casamento de subvenção pública e lucro privado: socialismo para ricos, capitalismo para os pobres. No dia seguinte à ação do 11 de setembro em Nova Iorque, os preços das ações das indústrias bélicas dispararam. O derramamento de sangue estava a chegar, o que é ótimo para negócio.

Hoje, as guerras mais lucrativas têm sua própria marca. São as “guerras para sempre”: Afeganistão, Palestina, Iraque, Líbia, Iémen e agora Ucrânia. Todas são baseadas em pacotes de mentiras.

O Iraque é a mais infame, com suas armas de destruição em massa que não existiram. A destruição da Líbia pela OTAN em 2011 foi justificada por um massacre em Benghazi que não aconteceu. O Afeganistão era uma guerra de vingança pelo 11 de setembro, que nada tinha a ver fazer com o povo do Afeganistão.

Hoje, as notícias do Afeganistão são sobre o mal que os talibãs fazem, mas não sobre o roubo de 7 Bilhões de dólares que o Presidente Biden ordenou, reservas bancárias do país que estão a causar sofrimento generalizado. Recentemente, a Rádio Pública em Washington dedicou duas horas ao Afeganistão – e 30 segundos para seu povo faminto.

Na cimeira de Madrid, em junho, a OTAN, controlada pelos Estados Unidos, adotou um documento de estratégia que militariza o continente europeu e escala a perspectiva de guerra com Rússia e China. Propõe “ações de guerra em múltiplos domínios contra concorrentes com armas nucleares”. Por outras palavras, guerra nuclear.

Disseram: “O alargamento da OTAN foi um êxito histórico”. Li isto incrédulo. Uma medida deste “êxito histórico” é a guerra na Ucrânia, cujas notícias são principalmente não notícias, mas uma ladainha unilateral de política externa agressiva, distorção e omissão. Eu já relatei uma série de guerras e nunca conheci uma propaganda tão generalizada.

Em fevereiro de 2022, a Rússia invadiu a Ucrânia em resposta a quase oito anos de assassinatos e destruição criminosa no Donbass, uma região de língua russa, na sua fronteira. Em 2014, os Estados Unidos patrocinaram um golpe em Kiev que destituiu o presidente democraticamente eleito da Ucrânia, amigo da Rússia, empossando um sucessor que os americanos deixaram bem claro ser o seu homem.

Nos últimos anos, mísseis americanos “defensivos” foram instalados no leste Europa, Polônia, Eslovénia e República Checa, quase certamente dirigidos à Rússia, acompanhados por falsas garantias, desde a “promessa” de James Baker a Gorbachev, em Fevereiro de 1990, de que a Otan nunca se expandiria para além da Alemanha.

A Ucrânia é a linha de frente. A OTAN efetivamente atingiu a própria fronteira russa através da qual o exército de Hitler invadiu a União Soviética em 1941, deixando mais de 23 milhões de mortos no país.

Em dezembro de 2021, a Rússia propôs um plano de segurança de longo alcance para a Europa. Isso foi descartado, ridicularizado ou suprimido nos media ocidentais. Quem leu suas propostas passo a passo? Em 24 de Fevereiro, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy ameaçou desenvolver armas nucleares a menos que os Estados Unidos armassem e protegessem a Ucrânia. Isto foi a gota de água. No mesmo dia, a Rússia invadiu – de acordo com os media ocidentais, um ato infame não provocado. A história, as mentiras, as propostas de paz, os acordos solenes sobre o Donbass em Minsk não contaram para nada.

Em 25 de Abril, o secretário de Estado da Defesa dos EUA, General Lloyd Austin, voou para Kiev e confirmou que o objetivo dos Estados Unidos era destruir a Federação Russa – a palavra que ele usou foi “enfraquer”. Os Estados Unidos tinham conseguido a guerra que queriam, travada por procuração dos EUA, financiando e armando um peão dispensável.

Quase nada disso foi explicado para as audiências ocidentais, com a narrativa de que a invasão da Ucrânia pela Rússia é arbitrária e imperdoável. É crime invadir um país soberano. Não há “mas” – exceto para um país.

Quando começou a atual guerra na Ucrânia? E quem começou? De acordo com a ONU, entre 2014 e 2022, cerca de 14 000 pessoas foram mortas pelo regime de Kiev na guerra civil no Donbass. Muitos dos ataques foram realizados por neonazistas.

Assista a uma reportagem da ITV News de maio de 2014, pelo jornalista veterano James Mates, sobre quem bombardeou a cidade de Mariupol, incluindo os civis, pelo batalhão neonazista ucraniano Azov. No mesmo mês, dezenas de pessoas de língua russa foram queimadas vivas ou sufocadas no prédio de um sindicato em Odessa sitiado por bandidos fascistas e seguidores do colaborador nazi e o fanático antissemita Stephen Bandera. O New York Times chamou estes bandidos de “nacionalistas”.

“A missão histórica de nossa nação neste momento crítico”, disse Andreiy Biletsky. fundador do Batalhão Azov, “é liderar as raças brancas do mundo numa cruzada final pela sobrevivência, uma cruzada contra os Untermenschen (subhumanos), liderados pelos semitas”.

Desde fevereiro, uma campanha de auto-nomeados “monitores de notícias” (principalmente financiado por americanos e britânicos com ligações aos governos) procuraram manter o absurdo de que neonazistas não existem na Ucrânia.

Apagamento, um termo outrora associado aos expurgos de Stalin, tornou-se uma ferramenta de jornalismo mainstream. Em menos de uma década, uma “boa” China foi apagada e uma China “ruim” substituiu-a: passou de fábrica do mundo para um novo Satanás.

Grande parte dessa propaganda tem origem no EUA e é transmitida através de seus procuradores e “think tanks”, como o famigerado Instituto Australiano de Política Estratégica, a voz da indústria armamentista, e pelo zelo de jornalistas como Peter Hartcher, do Sydney Morning Herald, que rotulou os que difundem influência chinesa como “ratos, moscas, mosquitos e pardais” e apelou a que estas “pragas” fossem “erradicadas”.

As notícias sobre a China no ocidente são quase inteiramente sobre as ameaças de Pequim. Apagadas deveriam ser as 400 bases militares americanas que cercam a maior parte da China, um colar que vai da Austrália ao Pacífico e Sudeste Asiático, Japão e Coreia. A ilha japonesa de Okinawa e a ilha coreana de Jeju são como armas carregadas apontadas à queima-roupa ao coração industrial da China. Um funcionário do Pentágono descreveu isso como um “laço”.

A Palestina tem sido objeto de desinformação desde que me lembro. Para a BBC, há o “conflito” de “duas narrativas”. A ocupação militar mais longa, mais brutal e sem lei dos tempos modernos não é mencionada. O desafortunado povo do Iémen mal existe. Para os media são um não-povo. Enquanto os sauditas despejam bombas de fragmentação dos EUA e conselheiros britânicos trabalham ao lado de oficiais sauditas, mais de meio milhão de crianças enfrentam a fome.

Essa lavagem cerebral por omissão tem uma longa história. A matança da Primeira Guerra Mundial foi suprimida por jornalistas que foram condecorados pelo seu desempenho e confessaram-no em Memórias. Em 1917, o editor do Manchester Guardian, CP Scott, confidenciou ao primeiro-ministro Lloyd George: “Se as pessoas realmente soubessem [a verdade], a guerra pararia no dia seguinte, mas não sabem e não podem saber”.

A recusa em ver pessoas e acontecimentos como em outros países são vistos é um vírus dos media do ocidente, tão debilitante quanto a Covid. É como se víssemos o mundo através de um espelho unidirecional, no qual “nós” somos morais e benignos e “eles” não. É uma visão profundamente imperial.

A história, que é uma presença viva na China e na Rússia, raramente é explicada e raramente compreendida. Vladimir Putin é Adolf Hitler; Xi Jinping é Fu Man Chu. Conquistas épicas, como a erradicação de pobreza extrema na China, são pouco conhecidas. Isto é absolutamente perverso e limitador.

Quando nos permitiremos compreender? Formar jornalistas em estilo fábrica não é a resposta. Nem o são as maravilhosas ferramentas digitais, que são um meio, não um fim, como a máquina de escrever e a impressora.

Nos últimos anos, alguns dos melhores jornalistas foram afastados dos media convencionais. “Atirados pela janela” é o termo a usar. Os espaços outrora abertos a rebeldes, para jornalistas fora do discurso oficial, que expunham verdades, fecharam.

Julian Assange no presídio de Belmarsh, Reino Unido.

O caso de Julian Assange é o mais chocante. Quando Assange e o WikiLeaks ganhavam leitores e prémios para o Guardian, o New York Times e outros jornais de grande circulação, ele era célebre.

Quando o “Estado sombra” se opôs e exigiu a destruição de discos rígidos e o assassinato da personagem Assange, ele foi tornado inimigo público. O então vice-presidente Biden chamou-o de “terrorista de alta tecnologia”. Hillary Clinton perguntou: “Não podemos simplesmente atirar um drone a esse tipo?”

A campanha de abuso e vilipêndio que se seguiu contra Assange – o Relator da ONU sobre tortura chamou-lhe “violência psicológica” – levou a imprensa liberal ao seu ponto mais baixo. Sabemos quem são. Penso neles como colaboracionistas, como os jornalistas do governo francês pró-hitleriano de Vichy.

Quando os verdadeiros jornalistas se levantarão? Sítios inspiradores na internet já existem:   Consortium News, fundado pelo grande jornalista Robert Parry; Grayzone de Max Blumenthal, Mint Press News, Mídia Lens, Declassified UK, Alborada; Electronic Intifada; WSWS; Znet; Information Clearing House; CounterPunch; Independent Australia; o trabalho de Chris Hedges; Patrick Lawrence; Jonathan Cook; Diana Johnstone; Caitlin Johnstone e outros que me perdoarão por não mencioná-los aqui.

E quando os escritores se levantarão, como fizeram contra a ascensão do fascismo nos anos 1930? Quando se levantarão os cineastas, como fizeram contra a Guerra Fria nos anos 1940? Quando os humoristas se levantarão, como fizeram há uma geração?

Tendo mergulhado durante 82 anos num profundo banho de honradez que é a versão oficial da última guerra mundial, não será altura daqueles que deveriam manter os registos corretos declararem a sua independência e descodificarem a propaganda? A urgência é maior do que nunca.

21/agosto/2023

Ver também:

·  La intoxicación lingüística. El uso perverso de la lengua, de Vicente Romano (para descarregamento)

·  O papel dos governos e dos media na propaganda de guerra: A guerra que você não vê, documentário de John Pilger (1h33m)

[*] Jornalista, australiano, escritor e documentarista, residente no Reino Unido.

O original encontra-se em www.informationclearinghouse.info/57764.htm

Este artigo encontra-se em resistir.info

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS