Brasília, 17 de julho de 2021 às 18:59
Selecione o Idioma:

Venezuela

Postado em 17/07/2021 6:56

Venezuela enfrenta base de operações paramilitares estabelecida na Colômbia, diz ministro da Defesa

.

AMÉRICAS

Sputnik – Ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, afirmou que o seu país enfrenta uma base de operações paramilitares estabelecida na Colômbia, cujo objetivo é desestabilizar a situação na fronteira entre os dois países.

“Nos confrontamos com uma base de operações paramilitares em território colombiano que ataca sistematicamente, com todos os planos perversos da oligarquia colombiana, a pátria do libertador”, disse Padrino.

O ministro afirmou que as quadrilhas paramilitares colombianas se converteram em um produto de exportação.

“Se tornou um produto de exportação que tem tido o seu efeito, como já vimos no Caribe, que tem tido o seu efeito na Venezuela, quando em uma zona fronteiriça tentaram criar um território indefinido, uma paraeconomia proveniente e alimentada pelo narcotráfico e pelas gangues paramilitares”, ressaltou.

Soldados colombianos patrulham de barco no rio Arauca, na fronteira entre Colômbia e Venezuela, visto de Arauquita, Colômbia em 28 de março de 2021.
© REUTERS / LUISA GONZALEZ
Soldados colombianos patrulham de barco no rio Arauca, na fronteira entre Colômbia e Venezuela, visto de Arauquita, Colômbia em 28 de março de 2021

Padrino López disse que se trata de uma estratégia concebida pelo Ocidente e pelo Oriente para fragmentar a Venezuela, mas que o país não o permitirá. Ao mesmo tempo, o ministro da Defesa sublinhou que a Venezuela conseguiu vencer as tentativas de desestabilização, pois conta com Forças Armadas coesas.

Caracas tem acusado o governo colombiano de armar quadrilhas paramilitares para atacar seu território e tentar assassinar o presidente Nicolás Maduro.

Nesta terça-feira (13) o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, mostrou provas em como o assassinato do presidente do Haiti poderia estar ligado ao atentado contra Nicolás Maduro em 2018.

Comentários: