19.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Venezuela denunciou novos planos de sabotagem contra o sistema elétrico

Caracas, 3 de julho (Prensa Latina) O presidente da Venezuela, Nicolás Maduró, denunciou hoje novos planos de sabotagem contra o sistema elétrico nacional, desta vez no cabo submarino que liga o território continental ao estado de Nueva Esparta, ilha Margarita.

Numa cerimónia de promoção de oficiais da Guarda de Honra Presidencial e da Direcção Geral de Contra-espionagem Militar, no teatro Teresa Carreño, em Caracas, o presidente indicou que tentaram cortar aquele cabo de 37 quilómetros para deixar aquela zona sem electricidade, de grande interesse turístico. desenvolvimento.

“Quem pensa nestes ataques criminosos, o que procuram, quem está por trás disto”, perguntou, acrescentando que são os mesmos que aumentaram a sabotagem na guerra eléctrica.

Reafirmou que são os mesmos que fazem sabotagens “nunca vistas na Venezuela para que caiam pontes, aqueles que querem violência e guarimba”.

Maduro disse que tinha más notícias para essas pessoas com sobrenomes e seus senhores imperiais.

“Ninguém envergonhará a Venezuela, teremos paz, tranquilidade, estabilidade” e este ato é uma demonstração da força das instituições do Estado e das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas, afirmou.

Anteriormente, em declarações ao programa 360 da Venezolana de Televisión, o ministro do Turismo, Alí ​​Padrón, deu detalhes do plano terrorista, com o qual pretendiam deixar mais de 60 por cento da população de Margarita sem eletricidade.

Alertou que se a tentativa de sabotagem tivesse sido levada a cabo, teria causado uma grave perturbação da actividade económica e dos serviços públicos na saúde e na vida da população em geral.

Padrón afirmou que o chefe de Estado ordenou uma investigação para determinar os responsáveis ​​por estes planos terroristas.

Na semana passada, a vice-presidente executiva Delcy Rodríguez também denunciou a tentativa de desabamento da ponte Angostura, que liga os estados de Bolívar e Anzoátegui.

Autoridades do Governo, do Partido Socialista Unido da Venezuela e das Forças Armadas Nacionais garantiram que não permitirão ações violentas de qualquer natureza antes, durante e depois das eleições presidenciais de 28 de julho, cuja campanha oficial começa nesta quinta-feira (04)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS