15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

A heroica batalha de Jenin: um chamado à resistência palestina e as posições vergonhosas da comunidade internacional

A heroica batalha do campo de Jenin, travada por jovens, a maioria dos quais nascidos após a primeira batalha do campo de Jenin em 2002, revelou muitas posições vergonhosas em todas as arenas – palestina, árabe e internacional. Não irei me aprofundar nas posições das autoridades, facções e países árabes, e como o campo e a cidade foram deixados para enfrentarem uma batalha desigual, travada pelas forças sionistas fascistas com uma brigada completa do exército, composta por até 3.000 soldados, mais de 200 veículos blindados e militares, um grande número de aviões Apache e uma presença perigosa em uma área populosa não maior do que um quilômetro quadrado.

O campo se tornou um símbolo de heroísmo, resistência, dignidade e orgulho. Alguns o chamam de “Jeningrado”. As posições dos funcionários internacionais preocupados, no início, foram especialmente vergonhosas e vacilantes, mas começaram a mudar um pouco depois da lendária resistência, dos enormes sacrifícios e da extensão dos crimes cometidos pelos invasores contra o campo – infraestrutura, hospitais, escolas, cabos elétricos, tubulações de água, estradas e casas do campo – que foram demolidas em 80%, ficaram evidentes. Aqueles que mimam Israel ou o temem?

O ataque ao campo coincidiu com o lançamento, por Virginia Gamba, representante do Secretário-Geral para Crianças e Conflitos Armados, do relatório de 2022 sobre violações de crianças em áreas de conflito, que totalizou 27.000 violações, incluindo cerca de 19.000 crianças e meninas em 20 regiões.

A grande indignação surgiu quando soubemos que o relatório, aprovado pelo secretário-geral Guterres, havia retirado Israel da lista devido à diminuição dos ataques aéreos na Faixa de Gaza – de 598 em 2021 para 52 em 2022.

Se Israel foi incluído no relatório que abrangeu as violações em 2021, as justificativas dadas para não incluí-los nos dois relatórios são uma transgressão de toda a lógica, racionalidade, consciência e moral. A operação no campo apenas aumentou a raiva desses hipócritas que defendiam a entidade.

Aggressitivity and Lenient Attitudes

Na segunda-feira, 3 de julho, o secretário-geral António Guterres emitiu uma breve declaração composta por apenas duas linhas, expressando preocupação com a escalada (de todos os lados) e pedindo que a operação militar israelense aderisse apenas aos princípios do direito internacional humanitário. Uma posição que quase apoiava a operação militar israelense, desde que ela se aderisse apenas ao direito humanitário internacional.

Quanto ao representante deles no Território Palestino Ocupado, Tor Wiensland, sua declaração foi ainda pior, mencionando apenas oito vítimas e dizendo “incluindo homens armados”, em vez de dizer que incluíam crianças. E somente nessa adição, ele estabeleceu o quadro legal para a agressão israelense e especificou o tipo de vítimas, justificando o que Israel está fazendo.

A declaração começou expressando preocupação (como sempre) com a perigosa escalada que ocorre após meses de tensão. Observe a ambiguidade. O ator é sempre anônimo.
Em seguida, ele mencionou a questão das oito pessoas mortas, incluindo os atiradores, durante uma operação militar realizada pelas “Forças de Segurança de Israel”, distanciando assim completamente o exército do assunto, como se o exército de Israel fosse um pacificador.
Após esta primeira e última declaração, Wensland desapareceu e sua voz não foi ouvida depois disso, embora os dias seguintes à operação tenham revelado a extensão da destruição de civis, crianças, infraestrutura e ataques a prédios e hospitais. Lynn Hastings, Coordenadora Humanitária Residente das Nações Unidas na Palestina ocupada, também expressou sua preocupação com a escala das operações das forças israelenses em Jenin, acrescentando no Twitter: “Ataques aéreos foram usados no campo de refugiados densamente povoado, resultando em mortes e feridos, alguns deles graves.

Solicitamos acesso a todos os feridos”. Uma declaração da Agência de Socorro e Obras para Refugiados Palestinos “UNRWA”, no mesmo sentido, pedindo acesso livre aos feridos e permitindo que ambulâncias e equipes de ajuda humanitária cheguem ao campo.

Vozes mais objetivas de Genebra

O Alto Comissário para os Direitos Humanos, Volker Türk, emitiu uma declaração detalhada sobre os eventos em Jenin, classificando o bombardeio aéreo em áreas densamente povoadas como “assassinato deliberado”.

“A matança, mutilação e destruição de propriedade devem parar”, acrescentou em um comunicado à imprensa divulgado na terça-feira. A declaração afirmou que 3.000 palestinos fugiram do campo de Jenin após uma onda mortal de ataques aéreos.

Türk destacou a importância de seguir os padrões e normas da lei internacional de direitos humanos, incluindo a proteção e respeito ao direito à vida. Ele também apontou que alguns dos métodos e armas utilizados durante as operações estão mais relacionados aos métodos de hostilidades em conflitos armados do que às operações de aplicação da lei.

Ele enfatizou que o uso de ataques aéreos não é consistente com as regras aplicadas nas operações de aplicação da lei.

No contexto da ocupação, as mortes resultantes desses ataques aéreos podem ser consideradas assassinatos deliberados.

Türk também criticou a ausência de Israel na lista do relatório.

O Secretário-Geral ajusta sua posição

Após grande pressão oficial e da mídia sobre o Secretário-Geral e seu representante na Palestina ocupada, e após a divulgação dos fatos sobre a extensão da destruição e devastação causada pela agressão israelense no campo de Jenin e na própria cidade, o Secretário-Geral compareceu na quinta-feira à entrada do Conselho de Segurança e fez uma declaração na qual corrigiu algumas das posições fluctuantes que havia assumido.
Em sua declaração, ele condenou fortemente todos os atos de violência contra civis, incluindo atos terroristas, e apelou a Israel, mais uma vez, para cumprir suas obrigações de acordo com o direito internacional, incluindo o dever de exercer moderação e usar força proporcionalmente, o dever de minimizar danos e lesões e respeitar e preservar a vida humana. A declaração expressou preocupação com os ataques aéreos israelenses e operações terrestres em um campo superlotado. Ele acrescentou: “Escolas e hospitais foram danificados.

As redes de água e eletricidade foram interrompidas.

Aos necessitados foi negado o acesso a cuidados básicos e assistência”.

Enquanto o secretário-geral condenou o ataque a civis, ele inseriu uma frase condenando o terrorismo, que não tem lugar exceto para satisfazer os sionistas e seus defensores no Conselho de Segurança.

Israel é a única entidade no mundo que viola a Carta das Nações Unidas, desrespeita suas decisões e comete crimes de guerra e crimes contra a humanidade documentados em relatórios da ONU, contando com um guarda-chuva político e diplomático para que possa continuar em sua rebeldia e rebelião.

Se não fosse pela firmeza do povo palestino e sua imposição por meio da resistência, o problema já teria sido encerrado há muito tempo, considerando a retirada árabe, o colapso do consenso internacional e a ausência de um projeto nacional e liderança confiável. Os palestinos são os únicos que alcançarão a vitória por meio de sua firmeza, unidade e resistência corajosa, e não dão muita importância a essas declarações frias.

@Heba Ayyad
Jornalista internacional
Escritora e poeta palestina e brasileira
Analista política

ÚLTIMAS NOTÍCIAS