Brasília, 27 de novembro de 2021 às 06:41
Selecione o Idioma:

Venezuela

Postado em 28/05/2020 9:29

TSJ da Venezuela ratifica novo presidente da AN e proíbe ‘parlamento paralelo’ de Guaidó

.

O Supremo Tribunal de Justiça (TSJ) da Venezuela decidiu nesta terça-feira (26/05) ratificar o deputado Luis Parra como presidente da Assembleia Nacional venezuelana.

A decisão da Corte garante a presidência do Parlamento ao deputado do partido de oposição Primeiro Justiça, eleito em 05 de janeiro, e proíbe o “parlamento paralelo” criado por Juan Guaidó ao ser derrotado na disputa pela liderança do Legislativo.

“Segundo a decisão, fica proibida a instalação de um parlamento paralelo ou virtual, que não possui nenhum efeito jurídico, e estabelece que qualquer pessoa pública ou privada que empreste ou ceda espaço para ele será considerada em desacato”, diz o TSJ em comunicado.

Os três novos integrantes da direção da AN eleitos em janeiro, todos opositores de direita ao governo do presidente Nicolás Maduro, foram apoiados por outras legendas da oposição que não reconheciam mais a liderança de Guaidó e também por deputados do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Assemblea Nacional
Luis Parra, deputado de direita do Primeiro Justiça, foi eleito para presidência da AN no dia 05 de janeiro


Leia mais:

Assembleia venezuelana escolhe nova mesa diretora e derrota Juan Guaidó

Como Juan Guaidó perdeu a liderança da Assembleia Nacional da Venezuela


Apoiadores de Juan Guaidó não participaram da eleição da nova direção. Eles acusaram o governo venezuelano de impedir fisicamente a entrada de opositores no prédio do Parlamento. Guaidó chegou a tentar saltar uma grade do prédio da Assembleia, sem sucesso. Membros do governo Maduro e deputados chavistas e da oposição disseram que não havia tal impedimento e que o grupo de Guaidó, ao perceber que estava em minoria, simulou essa barreira.

Após a derrota na AN, Guaidó e apoiadores realizaram uma “votação paralela” realizada na sede do jornal venezuelano El Nacional, na qual foi anunciada sua “reeleição à presidência do Parlamento” por unanimidade dos presentes.

A sessão não oficial contou apenas com a presença de parlamentares da oposição aliados a Guaidó.

Comentários: