23.5 C
Brasília
quinta-feira, 23 maio, 2024

200 dias de genocídio: a resistência palestina prevalece sobre a ocupação israelense

Os campos de extermínio de Gaza, cortesia do regime colonial genocida de Tel Aviv, entraram agora no seu sétimo mês, sem trégua para o território sitiado de milhões de pessoas.

Por: Iqbal Jassat*

HispanTV – O regime assassino terá levado a cabo 3.025 massacres entre 7 de Outubro de 2023 e 23 de Abril de 2024, com pelo menos 42.510 civis inocentes massacrados impiedosamente, incluindo 15.780 crianças, incluindo aquelas que se presume estarem mortas sob os escombros.

Em média, 212 pessoas morrem todos os dias, incluindo 79 crianças e 50 mulheres, informou na terça-feira o Observatório Euro-Mediterrânico dos Direitos Humanos (Euro-Med), marcando 200 dias de ataque ilimitado a Gaza.

O gabinete do governo de Gaza também emitiu um comunicado na terça-feira, partilhando estatísticas sombrias dos 200 dias de guerra. Estima-se que 7 mil pessoas estejam desaparecidas sob os escombros e mais de 76 mil ficaram feridas.

A maior parte da infra-estrutura pública foi destruída na faixa sitiada, incluindo 70 por cento das propriedades residenciais, todas as universidades e 33 dos 36 hospitais. Na Cisjordânia ocupada, o exército israelita e os colonos mataram 486 palestinianos e feriram mais de 4.700 nos últimos 200 dias.

Além disso, a estratégia maligna da fome do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, tem sido parte da táctica do seu gabinete de guerra para fazer com que milhões de palestinianos morram de fome.

Para agravar a conduta criminosa do regime do apartheid, Netanyahu, acusado de corrupção, implicou falsamente a agência da ONU para os refugiados palestinianos como um comparsa de “terroristas”, resultando na suspensão do financiamento e na cessação da sua ajuda humanitária aos refugiados palestinianos.

Infelizmente, as acusações infundadas contra a UNRWA levaram a uma vergonhosa corrida por parte dos governos ocidentais para cortar 450 milhões de dólares em financiamento, numa altura em que “pessoas morriam em massa”, como descreveu a comunicação social.

Meses mais tarde, porém, o mundo é informado de que as acusações israelitas não foram provadas.

Uma investigação rigorosa liderada pela ex-Ministra dos Negócios Estrangeiros francesa, Catherine Colonna, apoiada por três institutos de investigação altamente respeitados, concluiu que não havia provas da alegação de que um número significativo de funcionários da UNRWA tinha ligações ao HAMAS ou à Jihad Islâmica.

Se esta conclusão decisiva da investigação de Colonna refuta as falsas alegações de Israel, resta saber se os governos ocidentais irão mais uma vez financiar a UNRWA, desferindo assim um golpe nos maliciosos objectivos de guerra de Netanyahu. Ou continuarão a arrastar os pés, como está acontecendo agora?

Se não conseguirem reiniciar o financiamento, os palestinianos não podem ser responsabilizados por acreditarem que o Ocidente continua refém das mentiras e do genocídio vingativo do regime de Netanyahu.

Ao mesmo tempo, foi divulgado outro importante relatório condenando o ataque sangrento de Israel às instituições médicas de Gaza e a negação de cuidados de saúde. O autor é um médico sul-africano, Tlaleng Mofokeng, relator especial da ONU sobre o direito à saúde.

No seu relatório contundente, Mofokeng enfatizou a sua dificuldade em recolher dados sobre o número de pessoas que necessitam de evacuação médica devido à destruição de infra-estruturas civis.

Mas ela deixou absolutamente claro que o mundo está a testemunhar um “genocídio” em Gaza.

“Israel não está apenas a causar danos irreparáveis ​​contra civis palestinianos com os seus bombardeamentos, mas também está, consciente e intencionalmente, a impor a fome, a desnutrição prolongada e a desidratação”, disse ela.

Numa conferência de imprensa em Genebra, Mofokeng não mediu palavras ao dizer que, como médica, é testemunha de que a própria prática da medicina está sob ataque.

“Esta tem sido uma guerra contra o direito à saúde e os determinantes subjacentes da saúde. “A infra-estrutura de saúde em Gaza foi completamente destruída e o direito à saúde foi dizimado a todos os níveis”, disse ele.

“Israel não está apenas a matar e a causar danos irreparáveis ​​a civis palestinianos com os seus bombardeamentos, mas também está, consciente e intencionalmente, a impor a fome, a desnutrição prolongada e a desidratação.”

Se não conseguirem reiniciar o financiamento, os palestinianos não podem ser responsabilizados por acreditarem que o Ocidente continua refém das mentiras e do genocídio vingativo do regime de Netanyahu.

Curiosamente, os estudantes de muitas universidades americanas, incluindo a prestigiada Universidade de Columbia, tornaram-se uma força poderosa que exige o fim da cumplicidade na guerra de Israel contra Gaza.

Milhares de manifestantes, entre cidadãos e estudantes, ocupam os campi das principais instituições de ensino dos Estados Unidos.

Eles protestam em seus campi há dias, apesar da mão pesada da polícia americana.

A observação do professor Sami al-Arian sobre estes protestos furiosos nos campi universitários de todo o país resume tudo perfeitamente:

“O que está acontecendo nos campi universitários americanos não tem precedentes. Morei quatro décadas nos Estados Unidos, 28 das quais em ambientes acadêmicos. Durante o meu tempo, foi uma luta muito desafiante apresentar uma narrativa anti-sionista”, escreveu ele numa publicação no X, antigo Twitter.

“Mas a paixão, a coragem, a humanidade, a criatividade e a determinação demonstradas hoje em dia pelos estudantes nos campi dos EUA me deixam orgulhoso. “O controlo sionista sobre a sociedade americana está a enfraquecer e a diminuir”, sublinhou.

Ao que tudo indica, é muito claro que, apesar das várias tentativas do regime do apartheid para obter e manter o apoio global ao seu terrorismo em Gaza, provou ser um fracasso lamentável.

Na verdade, os enormes recursos atribuídos por Israel para sobrecarregar a cobertura noticiosa do horrendo genocídio a partir da falsa perspectiva do “direito de Israel a defender-se do terrorismo” têm sido um pilar fundamental do objectivo de Netanyahu de permanecer no poder.

Como salienta o autor Ralph Nader, ao longo da história, os impérios militares reduziram as suas vítimas, os seus subjugados e os seus raptados ao estatuto de “Os Outros”. As instituições políticas e os meios de comunicação social fazem frequentemente o mesmo e apoiam as políticas predatórias do seu império com uma cobertura tendenciosa.

É portanto notável que, juntamente com a resistência armada dos combatentes da liberdade palestinianos para resistir a 200 dias de bombardeamentos implacáveis, as imagens da devastação de Gaza e os relatos de testemunhas oculares de médicos, jornalistas e famílias deslocadas não permitiram ao regime sionista escapar à indignação global. .

*Iqbal Jassat é membro executivo da Media Review Network, Joanesburgo, África do Sul.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS