25.5 C
Brasília
segunda-feira, 20 maio, 2024

A Nakba: 76 anos de impunidade do regime israelense

HispanTV – Este 15 de maio de 2024 marca o 76º aniversário da Nakba (catástrofe em árabe), na Palestina, data em que mais de 800.000 palestinianos, mulheres, crianças e homens, foram expulsos à força das suas terras e propriedades.

531 aldeias foram destruídas e mais de treze mil palestinos foram assassinados pelas forças sionistas. Desde esse dia, mais de 7 milhões de refugiados ainda são impedidos de regressar às suas próprias terras, embora tenham o direito de regresso.

A Nakba foi a ocasião em que as Nações Unidas favoreceram a criação do Estado ilegítimo de Israel, promovendo a limpeza étnica da Palestina nas mãos do projecto colonial sionista, movimento idealizado por Theodor Herzl, cujo livro “O Estado Judeu”, publicado em 1896, destaca a soberania da supremacia judaica rumo ao extermínio do povo palestino.

A Nakba não terminou em 1948, pois o projecto sionista que permitiu a fundação de um Estado exclusivamente judeu deu lugar a uma Nakba maior que continua até hoje, a destruição sistémica da Palestina, porque segundo essa lógica sionista, é absolutamente necessário erradicar à população árabe nativa. (Illan Pappé)

Durante mais de sete décadas, o regime sionista israelita tem levado a cabo uma limpeza étnica, com a expansão de colonatos ilegais e o roubo de terras; já que controla mais de 85 por cento dos territórios palestinianos, e que continua os seus actos de expansão através de colonatos e demolições de casas, cujo objectivo é o extermínio total deste povo.

Esta lógica de apagar uma população inteira está sendo cumprida; uma vez que mais de 1,5 milhões de palestinos já foram deslocados para Rafah, o último bastião de refúgio em Gaza, desde 7 de outubro de 2023, quando começou a “Tempestade Al-Aqsa”, que reavivou a causa palestina e colocou novamente o mundo na frente da Palestina esquecida, altura em que a entidade sionista levou a cabo o genocídio contra o enclave costeiro, tirando a vida a 36.000 palestinianos, na sua maioria mulheres e crianças.

Desde que o ocupante israelita emitiu ordens para evacuar a cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 6 de Maio de 2024, aproximadamente 500.000 palestinianos foram deslocados; Uma vez que os bombardeamentos aéreos e a artilharia estão a destruir casas tanto no campo de refugiados de Yabalia como na cidade, causando pânico entre milhares de famílias, que não têm para onde ir, nem há segurança ou cessar-fogo.

A Palestina vive há 76 anos uma história de terror, porque temos testemunhado como a população de Gaza é submetida a um genocídio, a uma invasão da entidade sionista, na sua política de limpeza étnica, de expulsão, de apartheid, de judaização do povo palestino , que enfrenta hoje a pior crise humanitária, diante dos olhos do mundo.

Desde que Israel fechou a principal passagem de fronteira terrestre por onde entra a ajuda e os feridos e doentes saem para receber tratamento fora do enclave, as reservas de alimentos e combustível em Gaza são praticamente nulas, portanto, o sistema de saúde está à beira do colapso, com a redução da pressão arterial. mais de 150 mil mulheres grávidas enfrentam condições terríveis e riscos para a saúde.

Fome, medo, desolação, inferno para milhares de crianças, mulheres e idosos que estão desesperados neste momento no enclave costeiro; enquanto cresce a deterioração moral e desumana de senadores dos Estados Unidos e de Israel, como Lindsey Graham, que incita ao ataque à Faixa de Gaza com uma bomba nuclear, como fez seu país em 1945 nas cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, para acelerar o fim da Segunda Guerra Mundial.

A crueldade não tem nome, Israel invade com a ajuda dos EUA centenas de milhares de habitantes de Gaza que fogem sem poder ir a lado nenhum, chutando os escombros ensanguentados dos seus entes queridos espalhados num círculo sem fim.

Há momentos em que uma invasão resume e engloba todos eles: nos anos 60 foi o Vietname; nos anos 80, o Apartheid Sul-africano; nos anos 90, a Iugoslávia, e hoje é a Palestina, a causa de todas as causas; uma luta que assistimos também na revolução de milhões de estudantes universitários, que estão a ser presos por pedirem um cessar-fogo, aqueles que continuarão de pé, tal como não conseguirão pôr fim à Resistência Palestiniana; porque 76 anos de luta e resistência são um paradigma para a humanidade diante dos atos criminosos de uma entidade bárbara e irracional.

Por Sdenka Saavedra Alfaro

Escritor, correspondente internacional da HispanTV

ÚLTIMAS NOTÍCIAS