21.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

A ONU numa pose vergonhosa frente à defesa das crianças palestinas

Foto Prensa Latina (https://www.prensalatina.com.br/2022/11/20/israel-prendeu-mais-de-50-000-criancas-palestinas-desde-1967/)

Heba Ayyad*

Mal posso acreditar que a organização internacional, na qual passei a maior parte da minha vida profissional, resvale para este nível de degeneração moral e perversão política no que diz respeito às práticas da entidade sionista que equivalem a limpeza étnica e genocídio, proporcionando a entidade com capa após capa e justificativa após justificativa para o que está fazendo de crimes. A última dessas contundentes falhas morais surgiu no relatório de Virginia Gamba, Representante Especial do Secretário-Geral para Crianças e Conflitos Armados, que lançou na terça-feira passada sobre as graves violações que as crianças sofrem em zonas de conflito.

Isso não significa que a organização internacional lutava pela libertação da Palestina, mas estava, ao menos, coberta pelo direito internacional, pelos textos da Carta e pelas resoluções de legitimidade internacional. Mas começou a descer para o fundo desde a eleição do secretário-geral Ban Ki-moon, que o chamou “o sempre preocupado secretário-geral”.

Mas gostaria que as coisas tivessem permanecido durante o reinado do atual secretário-geral, o veterano português Antonio Guterres, ainda que no mesmo nível de retraimento, indolência e evasão de posições corajosas e fortes quando se trata do sofrimento dos palestinos, as coisas pioraram por causa de sua escolha de pessoas que falam em nome da organização e a representam nos territórios palestinos ocupados e sua obediência aos ditames estadunidenses, especialmente durante a época da embaixadora estadunidense Nikki Haley, que nem sequer levou em conta os princípios da diplomacia, mas gabava-se de ter sido ela quem ordenou ao Secretário-Geral que retirasse a candidatura de Salam Fayyad ao cargo de Enviado Especial à Líbia apenas por ser palestiniano. Foi ela quem ordenou a Guterres que retirasse o relatório da ESCWA sobre o “sistema de apartheid em Israel” preparado por Rima Khalaf sobre as práticas de Israel em relação ao povo palestino e a questão do apartheid, que descreve Israel como um estado de apartheid. Guterres ordenou a retirada imediata do relatório do site das Nações Unidas, então Rima Khalaf recusou porque estava convencida da veracidade do que foi afirmado no relatório, então ela renunciou em 17 de março de 2017 por causa desse comportamento, dizendo em sua carta de renúncia: “Sinto-me incapaz de sucumbir a essas pressões.”

O pior é que Ban Ki-moon nomeou o búlgaro Nikola Mladenov como coordenador do processo de paz no Oriente Médio, e seu representante junto à Autoridade Palestina em fevereiro de 2015, e ele permaneceu no cargo até dezembro de 2020. Assim que felicitou a sua saída pelos grandes prejuízos que causou à justiça da causa palestina, Guterres nomeou o norueguês Tor Wensland um dos arquitetos dos Acordos de Oslo, que até agora nos pesa no peito.

Este último não deixa espaço a não ser injetar veneno em seus relatórios, declarações e tweets carregados de bombas, que colocam os crimes israelenses em um contexto que os justifica, ao mesmo tempo em que descreve as ações dos palestinos que surgem do desespero e da frustração como terrorismo e os condena em os termos mais fortes.

Da argelina Leila Zerrougui à argentina Virginia Gamba

No relatório de 2016 cobrindo os eventos de 2015, o Representante Especial do Secretário-Geral para Crianças e Conflitos Armados colocou dois países na lista negra que inclui aqueles países, grupos, milícias e exércitos que violam os direitos das crianças nos seis critérios (assassinato, ferimento e perturbação, recrutamento, ataque a escolas e hospitais, sequestro e tortura, abuso físico e negação de acesso humanitário). Os dois países são Israel e os países da coalizão árabe liderados pela Arábia Saudita.

Quanto a Israel, seu nome foi retirado pelo secretário-geral Ban Ki-moon, antes que o relatório chegasse às mãos dos membros do Conselho de Segurança, sob pressão ou ameaça dos Estados Unidos, enquanto o embaixador saudita, Abdullah Al-Muallami, ameaçou o secretário-geral de cancelar toda a ajuda saudita para programas humanitários, incluindo US$ 50 milhões para a Agência de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA), se os nomes da Arábia Saudita e da coalizão não forem removidos do relatório. E de fato foi feito. Lily Zerrougui foi transferida do cargo para Virginia Gamba, que ocupou o cargo de destruição de armas químicas na Síria.

O nome da coalizão foi listado novamente após aquele incidente por três anos, mas Israel continuou a gozar de proteção e seu nome não foi incluído na lista negra. O que é estranho é que o relatório de 2022, que cobria o ano de 2021 e a guerra de Gaza que durou 11 dias e no qual centenas foram mortas, incluindo cerca de 80 crianças, não foi incluído.

O nome de Israel, sob o pretexto de que o Representante Especial visitará a região para ver a situação, fazer recomendações às partes envolvidas e aderir a um conjunto de medidas de proteção das crianças. Gamba visitou a Palestina ocupada, incluindo Gaza, Jerusalém e Israel, entre 16 e 21 de dezembro de 2022, e se reuniu com as famílias das crianças vítimas. Ela aprendeu sobre as condições lá e se reuniu com autoridades palestinas em Ramallah e Gaza, incluindo Hamas e Jihad. Estávamos otimistas de que a inclusão de Israel é certa depois do que viu com seus próprios olhos.

Este ano, não encontrou nenhuma justificativa para retirar Israel da lista negra, exceto por sua cooperação com a Sra. Gamba e sua recepção em Tel Aviv, e que o número de ataques aéreos contra civis diminuiu de 598 em 2021 para 52 em 2022. Existe algo mais rude do que essa desculpa?

Então, por que eles não foram incluídos na lista quando esses ataques foram lançados? E como a Sra. Gamba justifica o fato de que Israel é o maior violador dos direitos das crianças, e é um dos cinco países que mais violam os direitos das crianças? E como todos os cinco estados podem ser incluídos, exceto para Israel?

O mais estranho é que Gamba sempre fala sobre os longos e complexos procedimentos que às vezes levam anos para confirmar as violações. Mas não achamos que esses procedimentos demoram muito no caso da Rússia e suas violações na Ucrânia.

A introdução da Rússia tão rapidamente e a exclusão de Israel da lista trazem as Nações Unidas e seus funcionários para a lista de vergonha mais do que os países que a protegem.

E os grupos e milícias que constavam da lista e não cometeram um décimo do que esta entidade fascista cometeu?

O grupo Abu Sayyaf nas Filipinas, o grupo sunita no Chade, o Estado Islâmico em Burkina Faso e o Exército de Libertação Nacional na Colômbia cometeram mais atrocidades, assassinatos, obstruções e sequestros do que a entidade? Existe um país no mundo que prende 852 crianças e julga algumas delas em tribunais militares, e mantém algumas delas por longos períodos de tempo em detenção sem julgamento ou libertação?

Todos esses crimes não foram suficientes para incluir a entidade na lista da vergonha porque o número de incursões diminuiu muito. Que ilusão e subestimação de mentes é mais do que isso?

A recente escalada em Jenin, Nablus e o assentamento de Ali

A maneira como Tor Wiensland lidou com a última escalada prova o quanto a equipe da ONU caiu sob a orientação de seu chefe que sempre evitou perturbar os Estados Unidos a ponto de o embaixador russo, Vassily Nebenzia, acusá-lo de não ser neutro.

A resposta de Wensland à invasão de Turmusaya pelos colonos na noite de 20 de junho usou o termo “condenar veementemente a violência” perpetrada pelos colonos indisciplinados (ou rebeldes), a fim de não incluir todos os colonos. É violência e não terrorismo, na opinião dele, então queimar casas, carros, escolas e ambulâncias, aterrorizar a população e matar um jovem de forma bárbara, tudo isso segundo ele é “violência”.

dois palestinos atacaram quatro colonos que viviam ilegalmente em um assentamento ilegal chamado Ali, qual foi a reação de Winsland?  “Condeno fortemente todas as formas de terrorismo contra civis”, disse ele em sua declaração no dia do incidente. Os colonos têm civis, e a resistência legítima dos palestinos é o terrorismo, enquanto o terrorismo sionista contra dezenas de aldeias é a violência.

É esta a neutralidade das Nações Unidas?  Em vez disso, o porta-voz oficial defendeu esta declaração e descreveu os colonos que não pertencem a milícias organizadas como civis. Para sua informação, as Nações Unidas historicamente não condenaram o ataque a soldados ou colonos israelenses, se o confronto ocorreu no território ocupado antes da chegada de Ban Ki-moon, porque o direito internacional é claro: a ocupação é ilegítima, a resistência à ocupação é legítima.

Aconteceu em todo o mundo e a resistência às forças de ocupação, colonialismo, imperialismo e apartheid foram coroadas como heróis. Estátuas são erguidas para eles e universidades, aeroportos, ruas e monumentos são nomeados em sua homenagem, exceto no caso palestino.

Eles querem que a resistência palestina seja criminalizada e rotulada como terrorismo, a fim de tornar mais fácil para Israel engolir a terra e expulsar a população dela e estabelecer um estado puramente judeu. Do rio ao mar, como afirmado em sua definição da identidade do estado em 2018.

No entanto, devemos finalmente admitir que a culpa não é apenas das Nações Unidas, mas também daqueles que comercializaram a ilusão do estado independente, a paz dos bravos, o processo de paz e a solução de dois estados. Não é hora de sair dessa ilusão e futilidade que trouxe.

@Heba Ayyad

*Heba Ayyad é jornalista internacional Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS