Brasília, 28 de novembro de 2021 às 05:32
Selecione o Idioma:

Venezuela

Postado em 25/08/2020 9:11

Venezuela na luta total contra os criminosos infiltrados nos órgãos de segurança

.

Caracas, (Prensa Latina) O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, ratificou nesta terça (25) o compromisso do Estado de erradicar os criminosos infiltrados nos órgãos de segurança, mediante a denúncia dos fatos irregulares ocorridos no estado de Zulia.
Em entrevista coletiva na sede do Ministério Público, o titular disse que foram expedidos nove mandados de prisão contra agentes da Força de Ações Especiais de Polícia (FAES), implicados na execução extrajudicial de dois comunicadores sociais na cidade de Cabimas. .

As investigações realizadas por peritos criminais e forenses mostraram que os supostos envolvidos na ação penal tentaram encobrir o assassinato das vítimas como se tivesse ocorrido no âmbito de um confronto armado, disse Saab.

Destacou que o primeiro processo apontou os policiais José Salas, Néstor Olano, Nerio Álvarez, Andrés Díaz, José Moreno e José Contreras como responsáveis pela execução de Andrés Zacarías e Víctor Torres, que trabalhavam para o meio comunitário alternativo La Guacamaya TV.

Também foi solicitado um mandado de prisão contra Freddy Deroy Ramírez e Deivid Miguel Guerrero Moreno, subchefe e comissário adjunto da FAES Zulia, respectivamente, por preparar relatórios falsos para encobrir as ações de seus subordinados.

‘Com esta ação queremos abrir um precedente, a cooperação com superiores não será tolerada’, disse Saab, informando também sobre o envolvimento nas ações de encobrimento de um ex-procurador do Ministério Público, Jackbe de los Ángeles Galbán, próximo a um dos funcionários envolvidos.

O procurador-geral frisou que as forças de segurança devem garantir os direitos humanos, mesmo nas circunstâncias mais difíceis; ‘Não podemos permitir que uma minoria manche o nome do Estado’, disse ele.

‘Jamais concordaremos, sob qualquer pretexto, com funcionários que usem uniformes, insígnias, armas e veículos cedidos pelo Estado para roubar e matar’, frisou, reiterando o compromisso das autoridades com a defesa da paz e dos direitos humanos do povo venezuelano.

Comentários: