27.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

A descida à barbárie

O monstro capitalista devora a humanidade

Prabhat Patnaik [*]

No Panfleto Junius, escrito na prisão em 1915, Rosa Luxemburgo afirmou que a escolha da humanidade era entre a barbárie e o socialismo. A opinião liberal contestou esta afirmação, argumentando que a barbárie que marcou as duas guerras mundiais e o período entre elas não estava relacionada com o capitalismo; de fato, a tendência liberal que surge sob o capitalismo, afirmava, lutou contra a barbárie desse período. O capitalismo, afirma, tem-se caracterizado pela ascensão dos valores humanos a um nível sem precedentes, como o demonstraram os anos do pós-guerra.

No entanto, falar de valores humanos em ascensão sob o capitalismo é ignorar completamente o fenómeno do imperialismo. São bem conhecidos os casos de fome na Índia sob o domínio britânico:   este domínio começou com uma fome em Bengala, em 1770, que matou dez milhões de pessoas, um terço da população da província, devido à rapacidade das suas exigências em matéria de receitas; no final deste domínio, houve ainda outra fome em Bengala, em 1943, devido à política de financiamento da guerra, absolutamente cruel, seguida pelo governo, que voltou a matar pelo menos três milhões de pessoas. O domínio alemão na (atual) Namíbia introduziu campos da morte que exterminaram uma grande parte da população tribal e constituíram os “modelos” dos campos de concentração e de extermínio de Hitler na década de 1930.

Terror no Congo: o genocídio de 10 milhões de pessoas que o mundo esqueceu  - Iconografia da História

REEDICIÓN #6# Leopoldo II y el Genocidio Olvidado del Congo Belga - LA  BIBLIOTECA DE LA HISTORIA - Podcast en iVooxLa colonia belga del Congo — Carpetas Docentes de Historia. Secretaria de  Extension Facultad Humanidades y Ciencias de la Educacion - UNLP

As atrocidades cometidas pelos belgas no Congo, sob o domínio de Leopoldo, que envolveram a mutilação de seres humanos, são demasiado conhecidas e horríveis para serem contadas. E o colonialismo europeu nas regiões temperadas do mundo eliminou as populações locais em grande escala, reuniu os que sobreviveram em reservas e apoderou-se das suas terras e habitats. Podemos continuar com esta ladainha de crueldades; o que é importante é que o motivo desta crueldade foi o simples ganho material, que é o que caracteriza o capitalismo.

É claro que se pode argumentar que o saque e a pilhagem foram o motivo de guerras e conquistas ainda mais antigas, muito antes do aparecimento do capitalismo; então, porque é que se há de arrastar o capitalismo para esta questão? A resposta é dupla: em primeiro lugar, tudo o que se diz sobre o capitalismo promover valores humanos não passa de um exagero; na melhor das hipóteses, não é melhor do que o que o precedeu. Em segundo lugar, o saque e a pilhagem dos períodos anteriores eram muito diferentes do que acontece no capitalismo. A pilhagem anterior ainda deixava algo aos que eram pilhados, ou pelo menos permitia-lhes recuperar as suas perdas ao longo do tempo (mesmo que isso pudesse convidar a novas pilhagens posteriores) – mas no capitalismo há uma expropriação permanente dos oprimidos.

No pós-guerra, o capitalismo projetou esta imagem de si próprio, como força humana que combate todas as tendências bárbaras. Recorrendo nomeadamente aos filmes de Hollywood, procurou dar a impressão de que a segunda guerra mundial era essencialmente uma luta entre a democracia liberal ocidental e o fascismo, minimizando o papel decisivo da União Soviética na guerra. Em consequência, a imensa simpatia que existia pela União Soviética em todo o mundo, incluindo o Ocidente, foi sistematicamente diminuída entre os povos dos países capitalistas avançados. Foi-lhes dada a impressão de que estavam a viver num sistema humano como nunca havia existido antes. A observação de Rosa Luxemburgo foi retratada como não tendo qualquer relevância, apesar da guerra do Vietname e de outras guerras que marcaram o período pós-guerra, para não mencionar as depredações da CIA em todo o mundo, ao efetuar mudanças de regime e atos de terror durante esses anos.

No entanto, está ilusão de que o capitalismo é uma força humana acabou. A barbárie do capitalismo é hoje evidente como nunca antes, e o exemplo mais doloroso, mais incrivelmente cruel, é o genocídio dos palestinos que está atualmente a ocorrer com as bênçãos combinadas de todos os países capitalistas avançados. Pelo menos 28 000 pessoas da população civil foram mortas, das quais quase 70 por cento eram mulheres e crianças; de facto, mais de 100 000 estão desaparecidas, um grande número das quais se crê terem sido mortas, o que faz com que o número de mortos ultrapasse largamente os 28 000. Grande parte da população foi bombardeada e expulsa das suas casas, até mesmo as operações de socorro foram prejudicadas pelo facto de o financiamento da UNRWA ter sido suspenso pelas potências capitalistas. A Comissão Económica e Social para a Ásia Ocidental, um organismo da ONU, classificou o que está a acontecer em Gaza como os “100 dias mais mortíferos do século XXI”. Estamos, em suma, a assistir a uma catástrofe humana, desencadeada por um regime sionista absolutamente desumano e agressivo, com o apoio ativo das grandes potências capitalistas.

