19.5 C
Brasília
domingo, 21 abril, 2024

A Alemanha como dano colateral na nova guerra fria americana

© Sputnik / Aleksei Vitvitsky

Michael Hudson [*]

O desmantelamento da indústria alemã desde 2022 é um dano colateral na guerra geopolítica dos Estados Unidos para isolar a China, a Rússia e os países aliados cuja crescente prosperidade e autossuficiência é vista como um desafio inaceitável à hegemonia dos Estados Unidos. Para se prepararem para o que promete ser uma luta longa e dispendiosa, os estrategistas dos EUA fizeram uma jogada preventiva em 2022 para afastar a Europa das suas relações comerciais e de investimento com a Rússia. De fato, pediram à Alemanha que cometesse suicídio industrial e se tornasse uma dependência dos EUA. Isso fez da Alemanha o primeiro e mais imediato alvo da Nova Guerra Fria americana.

Ao tomar posse em janeiro de 2021, Joe Biden e a sua equipe de segurança nacional declararam a China como o inimigo número um da América, vendo o seu êxito econômico como uma ameaça existencial à hegemonia dos EUA. Para evitar que as suas oportunidades de mercado atraíssem a participação europeia à medida que construía a sua própria defesa militar, a equipe de Biden procurou prender a Europa à órbita económica dos EUA como parte do seu esforço para isolar a China e os seus apoiantes, na esperança de que isso perturbasse as suas economias, criando pressão popular para que renunciassem às suas esperanças de uma nova ordem económica multipolar.

Esta estratégia exigiu sanções comerciais europeias contra a Rússia e ações semelhantes para bloquear o comércio com a China, a fim de evitar que a Europa fosse arrastada para a esfera de prosperidade mútua emergente centrada na China. Para se prepararem para a guerra entre os EUA e a China, os estrategas americanos procuraram bloquear a capacidade da China de receber apoio militar russo. O plano era esvaziar o poder militar da Rússia, armando a Ucrânia para atrair a Rússia para uma luta sangrenta que poderia provocar uma mudança de regime. A esperança irrealista era que os eleitores se ressentissem da guerra, tal como se tinham ressentido da guerra no Afeganistão que ajudou a acabar com a União Soviética. Nesse caso, poderiam substituir Putin por líderes oligárquicos dispostos a seguir políticas neoliberais pró-EUA semelhantes às do regime de Ieltsin. O efeito foi exatamente o oposto. Os eleitores russos fizeram o que qualquer população sob ataque faria:   Uniram-se em torno de Putin. E as sanções ocidentais obrigaram a Rússia e a China a tornarem-se mais autossuficientes.

Este plano dos EUA para uma Nova Guerra Fria global alargada tinha um problema. A economia alemã estava a gozar de prosperidade, exportando produtos industriais para a Rússia e investindo nos mercados pós-soviéticos, ao mesmo tempo que importava gás russo e outras matérias-primas a preços internacionais relativamente baixos. É axiomático que, em condições normais, a diplomacia internacional siga os interesses nacionais. O problema para os guerreiros frios dos EUA era como persuadir os líderes alemães a tomar a decisão pouco económica de abandonar o seu comércio lucrativo com a Rússia. A solução foi fomentar a guerra com a Rússia na Ucrânia e na Rússia e incitar a russofobia para justificar a imposição de um vasto conjunto de sanções que bloqueassem o comércio europeu com a Rússia.

O resultado foi prender a Alemanha, a França e outros países numa relação de dependência em relação aos Estados Unidos. Tal como os americanos descrevem eufemisticamente estas sanções comerciais e financeiras patrocinadas pela OTAN, numa linguagem dupla orwelliana, a Europa “libertou-se” da dependência do gás russo importando gás natural liquefeito (GNL) dos EUA a preços três a quatro vezes mais elevados, despojando-se das suas ligações comerciais com a Rússia e transferindo algumas das suas principais empresas industriais para os Estados Unidos (ou mesmo para a China) para obter o gás necessário para produzir os seus produtos industriais e químicos.

A adesão à guerra na Ucrânia também levou a Europa a esgotar os seus stocks militares. Está agora a ser pressionada a recorrer a fornecedores americanos para se rearmar – com equipamento que não teve um bom desempenho na Ucrânia. As autoridades americanas estão a promover a fantasia de que a Rússia pode invadir a Europa Ocidental. A esperança não é apenas rearmar a Europa com armas americanas, mas também que a Rússia se esgote a si própria à medida que aumenta as suas despesas militares em resposta às da OTAN. Há uma recusa generalizada em ver a política russa como defensiva contra a ameaça da OTAN de perpetuar e mesmo aumentar os ataques para se apoderar da base naval russa da Crimeia, na prossecução do sonho de desmembrar a Rússia.

A realidade é que a Rússia decidiu virar-se para Leste como uma política a longo prazo. A economia mundial está a fraturar-se em dois sistemas opostos, o que deixa os alemães apanhados no meio, com o seu governo a decidir prender a nação ao sistema unipolar dos EUA. O preço da sua escolha de viver o sonho americano de manter uma hegemonia centrada nos Estados Unidos é sofrer uma depressão industrial. Aquilo a que os americanos chamam “dependência” da Rússia foi substituído por uma dependência de fornecedores americanos mais caros, enquanto a Alemanha perdeu os seus mercados russos e asiáticos. O custo desta escolha é enorme. Acabou com o emprego e a produção industrial alemã. Esta tem sido, desde há muito, um dos principais pilares da taxa de câmbio da zona euro. O futuro da UE parece ser de tendência descendente a longo prazo.

Até agora, quem tem perdido com a Nova Guerra Fria dos EUA é a Alemanha e o resto da Europa. Será que a vassalagem econômica aos Estados Unidos compensa a perda da oportunidade de prosperidade mútua com os mercados mundiais que mais crescem?

Do mesmo autor:

[*] Economista.

O original encontra-se em Berliner Zeitung e a versão em inglês em michael-hudson.com/2024/03/germany-as-collateral-damage-in-americas-new-cold-war/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS