Brasília, 7 de junho de 2021 às 23:22
Selecione o Idioma:

Papo do Dia:

Cuba

Postado em 01/04/2021 7:38

Washington Post diz que Cuba pode se tornar uma potência de vacinas contra o coronavírus

.

(Foto: Divulgação)

A Ilha pode estar à beira de um avanço singular: tornar-se uma potência de vacinas contra o coronavírus, escreve o jornal estadunidens.

247 – Cinco vacinas candidatas estão se desenvolvendo, duas em estágio final de testes com o objetivo de uma implementação mais ampla até maio. Se bem-sucedidas, as vacinas seriam um feito de proezas médicas contra todos os prognósticos, bem como um golpe de relações públicas para um país isolado de 11 milhões de habitantes que foi adicionado à lista de patrocinadores estatais do terrorismo nos últimos dias da administração Trump.

As autoridades cubanas dizem que estão desenvolvendo soros baratos e fáceis de armazenar. Eles podem durar semanas em temperatura ambiente e em armazenamento de longo prazo até 46,4 graus, tornando-os potencialmente uma opção viável para países tropicais de baixa renda que foram deixados de lado por nações maiores e mais ricas na disputa internacional para vacinas contra o coronavírus.

Poderiam também fazer de Cuba a farmacêutica das nações agrupadas por Washington no “Eixo do mal” e na “Troika da tirania”. O Irã e a Venezuela assinaram acordos de vacinas com Havana. O Irã concordou em sediar um teste de Fase 3 de um dos candidatos mais promissores de Cuba, a Soberana 02, como parte de um acordo de transferência de tecnologia que pode gerar milhões de doses fabricadas no Irã.

“Temos grande confiança na ciência médica cubana e na biotecnologia”, disse o chanceler venezuelano Jorge Arreaza ao The Washington Post esta semana. “Será fundamental não só para a Venezuela, mas para a América. Será a verdadeira solução para o nosso povo”.,

Se os testes de Fase 3 forem positivos, disseram as autoridades cubanas esta semana, eles passarão para um vasto “estudo de intervenção” que inoculará quase todos os residentes de Havana, ou 1,7 milhão de pessoas, até maio. Em agosto, sua meta seria atingir 60% da população nacional, e o restante receberia as doses até o final do ano, destaca reportagem de Anthony Faiola e Ana Vanessa.

Se alcançada, essa meta ambiciosa poderia colocar Cuba, um país onde o pesquisador científico médio ganha cerca de US $ 250 por mês, entre as primeiras nações do mundo a obter imunidade de rebanho, colocando-o em posição de atrair turistas com vacinas e exportar excedentes o que as autoridades dizem pode chegar a 100 milhões de doses até o final do ano.

“A principal contribuição será imunizar toda a população cubana e controlar a transmissão do vírus”, disse na semana passada Eduardo Martínez Díaz, presidente da BioCubaFarma, conglomerado estatal que supervisiona o desenvolvimento da vacina em Cuba. “O país poderá voltar à normalidade e será seguro para quem quiser e decidir visitar a ilha”.

Tradução do Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

Comentários: