Brasília, 22 de janeiro de 2022 às 06:05
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 21/05/2018 8:44

Vitória de Maduro: povo venezuelano ‘deu uma lição à CIA’

.

© REUTERS / Carlos Jasso

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito para o cargo neste domingo (20). O deputado russo Aleksandr Yuschenko comentou o que significam os resultados das presidenciais na Venezuela.

No domingo (20), Nicolás Maduro voltou a vencer as eleições presidenciais, obtendo 5,8 milhões de votos (cerca de 68%). Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, o candidato Henri Falcón obteve mais de 1,8 milhão de votos e Javier Bertucci 952 mil votos. No total, as eleições contaram com a participação de cerca de 46% dos eleitores.

Nicolás Maduro comemora reeleição na Venezuela
© REUTERS / CARLOS GARCIA RAWLINS

Após a vitória, Maduro chamou seus adversários ao diálogo e afirmou que os países estrangeiros devem parar de desestabilizar a Venezuela.O deputado da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) Aleksandr Yuschenko opinou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, que os resultados das eleições mostram que o povo venezuelano apoiou a política iniciada por Hugo Chávez.

“[Os venezuelanos] mais uma vez deram uma lição à CIA, que lá opera. O povo da Venezuela apoiou o curso proclamado por Hugo Chávez, apesar dos ‘especialistas americanos de mudança de regimes’ terem muitas vezes levado a cabo as suas ações no país”, afirmou o deputado.

Segundo Yuschenko, o próprio Maduro experimentou uma grande pressão, pois houve muitas tentativas de derrubar o governo, mas a Venezuela mostrou que isso não dará certo.

“Isso não agradará nada aos EUA. Não excluo que os americanos façam tentativas, inclusive ilícitas, de derrubar o governo. […] [os EUA] vão ‘alimentar’ a oposição, tentando ampliar sua influência por toda a Venezuela. Mas o povo, que na maioria vivia abaixo da linha de pobreza quando a influência dos EUA era grande, agora vê que esta pode ser combatida”, declarou.

Falando da América Latina em geral, o deputado apontou para a tendência de governos de direita nos países da região, incluindo na Argentina e no Brasil.

“[No Brasil e na Argentina] os governos também eram liderados por forças de direita, mas lá os norte-americanos conseguiram certos resultados inclusive através de métodos ilegais de influência nesses países. Os governos foram mudados. E, claro, a América Latina, como todo o mundo, se dividiu em duas partes: os que apoiam os EUA e sua presença em seu território e os que estão categoricamente contra o domínio dos EUA no mundo”, disse.

O deputado sublinhou que a última tendência é significativa na América Latina, onde os ânimos antiamericanos são bastante pronunciados.

“Os Estados Unidos se preocupam muito com isso e realizam uma política ativa e agressiva de mudança de regimes”, concluiu.

Assim, o futuro da Venezuela, segundo Yuschenko, dependerá do grau em que os EUA venham a intensificar a sua influência e da forma como o povo venezuelano conseguir resistir a essa influência.

Comentários: