14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

A Rússia e a China estão fartas – Ambas fartaram-se de serem “polidas”. Querem confrontação? É o que terão.

Pepe Escobar [*]

Algo muito importante aconteceu no início desta semana em Astana, durante a reunião do Conselho de Ministros de Relações Exteriores da Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, foi direto ao ponto:   ele pediu que os membros da SCO “mantenham sua autonomia estratégica” e “nunca permitam que forças externas” transformem a Eurásia em uma “arena geopolítica”.

Wang Yi detalhou como “alguns países estão buscando a hegemonia e o poder, formando pequenos grupos, estabelecendo regras ocultas, interferindo e suprimindo, ‘desacoplando e cortando laços’ e até mesmo auxiliando as ‘três forças’ na região”, tentando assim suprimir a autonomia estratégica do Sul Global.

As “três forças” são um código chinês para terrorismo, separatismo e extremismo religioso – na verdade, os três principais motivos para a fundação da SCO em 2001, pouco antes do 11/Set.

A tradução direta da mensagem de Wang indica que Pequim está muito ciente da miríade de táticas de Guerra Híbrida do Hegemon, agora implantadas em todo o Heartland. Ainda assim, Pequim se destaca pela polidez, pedindo uma cooperação de segurança “comum, abrangente, colaborativa e sustentável” e para trabalhar com a “comunidade internacional”.

O problema é que a “comunidade internacional” é refém da “ordem internacional baseada em regras”.

Redefinindo as “três forças”

A próxima reunião dos chefes de estado da SCO será em Astana, em julho – apenas um mês após uma reunião ministerial crucial do BRICS na Rússia. Há dois meses, o presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, em uma reunião em Boao, na província de Hainan, na China, deixou claro que todos os líderes dos estados-membros da SCO simplesmente não podem faltar.

Mais cedo do que tarde, talvez já no próximo ano, o BRICS e a SCO poderão estar trabalhando não apenas em conjunto, mas possivelmente compartilhando a mesma mesa.

A cúpula da SCO deste ano não é apenas crucial em termos de reorganização de uma verdadeira guerra contra o terror, contra as táticas conduzidas pelos hegemons, mas também em relação à expansão da SCO e à melhoria da cooperação econômica/comercial.

A Bielorrússia se tornará membro pleno da SCO em julho – como o presidente Lukashenko já confirmou. E, no ano passado, o gabinete da Arábia Saudita também aprovou a decisão de entrar para a SCO.

Há apenas três meses, em Pequim, durante a comemoração do 20º aniversário da secretaria da SCO, Wang fez eco ao presidente Xi no final de sua decisiva reunião cara a cara com Putin em Moscou em 2023:   “Mudanças nunca vistas em um século” estão em andamento. Daí a importância renovada da SCO – a maior organização multilateral não ocidental de fato, voltada para a cooperação política e de segurança, e um dos pilares da multipolaridade.

É importante ressaltar mais uma vez que a SCO é ignorada, descartada ou mal compreendida pelo Ocidente coletivo, pois não se baseia na expansão militar interminável no estilo da OTAN. A SCO é totalmente voltada para a integração Sul-Sul. Não é tarefa fácil ter Índia, China, Paquistão e Irão na mesma mesa discutindo como iguais e respeitando as prioridades de seus parceiros da Ásia Central/Terra.

Ao longo dos anos, tudo acabou sendo discutido na mesa da SCO – muito além do foco inicial nas “três forças”:   diplomacia, defesa nacional, segurança, economia, comércio, cultura, educação, transporte, tecnologia, agricultura.

Por mais que a SCO esteja no centro da parceria estratégica multimodal Rússia-China, ela também está impulsionando a crescente interconexão econômica entre a China e os “estões” da Ásia Central.

No Ano da Grande Decisão – em que a presidência russa do BRICS deverá delinear o roteiro privilegiado para um sistema mais igualitário de relações internacionais – os participantes da SCO parecem estar plenamente conscientes de que as “três forças” não por acaso constituem as táticas preferidas de Guerra Híbrida empregadas pelo Império do Caos para Dividir e Dominar.

Isso se aplica não apenas a grupos jihadistas obscuros, como o ISIS-Khorasan, mas também ao controle imperial sobre os esquemas globais de tráfico de drogas, pessoas e órgãos.

De forma lenta e segura, estamos chegando ao próximo nível: a SCO se empenhando ao máximo, como uma organização multilateral, contra as táticas de terror de um hegemon que até mesmo promove o genocídio.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, não poderia ser mais explícito no final da cúpula de Astana:

A tarefa de desenvolver abordagens comuns para garantir a segurança e a cooperação eurasiática pelos próprios Estados desse continente é urgente. Enfatizamos que a SCO pode muito bem desempenhar o papel de catalisador desses processos, envolvendo outros parceiros na região.”

Na prática, Lavrov mencionou um novo impulso para o Comitê Executivo da Estrutura Antiterrorista Regional (RATS). Traduzindo: A RATS ampliará seu mandato sobre segurança da informação, combate ao crime organizado e aprofundamento das conexões entre o tráfico de drogas e o financiamento do terrorismo.

Está pronto para o confronto que deseja?

Agora, junte a tudo isso o fato de o chefe do FSB, Alexander Bortnikov, ter sido mais do que explícito em uma cúpula da CEI em Bishkek, Quirguistão, sobre o que o Império do Caos e seus vassalos estão tramando.

As quatro principais conclusões:

  1. Os EUA, o Reino Unido e a OTAN estão agora em modo de guerra híbrida total contra a Rússia.

  2. A OTAN está facilitando uma transferência maciça de terroristas/jihadistas de várias latitudes para a Ucrânia, sendo que alguns deles, especialmente os da marca ISIS-K, são instrumentalizados em todo o Heartland. Chamamos isso de Legião Estrangeira do Terror – que deve ser considerada o inimigo número um da SCO. Bortnikov referiu-se à “constante rotação de militantes nas zonas Síria-Iraque e Afeganistão-Paquistão, e o surgimento de novos campos de treinamento de militantes perto das fronteiras do sul da Comunidade”.

  3. A Ucrânia se transformou em Terror Total, com ataques ininterruptos de sabotagem nas fronteiras da Rússia.

4 – Em uma nota positiva, a Maioria Global está em movimento:   A Rússia está cooperando estreitamente, cada vez mais, com dezenas de nações na Ásia Ocidental, na Ásia mais ampla, na África e na América Latina.

Depois de uma série de “coincidências” extraordinárias nas últimas semanas, desde tentativas de assassinato por um “atirador solitário” até golpes arquitetados, ameaças diretas e desaparecimentos misteriosos, todo o ecossistema BRICS-SCO deve estar em alerta máximo.

Após a épica cúpula Putin-Xi em Pequim e o drama do helicóptero de Raisi, mais estranho do que a ficção, a solidez renovada das parcerias estratégicas interligadas entre Rússia, China e Irão está indicando que a Rússia e a China estão prestes a tirar as luvas de veludo.

Putin e Xi, cada um à sua maneira, já alertaram o Ocidente coletivamente imbecilizado:   se vocês quiserem confronto, terão confronto. Sem dúvida. E por sua própria conta e risco.

A Mãe de Todos os Testes, que está por vir neste verão, é saber até onde a OTAN irá quando se trata de atacar diretamente a Federação Russa. O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban adverte que “a Europa está se preparando para iniciar uma guerra com a Rússia”.

É claro que as “elites” políticas e militares eurolixo, incultas e pouco educadas, são completamente incapazes de entender a realidade fora de sua bolha. Além disso, elas interpretam a paciência e a abordagem legalista russas como fraqueza. Bem, as fontes de inteligência em Moscou agora estão deixando isso bem claro – não oficialmente; a resposta, se eles tentarem algo estúpido, será devastadora.

Em nível do BRICS, há uma espécie de tentativa de última hora para neutralizar o incendio. Wang Yi e o principal assessor de política externa do presidente Lula, Celso Amorim, divulgaram uma declaração delineando um “entendimento comum” sobre o fim do jogo na Ucrânia.

Essencialmente, a declaração diz que “a China e o Brasil apoiam a realização de uma conferência internacional de paz em um momento apropriado, reconhecida pela Rússia e pela Ucrânia, com participação igualitária de todas as partes e discussão justa de todos os planos de paz”. O Império do Caos obviamente rejeitará a declaração.

Pequim tem toda a sua atenção voltada para as provocações do Império do caos em Taiwan, enquanto Moscou se concentra nas provocações da OTAN na Ucrânia. Ambos já estão fartos de serem “educados”. Quer confronto? Confronto é o que terá.

31/Maio/2024

[*] Analista geopolítico.

O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/05/25/russia-and-china-have-had-enough/ e a tradução em sakerlatam.blog/a-russia-e-a-china-estao-fartas/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS