Brasília, 14 de maio de 2022 às 23:14
Selecione o Idioma:

Brasil

Postado em 28/08/2020 5:47

Senadores criticam presença de tropas americanas na Colômbia

.

Bogotá, 28 de agosto (Prensa Latina) Vários senadores da oposição criticaram duramente a presença de tropas dos Estados Unidos ativas em território colombiano desde 20 de julho, violando uma ordem judicial.
Por meio de sua conta no Twitter, Iván Cepeda, do Polo Democrático Alternativo, lembrou que foi o próprio ministro da Defesa, Carlos Holmes, em tom agressivo e arrogante, que disse aos jornalistas que desde aquela data tropas norte-americanas estão ativas no país.

Para Cepeda, isso viola uma ordem judicial e ao mesmo tempo se preocupa que em três áreas onde estão esses militares aumentem os massacres contra a população civil: Tumaco, Catatumbo e Arauca.

O senador da oposição exigiu que o ministro da Defesa explicasse a situação e questionou por que essa presença estrangeira coincide com o aumento da violência. Em carta ao Conselho de Estado, Cepeda, Jorge Enrique Robledo, Alberto Castilla, Alexandre López, Wilson Arias, do Polo Democrático Alternativo, e Antonio Sanguino, de Alianza Verde, alertaram para a gravidade da retomada dessas operações por tropas dos Estados Unidos.

O Governo não só omitiu a autorização da legislatura, mas o então presidente do Senado, Lidio García, juntamente com um grupo de parlamentares, teria atribuído a definição unilateral do assunto, omitindo o exame dessa autorização pelo plenário do Congresso, indicaram.

As decisões do Tribunal Administrativo de Cundinamarca, em primeira instância, contemplam a suspensão dos efeitos jurídicos da autorização para qualquer atividade dessa brigada militar no território nacional, explicaram.

A ordem de suspensão rege até que o Senado não seja o presidente daquela corporação, menos ainda um grupo de parlamentares, decida se assume ou não sua função funcional, para a qual deve mediar uma sessão do Plenário do Senado, na qual o discutir e votar plenamente sobre o assunto, diz a comunicação.

Para Cepeda, ‘qualquer desconhecimento da atual decisão de paralisar a atividade das tropas dos Estados Unidos na Colômbia e rever a decisão do plenário do Senado viola a Constituição e pode gerar ações de prevaricação’.

Por essas razões, disse que convocará o ministro da Defesa para um debate na Segunda Comissão para responder por violação de ordem judicial ao autorizar as atividades da Brigada de Assistência à Força de Segurança do Governo dos Estados Unidos.

Além disso, para explicar o aumento da violência em Tumaco, Catatumbo e Arauca, áreas onde esta brigada está localizada.

Comentários: