Brasília, 4 de dezembro de 2021 às 10:29
Selecione o Idioma:

Internacional

Postado em 18/02/2016 11:34

WikiLeaks – “Operação Sofia”

.

– Relatório semestral: 22/Jun a 31/Dez/ 2015
por WikiLeaks

Hoje, 17/Fev/2016, WikiLeaks divulga o relatório classificado acerca dos primeiros seis meses da Operação Sophia, a intervenção militar da UE contra “barcos de refugiados” na Líbia e no Mediterrâneo.

A 'ajuda' da UE.

O relatório, datado de 29/Jan/2016, é escrito pelo Comandante da Operação, Contra-Almirante Enrico Credendino, da Armada Italiana, para o Comité Militar da União Europeia e para o Comité de Segurança da UE. Ele apresenta estatísticas do fluxo de refugiados e esboça as fases cumpridas e planeadas da operação (1, 2A, 2B e 3), as correspondentes actividades das forças conjuntas da UE a operarem no Mediterrâneo e as estratégias futuras para a operação.

Um dos principais elementos no interior do relatório é a transição planeada, mas ainda pendente, da Fase 2A (operação em Alto Mar) para a Fase 2B (operação em Águas Territoriais Líbias) devido à situação volátil do governo na Líbia, onde a construção de um “Governo de Acordo Nacional” (GNA) ainda está em curso.

O relatório insta os organismos responsáveis da UE a ajudar a acelerar o processo de formação de um governo “confiável” na Líbia que em contrapartida espera-se que “convide” forças da UE a operarem dentro das suas Águas Territoriais (Fase 2B) e posteriormente dar mesmo permissão para estender as operações militares da UE a terra firme (fase 3).

No mês passado houve meia dúzia de reuniões de alto nível entre a UE e responsáveis dos EUA (inclusive com o secretário de Estado John Kerry, em Roma) pois militares dos EUA afirmam que até 5000 combatentes dos Estado Islâmico ganharam o controle sobre partes da costa líbia. Fortes pressões foram aplicadas sobre os principais grupos de poder na Líbia para acelerar a conclusão do GNA e “convidar” forças ocidentais. O convite do GNA era aguardado em Janeiro. A imprensa líbia tem relatado que já chegaram forças especiais dos EUA, Reino Unido e francesas (não há admissão pública por parte dos países ocidentais). Dentro da Europa, a Itália e o Reino Unidos têm sido as forças condutoras por trás da intervenção militar.

Descarregue o EEAS-2016-126

Clique a página frontal abaixo para a versão HTML
.
Descarregue o EEAS-2016-126

(em 25/Maio/2015)
Plano da UE para intervenção militar contra “barcos de refugiados” na Líbia e no Mediterrâneo

Hoje a WikiLeaks está a divulgar dois documentos classificados da UE, delineando a planeada intervenção militar contra barcos que viajam da Líbia para a Itália. O mais significativo dos dois documentos foi escrito pelos chefes da defesa combinados dos estados membros da UE. O plano foiaprovado formalmente pelos representantes de todos os 28 países em 18/Maio/2015.
Ler aqui o comunicado de imprensa completo .

 

Descarregue aqui o plano aprovado dos chefes da defesa da UE
Clique a página frontal abaixo para a versão HTML
.
Descarregue aqui o plano aprovado dos chefes da defesa da UE
Descarregue aqui a Recomendação do Grupo Político-Militar da UE
Clique a página frontal abaixo para a versão HTML.
Descarregue aqui a Recomendação do GrupoSe tiver informação adicional sobre o plano da UE, contacte-nos .17/Fevereiro/2016

Ver também:

A inundação de refugiados na Europa – trabalho barato & utilização política

L’UE a coulé 67 bateaux de migrants (Opération Sophia) [A UE afundou 67 barcos de migrantes (Operação Sofia)]

O original encontra-se em https://wikileaks.org/eu-military-refugees/

Estes documentos encontram-se em http://resistir.info/

Político-Militar da U

 

Comentários: