13.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

2018, Nicarágua já não é o pais preto e branco do passado

Nicarágua apresenta um magnífico registro de segurança na América

Por Edwin Sanchez

Quando a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) estimou que a economia da Nicarágua se expandirá em 5% em 2018, praticamente deu o banderillazo de saída para que o país vise tudo em 2018.

No final de 2017, as taxas de crescimento foram muito favoráveis ​​para a nação, sendo a terceira economia do sub-hemisfério com um desempenho eficiente, atrás do Panamá e da República Dominicana.

Mas o tema constante e som da ordem material não é dado por geração espontânea, isolada dos eventos espirituais nicaragüenses. É o resultado de uma sociedade que respira concórdia e ama a paz, responde com trabalho árduo e fé em Deus.

Podemos ver que as pessoas da Nicarágua nos últimos anos estão recuperando seus padrões de antigamente: pessoas tranquilas, dadas à solidariedade, à hospitalidade e ao trabalho do dia a dia, que não há atraso. Como um todo, a economia e a cultura refletem com precisão aquelas caminhadas que nos identificam com o melhor de nossa identidade nacional.

É claro que muitos dos efeitos positivos de uma sociedade saudável não são favoráveis ​​a uma minoria da extrema direita, porque tentam impor seu ponto de vista a qualquer custo, projetando suas próprias opiniões como fatos.

Um dos exemplos verificáveis ​​é a estabilidade nacional. Sem as convulsões sociais ou a violência que outros países sofrem, nos jornais de notícias da imprensa internacional, a menos que haja uma agenda política, os cartéis não são acompanhados como Pedro por sua casa, matadores, ataques, terrorismo …

Mais segurança cidadã

A Nicarágua, ao contrário, apresenta um magnífico registro de segurança na América. O primeiro comissário da polícia, Aminta Granera, informou que foi reduzido de 8 para 6 homicídios por cada 100.00 habitantes. É a taxa mais baixa da América Central e a segunda na América Latina.

“A taxa de homicídios no período (agosto de 2016 a julho de 2017) é de 6 homicídios por 100.000 habitantes. Esta é a taxa mais baixa da Nicarágua nos últimos 16 anos “, afirmou o chefe da polícia.

Isso faz parte da realidade vasta e verificável.

O diretor-geral da América Latina e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores do Japão, Yasushi Takase, em junho, realizando uma reunião com o presidente do Banco Central da Nicarágua, Ovidio Reyes e o ministro das Finanças e do Crédito Público, Iván Acosta, destacou o comportamento vital da nação.

“Sabemos que a Nicarágua está mantendo um crescimento econômico muito estável nos últimos anos. O Presidente do Banco e Ministro (do Tesouro) nos explicou o segredo deste crescimento “, em referência ao Modelo de Alianças, Diálogo e Consenso entre a empresa privada, o Estado e os trabalhadores.

“O Japão e a Nicarágua têm muitos anos de relacionamento muito amigável, no entanto, queremos promover ainda mais nossos relacionamentos, e é por isso que eu venho aqui. O Japão está decidido a continuar cooperando com a Nicarágua “, disse ele.

Essas palavras não vêm de qualquer lugar. Eles vêm da posição alta de uma das nações mais poderosas do mundo, em todos os ramos, a ponto de dizer que a “marca japonesa” é reconhecer um selo de qualidade garantida.

E o que o Sr. Takse disse também é apreciável em termos de investimento. A confiança depositada por 68 países, nas mais diversas áreas, reitera o bom curso da República.

Enquanto isso, Javier Corado, gerente de British American Tobacco Central America e Caribe (Batca), anunciou em outubro que a empresa desembolsará US $ 4,5 milhões de capital nicaragüense e inglesa.

“O fortalecimento de nossa infraestrutura é um dos sinais mais claros da confiança que temos no país. Esses tipos de investimentos são fundamentais para transformar Managua em uma cidade moderna e próspera “, afirmou.

Rodolfo Contreras de Marketing e Vendas do Hard Rock Café Managua, disse este mês que abriram o negócio depois de “um estudo muito completo; nossos parceiros apresentaram o melhor que a Nicarágua e nós percebemos as expectativas de crescimento em que todos seremos favorecidos “.

Contra a lavagem

A Nicarágua também aponta para a transparência. Em agosto passado, o Basel Institute, uma organização independente sem fins lucrativos, informou que a Nicarágua e El Salvador são os países com menor risco de lavagem de dinheiro e financiamento para o terrorismo, de acordo com o Índice de Lavagem de Dinheiro. Ativos e Contra o Financiamento do Terrorismo (AML / CFT).

De acordo com o relatório, “em uma pontuação de zero a dez, em que a pontuação mais alta indica um risco maior, El Salvador obteve uma pontuação de 4,69 e Nicarágua de 5,84, no relatório de Basileia para o ano de 2016. O risco é maior na Costa Rica (5,93), Guatemala (5,97), Honduras (6,04) e Panamá (7,09) “.

Por outro lado, em julho, a agência de rating de crédito Moody’s Investors Service reajustou a perspectiva de rating de “estável” para “positivo”. Também ratificou a categoria “B2” da classificação da dívida soberana da Nicarágua em moeda nacional e estrangeira, informou ontem o Banco Central da Nicarágua (BCN).

A Moody’s baseia sua decisão em dois “fatores-chave”: o primeiro refere-se à continuidade da estabilidade fiscal e perspectivas econômicas favoráveis; e, segundo, a expectativa da agência de rating de que as políticas macroeconômicas das autoridades mitigarão o impacto de possíveis possíveis choques externos futuros.

Em agosto, a Fitch Ratings, uma agência de rating de risco, sustentou uma imagem positiva da Nicarágua, para atrair mais investimentos estrangeiros, como resultado da estabilidade macroeconômica existente.

“Para nós é importante que essas classificações permaneçam, vemos que em outros países da América Central caíram, os que ficam na Nicarágua permanecem, em alguns casos tem uma perspectiva positiva e isso nos permite continuar atraindo investimentos”, disse José Adán Aguerri, presidente do Conselho Superior da Empresa Privada (COSEP).

Esta é a plataforma que foi construída em nossa República. E graças a Deus, apesar das limitações estruturais que são arrastadas do passado, da queda dos preços em alguns produtos no mercado internacional, dos estragos da tempestade Nate e da insidiosa campanha de alguns para afetar a imagem da Nicarágua .

Em 1977, considerado o ano máximo da economia nacional, havia apenas – e aqui o termo conta – 2 milhões 928 mil 981 de nicaraguenses. Não é o mesmo administrar uma nação com esse país rural, possuindo apenas 102 mil 514 televisores preto e branco, que falam de mais de 6 milhões vivendo em uma república mais urbana e mais comunicada.

Em agosto passado, o Banco Central explicou que 86,2% das casas na Nicarágua possuem uma TV a cores.

Em 2018, a Nicarágua entra em outro nível com o sandinismo liderado pelo comandante Daniel Ortega e pelo escritor Rosario Murillo. Já não é o país preto e branco que herdamos. E não se trata de nenhuma metáfora. (Pensando Américas – A Voz do Sandinismo)

http://www.pensandoamericas.com/2018-nicaragua-ya-no-es-el-pais-en-blanco-y-negro-del-pasado

ÚLTIMAS NOTÍCIAS