Brasília, 15 de abril de 2021 às 07:49
Selecione o Idioma:

Especiais

Postado em 28/02/2021 8:32

Testes e produção de vacinas cubanas contra a Covid-19 avançam paralelamente

.

Os primeiros dias de março, uma vez aprovado pelo Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (Cecmed), marcarão o início da fase III dos testes clínicos Abdala (CIGB-66) e Soberana 02, dos candidatos de vacinas cubanas contra a Covid-19 que provaram ser seguros e capazes de alcançar uma resposta imunológica poderosa a este vírus.

Em um percurso com a imprensa pelas instalações onde se fabricam os antígenos destas possíveis vacinas, o doutor em Ciências Eduardo Martínez Díaz, presidente do grupo empresarial das indústrias da Biotecnologia e Farmacêuticas de Cuba (BioCubaFarma), anunciou que, em paralelo com esses estudos, continua a produção em escala industrial dessas soluções injetáveis.

Presidente da #BioCubaFarma, Dr. Eduardo Martínez Díaz, faz um percurso por @CIGBCuba e @centro_cim, instituições do setor onde se obtém o ingrediente farmacêutico ativo de vacinas candidatas. # Soberana01, # Soberana02, #Abdala e #mambisa pic.twitter.com/QM2UBqEVKq

– BioCubaFarma (@BioCubaFarma) 25 de fevereiro de 2021.

Em relação ao candidato Abdala, concretamente, o presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou no Twitter que «já começa a ser produzido em grande escala no prestigiado Laboratório AICA. Lotes prontos para a terceira fase do teste clínico, em Santiago e Guantánamo, a partir de março. Notícias que encorajam, mas não dão motivos para descuidos».

Em relação aos testes da Soberana 02, o doutor em Ciências Vicente Vérez Bencomo, diretor geral do Instituto Finlay de Vacinas, destacou que na fase III deste estudo participarão cerca de 44 mil voluntários, enquanto será realizado um teste de intervenção, o qual deverá incluir mais de um milhão de pessoas.

Em ambos os casos, acrescentou, «o objetivo é medir a eficácia da vacina contra a infecção, questão que, até agora, não foi analisada em nenhum dos candidatos, além do fato de que este segundo ensaio permitirá mais pessoas a serem imunizadas».

O mestre em ciências Eduardo Ojito Magaz, diretor do Centro de Imunologia Molecular (CIM), instituição responsável pela fabricação do antígeno que funciona como matéria-prima das vacinas Soberanas, afirmou que as mais de 300 mil doses da Soberana 02, necessárias para o teste, já são produzidas; enquanto atualmente se concentra naquelas necessárias para o estudo simultâneo.

Marta Ayala Ávila, membro do Bureau Político do Partido e diretora-geral do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), garantiu que esta instituição, que passou a se dedicar à produção do antígeno dos candidatos Abdala e Mambisa (CIGB-669), tem para isso, com a experiência de mais de 30 anos em produções desta natureza, especificamente com o uso da levedura pichia pastoris, que é utilizada na fabricação de vacinas de subunidades proteicas.

Comentários: