27.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

A economia chinesa injeta confiança e impeto na lenta economia global

Um modelo de trem da China Railway Rolling Stock Corporation (CRRC) é fotografado durante a Asia Pacific Rail 2023 em Bangkok, Tailândia, em 31 de maio de 2023. A CRRC realizou uma série de atividades com o tema “Descobrindo o mundo de trem” durante a exposição, exibindo diversos modelos de trens fabricados na China. Crédito: Rachen Sageamsak/Xinhua.

Tian Min*

Nas recém-encerradas “Duas Sessões” da China (2ª sessão da 14ª Assembleia Popular Nacional e 2ª sessão do 14º Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês), o Primeiro-Ministro Li Qiang analisou, no Relatório de Trabalho do Governo, as conquistas alcançadas do desenvolvimento econômico e social de 2023 e propôs os objetivos de desenvolvimento para 2024. Ao contrário do apresentado cenário de instabilidade, incerteza e imprevisibilidade do desenvolvimento econômico mundial, o crescimento estável, as amplas perspectivas e a consistência das políticas chinesas injetam confiança e ímpeto na economia global, que está passando por uma lenta recuperação.

Sem medo das dificuldades e dos desafios, a melhora  constante da economia chinesa não mudará. No ano passado, a economia chinesa apresentou um boletim satisfatório: o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 5,2% em comparação ao ano anterior, classificando-se entre as principais economias mundiais e contribuindo um terço do crescimento econômico global. A renda disponível per capita dos residentes aumentou 6,1% em relação ao ano anterior, na qual houve um aumento de 8,4% nas áreas de erradicação da pobreza e as áreas rurais, demonstrando que a melhoria na qualidade de vida e o desenvolvimento econômico equilibrado se complementam. Os dados apresentados comprovam que os fundamentos positivos a longo prazo da economia da China não mudaram e não mudarão, uma vez que é altamente resiliente, tem potencial suficiente e também tem uma ampla margem para evolução. A economia chinesa continua sendo um motor crucial para o crescimento econômico global.

Com um progresso contínuo, o ritmo da transição chinesa para um desenvolvimento de alta qualidade não parará. Em 2023, as exportações dos “Três Novos Itens”: veículos elétricos, baterias íon-lítio e painéis fotovoltaicos, ultrapassaram um trilhão de yuans, apresentando um aumento de quase 30% em relação ao ano anterior. A China foi responsável por mais de 60% da produção e vendas globais de veículos elétricos. A taxa de incorporação do 5G ultrapassou de 50%, e o tamanho do setor principal de Inteligência Artificial atingiu 500 bilhões de yuans, com mais de 4,300 empresas. O Relatório de Trabalho do Governo lista “Esforçar-se para modernizar o sistema industrial e desenvolver novas forças produtivas de qualidade em um ritmo mais rápido” como a tarefa prioritária do governo, liderando a inovação industrial com a inovação científica e tecnológica, promovendo o desenvolvimento de alta qualidade.

Ao abraçar o mundo, a tendência da China de expandir a passos seguros a sua abertura ao mundo exterior é irreversível. Continuando sendo uma terra fértil para investimento estrangeiro, a China tomará novas medidas para otimizar e melhorar o ambiente de negócios. Apenas em janeiro deste ano, o número de empresas criadas por investidores estrangeiros aumentou 74,4% em relação ao ano anterior. Nos últimos dez anos, desde que a iniciativa do Cinturão e Rota foi proposta, a China assinou mais de 230 documentos de cooperação com mais de 150 países e mais de 30 organizações internacionais, contribuindo com a sabedoria e a força chinesas à promoção da construção de uma economia mundial aberta e à construção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade. O acordo da Parceria Econômica Global Regional entrou em pleno vigor e a maior zona de comércio livre do mundo está constantemente liberando dividendos e injetando nova vitalidade na cooperação econômica e no desenvolvimento regional. Olhando para o futuro, a China proporcionará mais oportunidades para o desenvolvimento de todos os países com uma mente mais flexível e inclusiva.

A China está disposta a compartilhar as suas conquistas de desenvolvimento com o mundo, mas nunca alcançou a sua glória através da hegemonia e à custa dos interesses dos outros. Atualmente, a estrutura mundial está passando por mudanças profundas e a sociedade humana está enfrentando múltiplos desafios. A China está preparada para se concentrar na promoção da construção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade, continuar defendendo uma cooperação ganha-ganha com uma responsabilidade histórica mais proativa, propor ativamente mais soluções chinesas para resolver pontos de destaque regionais e questões globais, contribuir com mais sabedoria chinesa e fornecer produtos chineses mais benéficos para a paz e o desenvolvimento mundial, trabalhando em conjunto com outros países para enfrentar novos desafios e criar novas oportunidades.

Este ano marca o quinquagésimo aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre a China e o Brasil. Sendo os maiores países em desenvolvimento respetivamente nos hemisférios oriental e ocidental, e importantes economias emergentes, a China e o Brasil têm obviamente vantagens complementares nos domínios econômico e comercial, com cooperação produtiva e promissora. A China tem sido o maior parceiro comercial do Brasil por 15 anos consecutivos, enquanto o Brasil é o maior parceiro comercial da China e o destino de investimento direto na América Latina, com o volume de comércio bilateral ultrapassando US$ 100 bilhões por seis anos consecutivos. Neste importante ano de levar adiante o passado e abrir o futuro, sob a orientação estratégica dos dois chefes de Estado, a China está disposta a aprofundar a cooperação pragmática com o Brasil em vários campos, reforçar o alinhamento das estratégias de desenvolvimento, iniciando conjutamente os próximos “50 anos dourados” nas relações bilaterais e dando contribuições para a economia, a paz e a estabilidade mundiais.

*Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro

ÚLTIMAS NOTÍCIAS