A agressividade do Estado sionista é tão flagrante que chegou a ameaçar a ministra dos Negócios Estrangeiros da África do Sul com consequências terríveis para si e para a sua família, quando a África do Sul recorreu à Corte Internacional de Justiça acusando Israel de genocídio. O tribunal confirmou a substância do caso da África do Sul e pediu a Israel que desistisse de quaisquer ações genocidas, embora não tenha ordenado o fim imediato da sua guerra em Gaza. O que é surpreendente é que todas as potências capitalistas avançadas apoiaram Israel, com os EUA a considerarem a ação legal “sem mérito”, e a França e a Alemanha a argumentarem que acusar Israel de genocídio é ultrapassar um “limiar moral”.

O que é surpreendente é que, tal como em 1915, quando Rosa Luxemburgo escrevia, a social-democracia tem sido totalmente cúmplice, ainda hoje, da barbárie do capitalismo avançado. Enquanto as pessoas comuns nas ruas de todo o mundo se manifestaram em grandes e impressionantes números contra a agressão israelita, todo o establishment político no Ocidente, desde a extrema-direita até à social-democracia e aos Verdes, e mesmo um segmento à esquerda da social-democracia (como, por exemplo, o Die Linke na Alemanha), alinharam-se atrás do imperialismo e do seu protegido, o colonialismo de colonos israelenses.

Duas questões se colocam de imediato:   como é que o imperialismo se tornou tão encorajado a ponto de revelar o seu carácter bárbaro, apesar da aversão a essa barbárie manifestada pela opinião pública mundial, especialmente no Sul global? E porque é que o imperialismo se tornou subitamente tão desesperado que precisa de mostrar a sua natureza bárbara? A resposta à primeira questão reside, nomeadamente, no colapso da União Soviética e, em geral, no desafio socialista. Enquanto perdurou, a União Soviética atuou, pelo menos nos anos do pós-guerra, como uma influência restritiva sobre a barbárie imperialista em relação ao Sul global. O medo do socialismo, por outras palavras, havia contido a barbárie imperialista, de certa forma justificando indiretamente a afirmação de Rosa Luxemburgo; essa contenção agora desapareceu.

A resposta à segunda questão reside no facto de que a ordem imperial que fora desestabilizada anteriormente, que fora obrigada a ceder ao impulso para a descolonização e para o dirigismo no terceiro mundo, mas que se havia reconstituído através da imposição do regime neoliberal, está de novo a enfrentar uma ameaça mortal; e há uma diferença vital entre a ordem anterior e a atual, a saber, enquanto a ordem anterior do pré-guerra se caracterizava pela rivalidade inter-imperialista, a ordem imperial atual caracteriza-se por um silenciamento da rivalidade e por uma unidade sem precedentes entre as potências imperiais, porque é presidida pelo capital financeiro internacional que não quer o mundo dividido. A ordem atual uniu, portanto, o capital mundial contra os trabalhadores do mundo, não só os trabalhadores dos países capitalistas avançados, mas também os trabalhadores e os camponeses do Sul global, todos eles vítimas desta nova ordem imperial.

A própria vitimização dos trabalhadores do mundo produziu uma crise para esta ordem imperial, uma vez que manteve baixo o consumo na economia mundial, travando assim o crescimento dos mercados e produzindo uma crise de sobreprodução. Dentro do próprio regime neoliberal não há solução para esta crise, uma vez que o ativismo do Estado (sob a forma, por exemplo, de um aumento das despesas do Estado financiado pelo défice orçamental) é um anátema para o neoliberalismo. Em consequência, os trabalhadores do mundo, que já eram vitimados pelo capital internacional globalmente unido, estão agora a ser ainda mais vitimados pelo desemprego, o que torna ainda mais grave a ameaça contra a nova ordem.

A crise produziu regimes fascistas no interior de muitos países; mas está também a produzir uma ordem global extremamente repressiva, em que tanto os poderes capitalistas fascistas como os não fascistas se combinam para suprimir o povo trabalhador, tanto a nível interno como externo. Não há lugar para qualquer moralidade nesta repressão; a barbárie está à plena vista e as potências capitalistas estão unidas na defesa desta barbárie, independentemente da potência específica que a perpetra.

19/Fevereiro/2024

[*] Economista, indiano, ver Wikipedia

O original encontra-se em peoplesdemocracy.in/2024/0218_pd/descent-barbarism

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS