11.5 C
Brasília
domingo, 14 julho, 2024

Venezuela, Cuba e Brasil, exemplos de relacionamento exemplar com África

Adis Abeba (Prensa Latina) Países como Venezuela, Cuba e Brasil foram pioneiros no estabelecimento de uma relação modelo com África, são um exemplo de que podemos avançar com sucesso e benefícios numa relação de iguais, afirmou nesta segunda (30/10) uma fonte oficial.

 Por: Nara Romero Rams

Isto foi expresso pelo chanceler venezuelano, Yván Gil, em entrevista à Prensa Latina ao abordar a importância de estabelecer laços que beneficiem todas as partes, sem esquemas de dominação estabelecidos pelas grandes potências mundiais.

“Não é a mesma coisa estabelecer uma relação sob o esquema de dominação que se estabeleceu para nós com a Europa, com os Estados Unidos numa relação de dominação, de exploração, de um país grande para um país pequeno, onde extrai os seus recursos naturais e o seu conhecimento para efeitos de acumulação de riqueza nestes países”, afirmou.

No caso de África e da América Latina, continuou Gil, estamos a falar de uma relação de iguais, este tipo de relação é muito mais simples, muito mais limpa, muito mais humana.

Considerou que neste caso se complementam porque as necessidades e potencialidades são as mesmas, bem como as semelhanças históricas, não só pelos africanos que estiveram na América Latina depois da conquista, mas também recentemente a nossa luta pela independência tem sido o mesmo.

“A maioria dos países africanos e latino-americanos conquistaram a nossa independência com sangue, suor e lágrimas e sabemos o que é soberania, defendemo-la e esse princípio partilhado é fundamental para estabelecer uma relação ganha-ganha”, sublinhou.

Na opinião do diplomata venezuelano, este é o caminho adequado a seguir para estabelecer boas relações com o mundo inteiro. A África e a América Latina estão a mover-se entre iguais.

Sobre a resistência dos governos e povos de Cuba e da Venezuela contra as sanções impostas pelos Estados Unidos e a moral diplomática reconhecida internacionalmente, o Chanceler Bolivariano destacou que ambos os países demonstraram ao mundo que podem se levantar, avançar apesar das dificuldades e inspirar outras nações.

“Esse é um exemplo que tem peso em África. Talvez aqui tenhamos visto países que agora começam a levantar-se fortemente, a começar a reivindicar o que lhes pertence, os seus direitos, a sua soberania, e temos que fazer isso juntos”, frisou.

Não pedimos que se copiem modelos, mas é importante que a resistência dos povos aos ataques excessivos das potências estrangeiras seja um bom sinal, um bom guia para o resto dos países do mundo, concluiu.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS