24.5 C
Brasília
quarta-feira, 29 maio, 2024

A próxima guerra no Oriente Médio: Israel pretende atacar o Irã após o acordo nuclear?

Fonte da imagem: Pakistan Today

Heba Ayyad*

Em 1956, o Egito foi submetido ao que ficou conhecido como a “agressão tripartida” por parte de Israel, Grã-Bretanha e França em resposta à decisão do Cairo de nacionalizar o Canal de Suez. Dias depois deste importante acontecimento histórico que foi seguido internacionalmente, eclodiu uma revolução no país. A Hungria e o Exército Vermelho da União Soviética foram esmagados.

Israel recorda estes dois acontecimentos enquanto monitoriza a invasão russa da Ucrânia, que capturou a atenção do mundo desde o final de fevereiro passado. Os israelitas temem que este acontecimento desvie a atenção dos países ocidentais do Irã, que representa uma ameaça direta à segurança do Estado ocupante. As conversas de Viena sobre o programa nuclear iraniano aumentam os receios de Tel Aviv, que se vê como o primeiro alvo deste projeto iraniano, que descreve como “perigoso”. À luz desta ameaça, israelitas começaram a falar sobre a possibilidade de lançar um ataque militar ao Irã, se necessário, com o objetivo de impedir que Teerã se junte às fileiras dos Estados nucleares.

Implorando, depois ameaçando…

Diante de um grupo de homens da sua agência de inteligência, a Mossad, o primeiro-ministro israelita, Naftali Bennett, levantou-se e prometeu trabalhar contra o programa nuclear do Irã, a fim de alcançar os interesses do seu país. Isso foi no dia 1º de março deste ano, e alguns dos interesses de Bennett. Os temores pareciam estar a caminho de se concretizar, depois que surgiram notícias confirmando que os Estados Unidos, o aliado mais proeminente de Israel, estão perto de assinar um novo acordo nuclear com o Irã, após meses de negociações realizadas na capital austríaca, Viena.

Possuir armas nucleares, ao mesmo tempo em que se revê os pretextos de Israel para fazer esta opção, sendo o mais importante deles as grandes quantidades de armas que o Irã está tentando passar às facções palestinas na Faixa de Gaza, segundo a sua afirmação. Gantz concluiu suas declarações dizendo: ‘Quer um acordo seja assinado ou não, não será o fim para nós, e a assinatura não deve ser o fim do caminho para os países da região e do mundo, trabalhando contra a agressão iraniana.’

Na verdade, tais declarações tornaram-se comuns nos lábios dos funcionários do estado ocupante, justificando sua promessa como uma resposta à promessa de todos os líderes iranianos que assumiram o poder de remover Israel da existência. Contudo, a ameaça iraniana – do ponto de vista dos israelenses – já não se limita às ameaças dos líderes iranianos ou à construção de arsenais cheios de dezenas de milhares de mísseis dirigidos contra Israel, mas estende-se para além disso, até à capacidade nuclear militar do programa do Irã, que o estado ocupante atribui como prioridade máxima ao miná-lo, seja através de assassinatos planejados de cientistas iranianos, ou opondo-se a qualquer esforço diplomático que não prejudique fundamentalmente as ambições nucleares do Irã, incluindo o acordo nuclear de 2015.

Os desejos de Israel foram atendidos durante a era do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, depois que seu governo cancelou o acordo de 2015, reimpondo duras sanções econômicas ao Irã, mas as esperanças de Tel Aviv de acabar com os sonhos nucleares de Teerã receberam um forte choque com o fim da era Trump e o advento da administração Joe Biden, que se comprometeu em outubro. No entanto, em outubro passado, o acordo nuclear foi revivido, já que Washington está atualmente participando das negociações de Viena que visam reviver o acordo em troca do levantamento da maioria das sanções internacionais contra Teerã.

Mas o Estado ocupante opõe-se, em princípio, a qualquer acordo que não garanta que Teerã seja privado de qualquer tipo de capacidade nuclear, mesmo pacífica, e acredita que qualquer acordo que não consiga isso não só trará o seu arqui-inimigo perigosamente perto de possuir uma arma nuclear, mas também permitirá que Teerã utilize os fundos que exige (ativos congelados no valor de 7 bilhões de dólares) para desenvolver seu poder em vários domínios vitais e aumentar os gastos no armamento de seus agentes. Os israelenses vão além disso, pois antecipam que este novo acordo irá empurrar outros intervenientes no Oriente Médio para a tomada de medidas que levariam a região do Oriente Médio a uma corrida ao armamento nuclear, enquanto o Estado ocupante quer manter sua posição como o único operador de armas nucleares no mundo, dentro de um programa que todos negam, incluindo a própria Tel Aviv.

No seu apelo para minar o programa nuclear iraniano, Israel baseia-se numa série de relatórios internacionais. Um relatório recente da Agência Internacional de Energia Atômica afirmou que o Irã continua a avançar seu programa nuclear, além das negociações com potências mundiais, uma vez que quase duplicou a quantidade de urânio enriquecido que possui desde o relatório trimestral anterior emitido em novembro de 2021. O relatório publicado pela Reuters indicou que a quantidade de urânio enriquecido iraniano aumentou 60% para atingir 33,2 quilogramas (73,2 libras), um aumento de 15,5 quilogramas (34,2 libras) em comparação com o relatório anterior. Cada bomba requer 40 quilogramas (88,2 libras) de urânio enriquecido a 90%.

Segmentação indireta.

Israel não confiou apenas em operações militares relâmpago nos céus da Síria, mas sim trabalhou para explorar o tempo disponível para fortalecer suas capacidades militares no caso de ser forçado a tomar medidas contra o Irã. Também intensificou seus esforços diplomáticos nesse sentido. Também neste contexto, reforçando sua aliança com os Estados do Golfo, que por sua vez são hostis a Teerã e desejam juntar-se às fileiras das potências nucleares. Esses países temem uma repetição do cenário do acordo pós-2015, quando as forças da Guarda Revolucionária Iraniana se expandiram para muitas áreas voláteis no Oriente Médio, financiando milícias por procuração para defender os interesses do Irã no Iraque, Iémen, Líbano e Síria, além do diligente desenvolvimento de mísseis balísticos pelo Irã, sem uma resposta firme de Washington, que na época preferiu não escalar contra o Irã para preservar o recente acordo nuclear.

A potência ocupante prefere, portanto, a abordagem da opção militar com o Irã, apesar dos apelos de alguns analistas para usar uma combinação de fortes martelos econômicos (sanções) e dissuasão técnica. Um exemplo vivo, segundo os próprios oradores, é o sistema de defesa contra mísseis laser que Israel implanta perto da Faixa de Gaza, na fronteira norte do Estado ocupante. Os israelitas esperam que este sistema militar subjugue os mísseis de resistência apoiados pelo Irã e exijam a expansão deste tipo de guarda-chuvas defensivos em vez de recorrer a soluções militares diretas.

Com a administração Biden a ignorar os seus apelos, parece que o Estado ocupante israelita decidiu agir sozinho. No dia 8 de março deste ano, a Guarda Revolucionária Iraniana anunciou o assassinato de dois dos seus oficiais durante um bombardeamento israelita contra locais perto de Damasco, depois de ter publicado, de forma invulgar, uma fotografia de dois caixões transportando os corpos dos dois oficiais. O exército israelense atacou esta área das forças iranianas com mísseis, o que levou à morte dos coronéis Ehsan Karbalai e Morteza Saeednejad.

Esta operação foi o último capítulo dos ataques israelitas ao Irã e aos seus grupos aliados dentro do território sírio, que Tel Aviv considera um campo aberto para atingir os centros de poder iranianos, à medida que o exército de ocupação israelita continua os seus ataques regulares aos interesses iranianos desde 2015. Como resultado da importância de tais operações para os líderes da ocupação do país, mostraram uma clara reserva em condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia, devido aos seus receios quanto à possibilidade de Moscou restringir as operações de ocupação no espaço aéreo sírio, o que foi expresso por Yaakov Amidror, antigo Conselheiro de Segurança Nacional israelita, quando disse: “O coração dos israelitas está com a Ucrânia, sem dúvida, mas nós precisamos de liberdade de ação na Síria para conter os iranianos. Não podemos ignorar o fato de que eles estão lá.”

Mas para os líderes de direita do Estado ocupante, isso não será suficiente. Embora a crise na Ucrânia aumente a pressão sobre os países ocidentais para chegarem a um acordo rápido com o Irã, porque o fracasso dessas conversas poderia significar um risco maior de uma nova guerra regional e uma contínua pressão ascendente sobre os preços globais do petróleo, Israel sente-se mais urgente em determinar sua direção.

Dado que o Estado ocupante não vê qualquer fórmula positiva para este potencial acordo, a ação militar contra o Irã tornou-se uma forte possibilidade, segundo Antoine Shalhat, pesquisador do Centro Palestino de Estudos Israelitas (MADAR). Shalhat disse em sua entrevista ao ‘Maidan’ que Israel aprendeu a lição da guerra russo-ucraniana e viu com seus próprios olhos que cada país é agora obrigado a defender seus interesses enquanto reduz a dependência da ajuda externa, por isso é provável avançar para defender sua segurança, especialmente porque teme a transmissão de armamento nuclear a outros países do Oriente Médio, o que significa quebrar o monopólio de Israel sobre esta arma, o que lhe confere superioridade regional.

O mesmo orador acredita que o verdadeiro obstáculo que poderá impedir Israel de tomar esta med ida será a posição do aliado estadunidense, uma vez que o governo de ocupação não conseguiu mudar a convicção de Washington sobre o acordo nuclear com o Irã. Shalhat acrescenta: ‘A ação israelense precisa da luz verde dos Estados Unidos; é difícil para Israel tomar qualquer ação contra o Irã sem o apoio estadunidense.

Isso diz respeito às complicações políticas, mas no que diz respeito aos cálculos logísticos, a opção militar parece demasiado complexa para a Força Aérea Israelense empreender à luz dos dados atuais, diz Yossi Melman, um escritor e jornalista israelense especializado em assuntos militares. Melman acrescenta em um artigo no jornal israelense “Haaretz” sobre as dificuldades que esta intervenção militar pode enfrentar: “Qualquer que seja o caminho que a Força Aérea Israelense tome, os aviões terão de estar equipados com a carga máxima de bombas e mísseis. Novos caças stealth F-35, projetados especificamente para uma missão de ataque aéreo contra o Irã, precisariam reabastecer no ar, o que retarda o processo e aumenta o risco de detecção.”

O escritor israelense descarta que o Azerbaijão permita que aeronaves israelenses operem em seu espaço aéreo contra o Irã, já que a cooperação secreta de inteligência é uma coisa, e a ação militar israelense contra o Irã a partir do território do Azerbaijão é outra questão, porque isso mudaria as regras do jogo entre os dois países e em toda a região, pois isso provocaria uma resposta iraniana contra o Azerbaijão, que nunca quererá envolver-se em uma guerra com seu vizinho do sul por causa de Israel.

Israel não tem muitas boas opções para enfrentar o Irã. A escalada militar requer a quase impossível aprovação estadunidense e muita coragem para abrir uma nova frente de guerra com Teerã, o que significa incendiar a região mais do que já está em chamas, o que traz a ocupação de volta ao ponto de partida, a mesma situação que existe desde 2015: Qualquer acordo com o Irã é melhor do que nenhum acordo, desde que Washington não esteja preparado para se envolver militarmente, e qualquer acordo, qualquer que seja, deve ser ostensivamente rejeitado por Israel no final. Esta manobra permite à ocupação beneficiar das restrições que qualquer acordo potencial imporia às ambições nucleares do Irã, ao mesmo tempo que lhe dá rédea solta de vez em quando para atingir o Irã e impedi-lo de desenvolver capacidades nucleares reais sob a égide do acordo.

*Heba Ayyad é jornalista, analista de politica internacional, escritora e poeta palestina/brasileira 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS